terça-feira, 24 de novembro de 2015

Foz Côa - ROSTOS TRANSMONTANOS

 
Galeria de Arte do Centro Cultural de Vila Nova de Foz Côa.
1 a 31 de Maio/2012
Nota: Para abrir a página(ampliar as fotos), clique no lado direito do rato ;abrem as instruções, e depois clique em abrir hiperligação.


Reedição de posts desde o início do blogue

5 comentários:

  1. A tiua Arminda «Reina» na lingua mirandesa reina quer dizer rainha tal como em castelhano. Este registo mostra um momento captado na feira dos gorazes de Sendim, há 5 anos volvidos, então com 84 anos, pretendia vender os ultimos alforges tecidos por ela, mas, como a proposta fora inferior ao pretendido ela agarrou com as suas mãos fortes de tanto fanfar (trabalhar no duro)os seus alforges, ao mesmo tempo que respondia; por esse preço, prefiro guardá-los para mim pois são os derradeiros, stou mala e já não faré más...

    ResponderEliminar
  2. Fotografia a cor, Tiua Adozinda Almeida (Telegra). Natural de Carviçais, actualmente a viver no Larinho, um luto recente transformou a sua indumentária colorida a lembrar outras raízes num pesado e eterno negro como manda a tradição.
    Ser mulher no Portugal interior serrano e profundo,
    é quase sempre e ainda
    sinal de dor e de luto.
    Lenços negros são indícios de perda: perda da juventude que tudo ameaçou ou perda do chefe da família que foi dominante ou - ainda mais doloroso - as duas perdas ao mesmo tempo...

    ResponderEliminar
  3. Já aqui foi dito várias vezes e por diferentes comentaristas; a qualidade e autenticidade deste trabalho. Vamos dar um passo em frente. Proponho que seja editado um álbum com 80 registos destes rostos transmontanos. Uma edição de qualidade igual a outros livros de fotografia, com uma tiragem de três mil exemplares ,capa dura formato 22x24 papel couché, com distribuição nacional ,entregue a uma editora credível e conhecedora do mercado. livro de oferta de todos os transmontanos. Saída na páscoa com lançamento em Lisboa e Porto nas casas de Trás os Montes, no Grémio Literário de Vila Real na nova Academia transmontana em Bragança. Uma ronda por todas bibliotecas municipais de Trás os Montes, começando ou acabando em Moncorvo.
    Aguardo ,com expectativa , a opinião dos leitores que como eu frequentamos esta sala de leitura digital.
    O meu mail: -lafguardado@gmail.com .Melhor seria, para promoção,que tudo se passasse através deste blog.
    Cumprimentos,
    Luís Afonso Guardado

    ResponderEliminar
  4. Eu alinho e compro dez exemplares para oferecer.

    ResponderEliminar
  5. Há ideias e projetos em análise e, segundo se consta no burgo, a impressão está a caminho. Não sabemos se é em direção a Santiago de Compostela. Se for, acredito que demora tempo. Se for em direção da Adeganha, repouso de muitos e cansados peregrinos de passarem até o rio, aquele que vai ficar coberto de água,a coisa tem outro movimento. Será em breve. Estou, como sempre estive, expectante para sentir as imagens a perdurar no tempo, cristalizadas em papel e para a vida. Sim para a vida!
    O Paulo, creio que foi bafejado por uma ideia genial.. Foi mesmo genial e viajou com este projeto a trote e, posteriormente, a galope. Fê-lo com naturalidade, tal como o nosso Sebastião Salgado quando fotografou as gentes do Amazonas profundo. Vi a exposição em Saragoça no ano de 2001. Já lá vão muitos anos, mas o sentir é muito nosso. É muito transmontano. Ele não descobriu nada de novo. Ele não explorou o El Dorado. Ele, única e simplesmente, olhou, registou e mostrou. E MUITO BEM.... Eu não compro. Eu admiro e recomendo ( em grande). Arnaldo

    ResponderEliminar