sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Aldeias de S. Joanico e Serapicos, concelho de Vimioso - Festival Sons e Ruralidades

Festival Sons e Ruralidades
ENTRADA LIVRE
 O conhecimento tradicional é um factor de consciência ecológica no seu papel de formação e conservação do ambiente. O Festival Sons & Ruralidades, pretende ser um novo modelo de festival cultural, superando o espaço e tempo do festival para revitalizar e regenerar a região rural do nordeste transmontano.
 Este festival faz parte de um programa de desenvolvimento para esta região, procurando que a arte e a cultura sejam a causa para a sua revitalização, procurando novas aproximações artísticas, sociais e económicas. Estimulando sinergias entre o património faunístico e florístico e o património cultural, material e imaterial. Pensando os humanos como parte da natureza e a biodiversidade como um todo. Criando novas oportunidades de criar e de reflectir colectivamente sobre o desenvolvimento local e proporcionando novas visões de futuro.
 De forma a estabelecer uma sólida fundação ética para a sociedade global emergente ajudando a construir um mundo sustentável baseado no respeito pela natureza, direitos humanos, justiça económica e uma cultura de paz. Tornando-se imperativo que assumamos responsabilidade pelos outros, por todos os seres e para as futuras gerações.
 Contamos consigo!

***********************

PROGRAMA

Sexta-feira, dia 19 de Setembro de 2014
Aldeia de S. Joanico, concelho de Vimioso

DOURO - VINDIMAS










Vindimas

(1) Setembro, mês de vindimas. A imagem de  Emil Biel (1838-1915) foi captada no Douro em finais do séc. XIX. Um dos precursores da fotografia em Portugal, Biel registou centenas de imagens do nosso país de grande valor histórico e documental. Alemão, o seu nome verdadeiro é Karl Emil Biel. Veio para Portugal aos 22 anos e passou a usar o nome de Emílio Biel. O seu espólio está no Arquivo Histórico Municipal do Porto.
(2) Depois da colheita das uvas, o segundo momento das vindimas passa pelo transporte até aos lagares. Nesta foto de Emílio Biel, tirada no Douro no final do séc. XIX, pode-se ver homens que carregavam cestos que pesavam cerca de 70 quilos. Muitos deles tinham de percorrer longos caminhos pelos íngremes socalcos até serem acessíveis os carros de bois.
Nota do editor: fotografias e texto cedidos por Lusa Trilogia.Visitem (obrigatório) a sua página no facebook e partilhem com os v/nossos amigos:

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES - (19/09)

19.09.1694 – Deliberação da câmara municipal de Moncorvo no sentido de conseguir das autoridades competentes para o “Recolhimento ser convento professo com administração e hábito da Conceição, vivendo debaixo da regra de S. Francisco, a que mais se inclina na devoção dos homens nobres da governança deste povo…”

Na mesma câmara foi deliberado: - Fosse notificado Domingos Gomes Rebelo, administrador da nova saboaria do sabão negro desta vila que sob pena de 6 mil réis para o concelho e terça, não mande tirar por seus criados nem outra pessoa água das fontes públicas desta vila, a saber, fonte de Santiago, do Concelho, do Carvalho e das bestas, por razão de que todas as ditas fontes são de vaso e os cântaros com que se tira a dita água vão da dita fábrica infeccionados de cal que nela há e se seguiam gravíssimos prejuízos aos moradores desta república, além de que pela grande quantidade de água que a dita fábrica gasta, pode faltar nas ditas fontes, por não serem muito abonadas, como muitos anos se tem sentido nesta vila e no ano presente está iminente este dano (…) somente poderá tirar a dita água do chafariz da fonte do Carvalho que para provimento da dita fábrica se lhe concede e outrossim sob a mesma pena, que será sempre paga da cadeia, não mande por si nem por seus criados ou outra pessoa, lançar o surro que resulta da dita fábrica em sítio de que se siga prejuízo às propriedades desta vila que pela experiência se tem achado é danoso para as novidades que as mesmas dão.
 Carviçais(Francisco Moura)
19.09.1876 Ofício da câmara de Moncorvo para o governador civil informando que “ o dr. Manuel Guerra e outras pessoas importantes de Freixo foram a Carviçais á festa (…) sucedendo haver nesse dia à noite vivas aos de Carviçais e Freixo e morras aos inimigos: poucos dias depois realizou-se na Quinta de Joaquim Maria, de Freixo, um jantar ao qual assistiram mais de quarenta pessoas de Carviçais sendo presidido pelo dr. Manuel Guerra, dando-se vivas à reunião de Freixo e Carviçais. À noite houve teatro onde, segundo me consta, houve morras aos inimigos de Freixo”.

