terça-feira, 3 de novembro de 2015

O FIO DAS LEMBRANÇAS (4), por Teresa Martins Marques. Traduzido para Mirandês por Francisco Demingues

FRUSTRADOS A " EIDUCAR" GAROTOS
L FILO DE LAS LHEMBRÁNÇIAS (4)
(Excerto de la Biografie que scribo subre Amadeu Ferreira)
L director spritual era l padre Baltazar Pires. Amadeu antende qu’ el era un home buono, mas completamiente frustrado. «Nós diziemos qu’ el, quando iba a la retrete para mejar, pegaba ne l pirilau cun un papelico para nun l agarrar cun la mano, porque isso era ua cousa proibida. Yá nesse tiempo teniemos la noçon de que l sexo, nel, era uma berdadeira oubseçon.»
Monsenhor Escrivá de Balaguer
El nun falaba abertamiente de sexo, mas de tentaçones, de malos pensamientos, de castidade. Nun s’ antende que ne ls anhos 60, nun seminairo diocesano podisse haber inda l ancentibo a comportamientos sacrificiales perpuostos a adolescientes, Zambolbiendo neilhes ou l pánico ou l masoquismo.
«Recomendaba ousar cordeles cun nuolos i cilícios a la cintura para mortificar l cuorpo, anté sangrar, i nun l deixar ganhar domínio subre nós. Contaba-se qu’ el ousarie esses strumientos de mortificaçon de l cuorpo, que aparecien cumo prática de uso corriente ousada por muitos santos que mos éran apersentados cumo eisemplo. Mais tarde, l uso de ls cilícios fui mui reçucitado puls Cursos de Cristandade i outros mobimientos lhigados a Monsenhor Escrivá de Balaguer, cumo a Opus Dei. Tamien mos recomendaba ousar l scapulairo de l’ Eimaculada Conceição que era um oujeto cun dous panhicos presos por fitas, que se ousaba al cachaço, por ambaixo de la roupa, un de ls panhicos pa l lhado de las cuostas i l outro pa la frente. Siempre l ancarei de modo stranho, cumo un modo de bruxarie, puls eifeitos que le éran atribuídos. Tudo isso se mercaba ne l seminairo, tal cumo terços, dezenas, crucifixos, santicos, assi a modos de cromos de santos. Estes cromos éran ousados cumo marcadores de lhibros i ls próprios padres ousában-los para marcar la lheitura de l Brebiário.»
Al miesmo tiempo que acunselhaba la mortificaçon de l cuorpo l padre Baltazar Pires fazie anterrogatoiros sexuales ne l sou quarto. «El chamaba-mos de propósito al sou quarto, solo para mos perguntar se teniemos pensamientos malos.»
Acuntecie tamien que las questones puostas íban muito para alhá de la compreençon destes garotos. «Nunca me squeço dua aula de Ciências Naturales, dada pul padre Aníbal Liberal, l eicónomo de l seminairo. A certa altura, çtraiu-se i falou an poluçon noturna. Nós nun sabiemos l que isso era i el tamien nun mos cunseguiu splicar. Mas pulas palabras que dixo percebiemos que era ua pessona tener un derrame de sémen sien dar de cuonta durante la nuite. Nós, cun treze anhos, inda nun teniemos esse tipo de cousas. El quedou mui aflito, porque naide sabie l que isso era.»

Traduçon de pertués para mirandés-Francisco Demingues


FRUSTRADOS A " EDUCAR" CRIANÇAS
O FIO DAS LEMBRANÇAS (4)
(Excerto da Biografia que escrevo obre Amadeu Ferreira)
O director espiritual era o padre Baltazar Pires. Amadeu entende que ele era bom homem, mas completamente frustrado. «Nós dizíamos que ele, quando ia à casa de banho para fazer chichi, pegava no pirilau com um papelinho para não pegar com a mão, porque isso era uma coisa proibida. Já nessa altura tínhamos a noção de que o sexo, nele, era uma verdadeira obsessão.»
Ele não falava explicitamente de sexo, mas de tentações, de maus pensamentos, de castidade. É aberrante que nos anos 60, num seminário diocesano pudesse haver ainda o incentivo a comportamentos sacrificiais propostos a adolescentes, desenvolvendo neles ou o pânico ou o masoquismo.
«Recomendava usar cordéis com nós e cilícios à cintura para mortificar o corpo, até deitar sangue, e não o deixar ganhar domínio sobre nós. Contava-se que ele usava esses instrumentos de mortificação do corpo, que apareciam como prática de uso corrente usada por muitos santos que nos eram apresentados como exemplo. Mais tarde, o uso dos cilícios foi muito ressuscitado pelos Cursos de Cristandade e outros movimentos ligados a Monsenhor Escrivá de Balaguer, como a Opus Dei. Também nos recomendava usar o escapulário da Imaculada Conceição que era um objecto com dois paninhos, presos por fitas, que se usava ao pescoço, por baixo da roupa, um dos paninhos para o lado das costas e outro para a frente. Sempre o encarei de forma estranha, como uma espécie de bruxaria, pelos efeitos que lhe eram atribuídos. Tudo isso era vendido no seminário, tal como terços, dezenas, crucifixos, santinhos, uma espécie de cromos de santos. Estes cromos eram usados como marcadores de livros e os próprios padres os usavam para marcar a leitura do Breviário.»
Aos mesmo tempo que aconselhava a mortificação do corpo o padre Baltazar Pires fazia interrogatórios sexuais no seu quarto. «Ele chamava-nos propositadamente ao seu quarto, só para nos perguntar se tínhamos maus pensamentos.»
Acontecia também que as questões colocadas iam muito além da compreensão destes miúdos. «Nunca me esqueço duma aula de Ciências Naturais, dada pelo padre Aníbal Liberal, o ecónomo do seminário. A certa altura, deve ter-se distraído e falou em polução nocturna. Nós não sabíamos o que era isso e ele também não nos soube explicar. Mas pelas palavras que disse percebemos que era uma pessoa ter um derrame de sémen espontâneo durante a noite. Nós, com treze anos, ainda não tínhamos esse tipo de coisas. Ele ficou muito embaraçado, porque ninguém sabia o que isso era.»

Reedição de posts desde o início do blogue

2 comentários:

  1. Teresa Martins Marques :Obrigada ,Francisco Domingues pela bela tradução do meu texto para mirandês!

    ResponderEliminar
  2. Ana Diogo :Gostei mt de ler o texto em Mirandês! Obg, Lelo Demoncorvo por esta publicação.

    ResponderEliminar