segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Linha do Sabor - Ponte do Pocinho

A Ponte Rodo-Ferroviária do Pocinho é uma infro-estrutura rodo-ferroviária da  Linha do Sabor, sobre o Rio Douro, que liga o Pocinho (concelho de Vila Nova de Foz Côa) ao concelho de Torre de Moncorvo. A ponte do Pocinho encontra-se fora de serviço há 22 anos, tendo comemorado a sua inauguração centenária em 4 de Julho de 2009. Esta ponte conta assim com dois tabuleiros sobrepostos; enquanto um dos tabuleiros servia de  ligação rodoviária para a circulação de automóveis, o outro tabuleiro superior (com aproximadamente 262 m de comprimento e 8 de largura) servia de caminho-de-ferro entre o Pocinho e Duas Igrejas. Está assente sobre quatro pilares de pedra, formando 3 vãos de 54 m no centro e 2 de 45 m na periferia. A Linha do Sabor encerrou em 1 de Agosto de 1988. Em 2009, as autarquias de Torre de Moncorvo e Vila Nova de Foz Côa solicitaram ao Ministério da Cultura que esta ponte fosse classificada como património, devido à sua importância como parte do futuro projecto da Ecopista do Sabor.Parte da Linha do Sabor, no concelho de Torre de Moncorvo, foi aproveitada com a construção de uma ecopista que serve tanto para a marcha a pé como para ciclovia, sendo a primeira a  ser realizada em Trás-Os-Montes, podendo vir a  estender-se até ao Pocinho.
Mas porquê ter-se deixado acabar com esta linha?! Por que não se ter mantido a linha, com os comboios a circular do Pocinho até Duas Igrejas?
Pouca-terra, pouca-terra, lá vai o comboio a subir a serra...

Nota: Click nas imagens para aumentar

Reedição de posts desde o inicio do blogue


2 comentários:

  1. Pouca-terra!Pouca-terra!
    Apita o combóio!
    tro-fá-fá!
    Pouca-terra!Pouca-terra!
    Tro-fá-fá!
    Apita o combóio!
    Para onde me levará!
    A.A.

    ResponderEliminar
  2. Viajei muitas vezes nessa linha em meados dos anos 60. Na altura, ir do Variz ao Pocinho era uma aventura e chegar ao Porto uma descoberta. Tenho o privilégio de ter assistido à enorme mudança que o o país sofreu nestes últimos 50 anos.

    ResponderEliminar