19.09.1897 – Notícia da Caderneta de Lembranças: - chegou a esta villa o Conde de Zambuja, com toda a sua família, chigarão às 10 horas da manhem e abalarão para o Monte Mião á 1 e meia da tarde, a musica foilhe tucar á porta e mandoulhe dar 15 000 reis.
19.09.1936 – A Comissão de Iniciativa e Turismo apresenta um requerimento à Câmara para que autorize a construção do edifício do Cine – Teatro.
19.09.1948 – Inauguração do Posto da GNR de Carviçais.
19.09.1953 – Concedido alvará de táxi a António Joaquim Ferreira, na Horta da Vilariça

António Júlio Andrade

quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

TORRE DE MONCORVO - PENSÃO TORRE

Uma Pensão com História

Por José Manuel Remondes

A pensão do Sr. Anastácio
Era famosa e atraente
Não era nenhum palácio
Mas acolhia muita gente.
II
Acolhia viajantes
E também todo o estrangeiro
Por ali passavam negociantes
E gente de muito dinheiro.
III
Era o Sr. Anastácio Marrana
Proprietário desta Pensão
Que na época tinha fama
Era a melhor na ocasião.

IV
Muita gente por ali passou
Por Pensão Torre era conhecida
Mas já tudo acabou
Foi coisa bem esquecida.
V
Hoje está abandonada
Com o telhado a cair
Esta pensão tão falada
Não volta mais a servir.

VI
Muita gente ali comeu
E também ali dormiu
Muita coisa aconteceu
Fora o que nunca se viu.

VII
Quando o Sr. Anastácio se zangava
Andava tudo em reboliço
O empregado Casimiro é que pagava
Se não corresse bem o serviço.

VIII
Criadas ali não faltavam
Não porque fosse grande a féria
Mas muito trabalhavam
Porque nesse tempo havia miséria.
IX
O Sr. Anastácio ralhava
Mas tinha bom coração
Ali com fome ninguém ficava
O defeito era ser mandão.
X
Era duro com as criadas
Tinham que ser trabalhadeiras
Nem que fossem asseadas
Tratava-as mal com asneiras.
XI
Era esta pensão na altura
A melhor que Moncorvo tinha
Farta e com boa postura
Com boa comida e cama limpinha.
XII
Era uma casa bonita
Mas está a ficar danificada
Naquele lugar bem não fica
Só fica bem restaurada.

Foto tirada em 16 /10/2010

Alfândega da Fé - NOVO QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO


A Câmara Municipal de Alfândega da Fé, em parceria com a Qualitividade Consulting Group, promove, no dia 3 de outubro ,uma Sessão de Esclarecimento sobre o Novo Quadro Comunitário de Apoio. A sessão pretende "trocar por miúdos" o Novo Quadro Comunitário de Apoio - 2014/2020, informando e esclarecendo a população sobre a melhor forma de aproveitar as oportunidades de financiamento que o Novo Quadro oferece.

PROGRAMA
09.30h | Sessão de Abertura
Dra. Berta Nunes (Presidente da CM de Alfândega da Fé)
Eng. Pedro Barroso (Qualitividade Consulting Group)
10.00h | Desafios e Oportunidades do Novo Quadro
Eng. Pedro Barroso (Qualitividade Consulting Group)
11.30h | Debate 
Local | Auditório da Biblioteca Municipal de Alfândega da Fé
Destinatários | público em geral

Pode inscrever-se já através do FormulárioOnline

Jorge Luís Borges, Torre de Moncorvo e o Embaixador da Argentina

Embaixador da Argentina esteve em Torre de Moncorvo para anunciar estudo genealógico do escritor Jorge Luís Borges
Jorge Arguello, embaixador da Argentina em Portugal, visitou Torre de Moncorvo no passado dia 13 de Setembro.
A visita teve como finalidade a oferta, por parte do embaixador, à Biblioteca Municipal de Torre de Moncorvo de diversos exemplares, em português, editados por Jorge Luís Borges e a coordenação de alguns pormenores relativos ao protocolo que o Município de Torre de Moncorvo e a Universidade de San Martín, na Argentina, vão assinar com o objetivo de estudar a genealogia do conhecido escritor argentino, Jorge Luís Borges, que acreditava que a sua ascendência era transmontana e de Moncorvo. Para complementar este estudo será produzido um documentário sobre o estudo científico em si, mas também sobre Torre de Moncorvo, Jorge Luís Borges e a vida dos seus antepassados. O bisavô de Jorge Luís Borges, Francisco Borges, era moncorvense, tendo saído de Torre de Moncorvo com destino a Rio da Prata. Na sua obra estão presentes os seus familiares, os Borges, em poemas que o escritor escreveu, onde também demonstra acreditar ser descendente de judeus e marranos de Torre de Moncorvo.

Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 17 de Setembro de 2014

Luciana Raimundo

Alfândega da Fé - Saúde e Voluntariado


Para ampliar clique com o botão direito do rato na imagem e em:  "Abrir link num novo separador"

"Relevos" no Porto

Apareçam. Lá vos espero.




Secretário de Estado do Emprego visita Torre de Moncorvo

Octávio de Oliveira, Secretário de Estado do Emprego, esteve dia 15 de Setembro de visita a Torre de Moncorvo, tendo sido recebido nos Paços do Concelho pelo Presidente da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, e Vice-presidente, Victor Moreira. Presentes estiveram também os deputados eleitos pelo distrito de Bragança Adão Silva e Maria José Moreno, o Director do Centro de Emprego de Vila Real, o Delegado e o Sub-delegado do IEFP do Norte.

Na agenda estava uma proposta apresentada pelo Presidente da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo relativamente à disponibilização de parte do edifício do antigo GAT, propriedade do Município de Torre de Torre de Moncorvo, para instalação conjunta do Centro de Emprego de Torre de Moncorvo e Segurança Social. Pretende-se também agilizar uma solução para a denominada antiga “Pensão Marrana”, pertencente ao IEFP e em avançado estado de degradação.
Octávio de Oliveira referiu que Torre de Moncorvo poderia contar com o Governo para viabilizar estas questões, referindo que é de “ louvar a posição pioneira, inovadora e construtiva que o Sr. Presidente teve em ajudar a encontrar esta solução que diminui encargos para a Câmara Municipal, o IEFP e Segurança Social e que ao mesmo tempo melhora as condições para as populações.

O Secretário de estado visitou ainda a delegação do Instituto de Emprego e Formação Profissional de Torre de Moncorvo, o novo edifício para instalação do Centro de Emprego e Segurança Social e o edifício devoluto do IEFP.

Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 16 de Setembro de 2014

Luciana Raimundo

Torre de Moncorvo - Terra de Vinhos III


QUINTA DO VALE DA PIA , com 151 Ha
É no Douro Superior, na região demarcada para o vinho do Porto, a 1,5km da histórica vila de Torre de Moncorvo, que se localiza a Quinta do Vale da Pia, uma vasta propriedade com terra de grande qualidade partilhada por 3 culturas ( vinha, olival e amendoal), onde predomina a vinha.

33ha de Vinha - uma parte destinada para a produção de vinho de mesa com Denominação Douro e uma parte (4ha) destinada produção de vinho do Porto.
29 ha - Olival (oliveiras centenárias)
17 ha de amendoeiras
70ha de terra que pode ser plantada

VINHEDO:
Tipologia da plantação da vinha : vinha ao alto e vinha em patamares

Idade da vinha : 2 a 7...

Fonte: Internet

Carviçais - Percurso pedestre da Rota da Fonte do Gil

Domingo, dia 21 de Setembro, tem lugar em Carviçais o percurso pedestre da Rota da Fonte do Gil, organizado pela Junta de Freguesia de Carviçais com o apoio do Município de Torre de Moncorvo.

A concentração realiza-se às 10h00 na Praça da Igreja, tendo o percurso cerca de 4 km de dificuldade média baixa.
A rota passa por locais emblemáticos e de valor histórico como a Calçada do Gil, a Fonte do Gil, Escadas do Carcavão, Canelhinha do Fogo, Minas do Lagar Velho, Fraga da Raposa e Fraga dos Pelames.
No decorrer do percurso será inaugurada a primeira fase de requalificação da Fonte do Gil, obra da responsabilidade da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo em parceria com a Junta de Freguesia de Carviçais.
De referir que a Fonte do Gil, que dá nome a esta rota, foi edificada em 1735, é de estilo barroco jesuíta e possui lavadouros, tanque e chafariz.
A participação é gratuita devendo os interessados efetuar inscrição, com direito a almoço, até dia 19 de Setembro no sector do Desporto da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo ou na Junta de Freguesia de Carviçais.

Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 16 de Setembro de 2014

Luciana Raimundo

Torre de Moncorvo - Vindimas II

Foto tirada na Quinta do Vale da Perdiz

Chãs - Foz Côa - Celebração do Equinócio do Outono no altar sacrificial de Calendário Pré-Histórico

Dia 23 - Celebramos o Equinócio do Outono 2014, ao nascer do sol, com poemas do “Jardim da Alma”, de Maria da Assunção Carqueja Rodrigues, na Pedra da Cabeleira de Nª Srª, ao som de violinos e guitarra, pelo dueto ALE&OLE.
VAMOS CELEBRAR A ESTAÇÃO DAS COLHEITAS E DOS FRUTOS - dia 23, entre as 08.00-08.30 - Saúde o brilho e a nostalgia do Outono, associando-se a um momento de invulgar beleza e alegria,  à entrada e ascensão do auspicioso esplendor do sol através da graciosa cripta de um dos mais impressionantes e invulgares  calendários Pré-históricos da Humanidade

A Comissão Organizadora da Celebração dos Equinócios e do Solstício do Verão, à semelhança das anteriores festividades, pretende celebrar os ciclos da Natureza, evocando antigas tradições desapreciadas dos povos que aqui viveram, de cujo passado há ainda abundantes vestígios. E ao mesmo tempo recolher contributos científicos, multidisciplinares, para um melhor aprofundamento histórico e místico desta área e da região. Conta com o apoio municipal e da Junta de Freguesia. – Mais pormenores em http://www.vida-e-tempos.com/2014/09/dia-23-celebramos-o-equinocio-do-outono.html

Notícia enviada por Jorge Luís Marques Luís

Torre de Moncorvo - Vindimas

Fotografia tirada na Quinta do Vale da Perdiz


Sabor D’ouro Summer Fest Wine - Balanço positivo

Balanço positivo na primeira edição do Sabor D’ouro Summer Fest Wine
A emblemática Praia Fluvial da Foz do Sabor recebeu no passado dia 13 de Setembro o Sabor D’ouro Summer Fest Wine.
O evento decorreu durante a tarde e desenrolou-se pela noite dentro num ambiente bastante acolhedor, com esplanada lounge, música ambiente e bons vinhos para apreciar.
A iniciativa celebra o início das vindimas, o final do verão e tem como objetivo dar a conhecer um dos produtos regionais que melhor nos caracteriza, o vinho, ao mesmo tempo que se promove o concelho de Moncorvo.
Presentes estiveram nove produtores do concelho com as mais conhecidas marcas de vinho, vinhos estes reconhecidos a nível nacional e internacional. Os visitantes tiveram a oportunidade de provar estes maravilhosos néctares e, se o desejassem, levá-los para casa.
Inserido no Sabor D’ouro Summer Fest Wine estava a prova cega de vinho onde participaram 8 marcas, sendo que foram distinguidas quatro, Quinta Vale da Pia 2010, Encostas da Lousa Reserva 2009,
Quinta do Couquinho Reserva 2011 e Casa da Palmeira Reserva 2009 não havendo ordem de classificação. O júri distinguiu ainda um outro vinho, o Pedra D’Anta, pela sua diferenciação relativamente aos vinhos presentes.
O júri era constituído pelo professor Nazaré Pereira, da Confraria dos Enófilos e Gastrónomos de Trás-os-Montes e Alto Douro, Marco Moreira da Silva, editor do Jornal de Vinhos, e António Andrês produtor do Douro Superior.
O Sabor D’ouro Summer Fest Wine teve um balanço positivo, sendo objetivo da organização dar continuidade a esta iniciativa, que vem alargar a oferta turística do concelho em plena época das vindimas.

Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 16 de Setembro de 2014

Luciana Raimundo

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

TORRE DE MONCORVO - CASTELO

Torre de Moncorvo nasceu por vontade de D. Dinis, no âmbito da criação das chamadas “vilas novas”, processo iniciado por seu pai, D. Afonso III, promoveu a edificação de um pólo populacional proto-urbano nesta parcela do território transmontano. Com esta medida, datada de 1285, Moncorvo herdava o termo anteriormente vinculado a Santa Cruz da Vilariça, antiga cabeça de Terra da região, e instituía-se como principal sede administrativa e militar da zona.
O seu castelo começou a edificar-se logo após a atracção dos primeiros moradores ou em data muito próxima. Em 1295, dez anos depois do documento de criação, o próprio rei faz referência ao castelo, pressupondo-se, assim, que as obras já estariam em curso. Apesar das múltiplas fases de destruição por que a fortaleza passou, é ainda possível reconstituir o seu aspecto geral original. Assim, a cerca definia um povoado de perfil oval, tão característico das vilas muralhadas góticas, que integrava quer a povoação, quer o castelo. Três portas permitiam o acesso ao interior da cerca, de que se destaca a inexistência de qualquer abertura no final da Rua Direita, que terminava num grande torreão quadrangular. De acordo com Carlos d’Abreu, não é impossível que aí existisse uma passagem original, mas “os documentos conhecidos não a referem e a muralha é hoje inexistente nessa zona”. As principais portas situavam-se a Norte e a Nascente (São Bartolomeu e Nossa Senhora dos Remédios, ou da Vila) e eram flanqueadas por duas torres circulares. Uma terceira, localizada do lado Sul, estava anexa ao castelo, sendo defendida directamente por este e dando serventia ao principal reduto defensivo da vila.

Guerra Junqueiro, nascido a 17 de Setembro de 1850


GUERRA JUNQUEIRO from Leonel Brito on Vimeo.

Nordeste Transmontano - EFEMÉRIDES (17/09)

17.09.1308 – Carta de D. Dinis definindo os limites dos concelhos de Mós e Torre de Moncorvo

Guerra Junqueiro
17.09.1543 – Notícia de que se anda construindo uma ponte sobre o rio Sabor nas proximidades de Bragança.
17.09.1718 – Tendo vagado o cargo de capitão mor das milícias de Moncorvo por morte de Miguel Machado Pereira Pinto, a câmara reuniu para apresentar 3 nomes que seriam enviados para Lisboa a fim de ser nomeado um deles por decreto real. Nesta ocasião foram propostos: Lucas de Gouveia e Vasconcelos, 50 anos, por ser um dos principais desta vila e filho dela, abastado de bens e independente; Diogo Monteiro de Melo, 38 anos, capitão de infantaria auxiliar e Paulo de Madureira Carneiro, 33 anos…
17.09.1850 – Nascimento do imortal Poeta Abílio Guerra Junqueiro, em Ligares, concelho de Freixo de Espada à Cinta.

António J. Andrade
Ver:    http://lelodemoncorvo.blogspot.com/2011/09/guerra-junqueiro.html

"VERÃO TOTAL" - Torre de Moncorvo


Veja ou reveja o programa "VERÃO TOTAL"inteiramente dedicado a Torre de Moncorvo, emitido na RTP1 no dia 12/9/13.O programa está dividido em 7 partes num total de 6 horas de emissão.
Link: http://www.rtp.pt/play/p1251/e128291/verao-total-2013

DOURO - TEMPO DE VINDIMAS

Estação do Pocinho

TRINDADE COELHO E A LÍNGUA MIRANDESA

Para ler o Jornal em formato digital abra a imagem numa nova janela para poder amplia -la.
(Para tal, clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: Abrir link numa nova janela.)
UM EXEMPLO PARA OS INTELECTUAIS TRANSMONTANOS: TRINDADE COELHO E A LÍNGUA MIRANDESA, por Amadeu Ferreira

Alma de Ferro - ANIVERSÁRIO


terça-feira, 16 de Setembro de 2014

RIO SABOR - Viaduto e pontes

Concelho de Moncorvo - Portela.

ALMA de FERRO - Jantar de aniversário


Torre de Moncorvo - Terra de vinhos II


 Manuel J. Pinto
É na Quinta de Vila Maior que estão instaladas todas as infraestruturas relacionadas com a produção de vinho e com os trabalhos na vinha. A traça dos edifícios é antiga e a intervenção de restauro tentou preservar o charme de outrora, juntando-lhes a funcionalidade que os tempos modernos exigem. O restauro estendeu-se também aos armazéns da Foz do Sabor, conhecida na região como Casa da Palmeira. A adega conta com lagares de granito para a pisa das uvas, equipados com um sistema de circulação de mosto através de frio, antes da fermentação. 

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (16/09)

16.09.1670 – Nomeação do dr. António de Vilas Boas Sampaio para o cargo de Provedor da comarca de Moncorvo.
Em reunião de câmara deste dia foi deliberado ordenar ao empreiteiro António Lopes de Sousa que vá compor o zimbório da torre da igreja matriz que deixa meter água. Também nesta câmara foi decidido dar princípio à obra do Recolhimento.

último restauro
16.09.1682 – Os canteiros André Martins e Domingos de Novais, nomeados pela câmara e pelo empreiteiro (António Lopes de Sousa) respectivamente procedem á vistoria da obra do lajeado do adro da igreja matriz. Os peritos consideraram que a obra não estava em condições de ser aceite. Foram dados 2 meses ao empreiteiro para proceder às rectificações indicadas.
16.09.1826 – O padre Sabino Manuel de Barros apresenta uma reclamação contra a Junta de recenseamento que o não incluiu no caderno de eleitores. Argumenta que tem um “rendimento de seu património de eleição e sobrepliz muito bem chegavam à quantia de 100 mil réis”. Registe-se que este padre foi líder local Miguelista, sendo professor oficial do concelho, depois saneado pelos liberais.
16.09.1946 – Ofício do Tribunal de Execução de Penas do Porto para o Sub-Delegado do Procurador da República da comarca de Moncorvo: - Tenho a honra de enviar a Vª Exª 7 processos de segurança a seguir descriminados:
Processo de Segurança nº 244 – arguido – Ilídio Pires Esteves, “O Travilete”
Nº 245 – arguido - Luís António , “O Lagoaça”.
Nº 246 – arguido – Manuel António Cordeiro “O Perna Gorda”.
Nº 247 – arguido – Fernando Cotovio, “O Pé de Cão”.
Nº 248 – arguido – António Joaquim Ricardo, “O António Lagoaça”.
Nº 249 – arguido – Armindo Varela, “O Chinoá”.
Nº 250 – arguido – Abílio Augusto Ricardo, “O Lagoaça”.
Conforme consta das promoções exaradas nos referidos processos é o tribunal dessa Comarca o competente para os seus julgamentos e não este tribunal….

António .J. Andrade

Torre de Moncorvo - Terra de vinhos


A “Quinta do Vale da Perdiz – Sociedade Agrícola, Lda.” é uma empresa familiar que aposta no binómio qualidade/preço com o objectivo de fazer chegar aos consumidores vinhos de qualidade a preços atractivos.

O sócio fundador – António Augusto Fernandes – dedicou a vida à vinha e aos vinhos tendo iniciado a produção de vinhos generosos e de mesa no ano de 1989. Constituída em Junho de 2000 com o objectivo de desenvolver a vertente dos vinhos de mesa apostando na melhoria dos métodos e técnicas de vinificação, a empresa vinifica na Quinta do Reboredo, em Torre de Moncorvo. Todos os vinhos da Quinta do Vale da Perdiz – comercializados sob a marca “Cistus” – são produzidos a partir de uvas do Douro Superior, sendo na sua maioria provenientes das vinhas da família Fernandes, detentora da sociedade, com uma área total aproximada de 50 hectares repartidos por seis quintas.

Ver: www.qvp.pt

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

Câmara de Moncorvo investiga raízes transmontanas do escritor Jorge Luís Borges

Da esquerda para a direita : JorgeLuís Borges,inspector Costa,dr.Joaquim Ribeiro
 e senhor Frederico Mesquita
.

“Embaixada” moncorvense a Lisboa em 1984,aquando da entrega do título de Cidadão Honorário
 da nossa terra ao grande escritor com raízes moncorvenses.
Que os antepassados do escritor argentino Jorge Luís Borges eram transmontanos, é um facto conhecido. O próprio Borges tentou identificar a linhagem do bisavô português em 1921, durante uma visita a Portugal. "Quando consultámos a lista telefónica, havia tantos Borges que era como se não existisse nenhum. Tinha cinco páginas de parentes". Agora, a Câmara de Moncorvo e a Embaixada da Argentina vão investigar as origens do escritor.
A Câmara de Torre de Moncorvo e a Embaixada da Argentina em Portugal deram início a um processo que vai culminar com um estudo e um documentário sobre as raízes transmontanas do escritor argentino Jorge Luís Borges. O trabalho vai ser desenvolvido em parceria com a Universidade Nacional San Martin, na Argentina, e pretende desenvolver um estudo genealógico sobre a ascendência de um dos mais importantes escritores argentinos, Jorge Luís Borges.
O anúncio foi feito este sábado pelo representante em Portugal da Argentina, Jorge Arguello, na praia fluvial da Foz do Sabor, onde decorre a primeira edição do Sabor D'ouro Summer Fest Wine. 
A investigação genealógica vai percorrer cerca de 200 anos de história, até se chegar às raízes transmontanas do escritor, que nasceu em Buenos Aires (capital da Argentina) em 24 de Agosto de 1899.
No ano de 1850, o bisavô do escritor, Francisco Borges, saiu de Torre de Moncorvo, integrado numa expedição militar portuguesa que atracou na região argentina do Rio de la Plata, e nunca mais regressou a Portugal.
"Temos a certeza que Jorge Luís Borges é bisneto de Francisco Borges. Não estamos é certos das circunstâncias do nascimento de Francisco Borges", frisou o diplomata, que visitou o município para tentar estabelecer um convénio entre a UNSM e a Câmara de Torre de Moncorvo.
"Dentro em breve, a universidade argentina vai enviar uma equipa de filmagens, tendo em vista seguir o rasto do bisavô de Jorge Luís Borges", especificou.
O próprio Borges terá tentado identificar a linhagem durante uma visita a Portugal, em 1921. Anos mais tarde, contaria numa entrevista as dificuldades da investigação.
"Quando consultámos a lista telefónica, havia tantos Borges que era como se não existisse nenhum. Tinha cinco páginas de parentes. O infinito e o zero assemelham-se. Não podia telefonar a cinco páginas de pessoas e perguntar: 'Diga-me uma coisa: na sua família houve um capitão chamado Borges, que embarcou para o Brasil em fins do século XVIII ou princípios do XIX?...'".
A referência aos antepassados portugueses é feita aliás num dos seus poemas. "Nada ou bem pouco sei dos meus ancestrais / Portugueses, os Borges: vaga gente / Que na minha carne, obscuramente / Prossegue os seus hábitos, rigores e temores. / Ténues como se nunca tivessem sido / E alheios aos trâmites da arte / Indecifravelmente fazem parte / Do tempo, da terra e do olvido. / Melhor assim. Cumprida a odisseia / São Portugal, são a famosa gente / Que forçou as muralhas do Oriente / E se deu ao mar e ao outro mar de areia.”
O escritor, que era um grande fã das obras camonianas e de Eça de Queiroz, comentava ainda, a propósito da investigação genealógica sobre os seus antepassados: "Descobri com tristeza que um inimigo de Camões se chamava Borges e tiveram um duelo".
Agora, os investigadores vão tentar esclarecer o mistério que rodeia o bisavô de Borges e a história dos seus antepassados.


P.T.A. (com Lusa)
         http://lelodemoncorvo.blogspot.pt/2013/08/jorge-luis-borges-e-moncorvo.html

Torre de Moncorvo - BOM AR E BOM VINHO

Fonte: Especial Côa, Jornal "O Sol"
Para ampliar clique com o botão direito do rato na imagem e em:  "Abrir link num novo separador"

TORRE DE MONCORVO - campanha eleitoral

Click na imagem para aumentar.
Foto enviada por Paulo Patoleia.

Em Abril de 74 a politica veio para a rua ,inundando e sujando paredes. Era assim em todo o país durante vários anos. Moncorvo não foi excepção. 

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES (15/09)

15.09.1836 – Episódio da “Revolta dos Marechais” – Neste dia as tropas de Saldanha e Terceira fazem a entrada triunfal em Vila flor, idas de Torre de Moncorvo.

15.09.1845 – Lançamento do jornal “O Farol Trasmontano” – o primeiro que se publicou no distrito de Bragança.
15.09.1904 – Correspondência publicada no jornal O Trasmontano:

Freixo - 1980
- Poiares, 9. Encontra-se em Poiares o distinto actor Raphael Gutierrez, o qual, auxiliado por uma troupe de amadores, pôs em scena na noite de 7 do corrente o grande drama liberal “Sombra e Luz” no qual o seu auctor mostra o império absoluto do Jesuitismo sobre a sociedade portuguesa para a qual tem acarretado tão grandes e desgraçados males. 
- Freixo – No dia 7 do corrente à noite, realizou-se em casa do sympático moço Júlio Meireles, uma brilhante soirée, onde as gentis damas freixenistas, ostentando as suas mais vistosas toyletes, fizeram andar alguns rapazes com a cabeça à roda, como vulgarmente se diz.


António Júlio Andrade

Barragem do Sabor começa a produzir energia no final do ano

A barragem do baixo Sabor, em Trás-os-Montes, deverá começar a produzir energia no final do ano, com a entrada em funcionamento dos dois escalões que compõem o empreendimento hidroelétrico, anunciou hoje o diretor de projeto.
Em declarações à Lusa, Lopes dos Santos explicou, à margem da inauguração do novo santuário do Santo Antão deslocado devido à construção da barragem, que o escalão a jusante "está totalmente concluído" e "vai iniciar o enchimento em outubro com a previsão de começar a produção em dezembro de 2014".Já a barragem principal, a montante, "que é a mais importante, está concluída e, neste momento não está a encher por falta de chuva", mas o diretor admite que no próximo inverno possa haver ensaios de produção de energia", ou seja ainda em 2014", embora as previsões estejam dependentes da quantidade de chuva que possa ocorrer.
A albufeira da barragem principal terá uma profundidade de 120 metros e, atualmente, apresenta um volume de água com 40 metros, segundo responsável pelo empreendimento concessionado a EDP.
A empresa já fez uma primeira tentativa de enchimento durante o inverno, porém a água armazenada teve de ser despejada para reparar um problema no tapamento do túnel para desvio do rio Sabor durante a construção do paredão.
"O projeto do Baixo Sabor está nos últimos meses da sua atividade, já há muitos elementos concluídos e os trabalhos nas centrais estão a decorrer no sentido de termos produção de energia a partir do fim de 2014", resumiu.
A albufeira vai estender-se por 50 quilómetros dos concelhos de Torre de Moncorvo, Alfândega da Fé, Mogadouro e Macedo de Cavaleiros.
O empreendimento começou a ser construído em junho de 2008 e foi apresentado pelo então ministro da Economia socialista, Manuel Pinho, como "a mãe de todas as barragens", com um custo de 450 milhões de euros.
A barragem recebeu luz 'verde' no Governo liderado por José Sócrates que, uma década antes, na qualidade de ministro do Ambiente mandou suspender e reformular o projeto.
A contestação dos ambientalistas chegou à União Europeia e mesmo depois de arquivadas todas as queixas em Bruxelas, a Plataforma Sabor Livre fez parar as obras pouco depois do iníio com uma providência cautelar que acabou por ser anulada.
A conclusão da barragem estava inicialmente prevista para 2013.
A nova albufeira produzirá energia capaz de abastecer 300 mil pessoas por ano, o dobro da população do Distrito de Bragança, aumentará em 20% a capacidade de armazenamento do país e duplicará as reservas de água do Douro, segundo anunciou a EDP, aquando do lançamento da obra.
De acordo ainda com a empresa, esta é a barragem com um dos maiores planos de investimento para minimização de impactes ambientais, ou seja 60 milhões de euros.

Esta foi ainda a primeira barragem a disponibilizar 3% da faturação anual de energia para o fundo de compensação ambiental destinado também a apoiar o desenvolvimento de projetos na área de influência.

Fonte: http://www.noticiasaominuto.com/economia/272125/barragem-do-sabor-comeca-a-produzir-energia-no-final-do-ano

Centro de Alto Rendimento de Remo do Pocinho entrou na fase final de construção

Vila Nova de Foz Côa, 09 set (Lusa) - O Centro de Alto Rendimento de Remo (CARR) do Pocinho, Vila Nova de Foz Côa, entrou na etapa final de construção, tendo sido aberto o concurso público para a conclusão do equipamento desportivo.
Está última fase de construção tem um valor base de um milhão e 50 mil euros, informou hoje o autarca de Foz Côa, Gustavo Duarte, para quem o CAR será o investimento mais "importante" dos últimos anos no concelho de Vila Nova de Foz Côa, apenas superado pelo Museu do Côa.
Gustavo Duarte explicou que o novo equipamento desportivo e de lazer terá um custo global de oito milhões de euros, fincando situado junto ao rio Douro, nas proximidades da localidade de Pocinho.
"Com conclusão desta fase, acredito que em março de 2014, o equipamento esteja pronto a ser inaugurado. Depositamos muitas expetativas nesta nova infraestrutura. Tudo porque há muitos atletas e seleções de todo mundo que mostram interesse em treinar neste novo centro de remo", disse Gustavo Duarte à agência Lusa.
"Houve várias seleções europeias que vieram estagiar para o Pocinho e consideram o local como um dos melhores do mundo para a prática do remo", assegurou o autarca.
Acrescentou que o espelho de água, o clima e a paisagem "são alguns dos atributos destacados pelos orientadores técnicos das equipas e seleções de remo que por ali passam, condimentos para que o CARR seja um sucesso a nível europeu".
Esta nova fase de obra inclui a construção de uma piscina coberta, um ginásio e uma área da animação.
O equipamento terá capacidade para albergar cerca de duas centenas de atletas num complexo desportivo que vai dispor de piscinas cobertas, ginásios, área social e os meios "mais modernos" colocados ao dispor dos atletas de alta competição.
O CARR vai desenvolver-se como as vinhas do Douro, ou seja, em patamares ao logo do rio, segundo um projeto que, afiançou o autarca, "tem sido abordado por várias publicações ligadas ao ramo da arquitetura".
"Ao desenvolver-se um complexo desportivo desta dimensão, todos os concelhos vizinhos vão beneficiar e mesmo tempo ser a âncora do desenvolvimento do turístico no Douro Superior", concluiu o autarca.
O equipamento conta com comparticipações de fundos provenientes de fundos comunitários através do Quadro de Referência Estratégico Nacional.

FYP // JGJ

Lusa/fim


Montalegre: XXVIII Congresso de Medicina Popular com “balanço positivo”

Vilar de Perdizes, aldeia do concelho de Montalegre, recebeu, entre os dias 4 e 7 de Setembro, mais uma edição do afamado Congresso de Medicina Popular. Ao longo de quatro dias, centenas de pessoas visitaram o certame e ninguém ficou indiferente a um programa diversificado. O presidente da Câmara de Montalegre, Orlando Alves, fez um «balanço muito positivo» e acredita que a chave do sucesso reside «no empenho de todos».
Considerado pelo presidente da Câmara de Montalegre, «um dos maiores cartazes culturais do concelho», este evento de referência voltou a reunir centenas de pessoas em torno da medicina popular e do misticismo. O autarca fez um «rescaldo extraordinariamente bom» do evento e acredita que «este ano foi o ponto de viragem» do congresso. Em retrospetiva, lembrou que o certame «estava num plano inclinado, a sofrer algum desgaste». Em situações como esta é necessário «flexibilidade e grande criatividade». Nessa linha, acredita que «se conseguiu agir a tempo de evitar a hecatombe», graças ao esforço conjunto da «Câmara Municipal, da Associação da Defesa do Património e do padre Fontes».
Ao longo de quatro dias, a pitoresca localidade de Barroso ofereceu um vasto programa, repleto de bons motivos para visitar Vilar de Perdizes: conferências muito participadas, oradores com temas de elevado interesse, animação constante, pontos de venda de produtos locais, teatro e a tradicional “Queimada”.
A abertura oficial ficou marcada por uma visita aos stands do recinto, um percurso acompanhado pelo executivo municipal, pelo fundador padre Fontes, pela organização, comunicação social, populares e visitantes.
«Não é fácil, mas não é impossível»Deolinda Silva, em nome da organização, Associação de Defesa do Património de Vilar de Perdizes, mostrou-se «satisfeita» por ter presenciado um «congresso mais animado e mais participado». Nessa linha, salientou que «este ano a Câmara Municipal olhou para o congresso com outros olhos» e fez questão de agradecer «o apoio generoso dado pela autarquia». Ciente de que «o congresso este ano melhorou», partilhou que «ainda não está como queríamos que estivesse». Deolinda Silva garantiu que «o objetivo é sempre fazer mais e melhor a cada ano», porque «Vilar de Perdizes merece e temos que manter a tradição». A intenção passa por «elevar o congresso ao nível de prestígio que ele merece», reconhecendo que «não é fácil, mas não é impossível».
Por sua vez, Padre Fontes, fundador do Congresso de Medicina Popular, referiu que o «congresso evoluiu, teve mais gente e mais colaboradores». Estão, assim, reunidos os elementos para que «no próximo ano seja ainda melhor», assegurou.


Redacção/CM Montalegre

Alfândega da Fé: DOS BAÚS PARA O SALÃO

domingo, 14 de Setembro de 2014

Torre de Moncorvo : Apresentação da Peça de teatro “By Heart” de Tiago Rodrigues


Tiago Rodrigues apresentou no passado dia 6 de Setembro na terra natal da sua avó, Torre de Moncorvo, a peça de teatro “By Heart”.
Quando o público entra no Cine-Teatro de Torre de Moncorvo já Tiago Rodrigues se encontra no palco. O actor chama 10 pessoas que estão a assistir à peça para fazerem parte deste elenco e sozinho ensina-lhe um poema, ao mesmo tempo que vai contando histórias sobre a sua avó e outras histórias ligadas aos dois.
 “By Heart é uma peça sobre a importância da transmissão, do invisível contrabando de palavras e ideias que apenas guardar um texto na memória pode oferecer.”
Tiago Rodrigues é um actor, dramaturgo, produtor e encenador e diretor artístico do Mundo Perfeito.
Com fortes ligações a Torre de Moncorvo, nomeadamente ao Peredo dos Castelhanos de onde era natural a sua avó, Tiago Rodrigues proporcionou um momento único a todos os presentes na noite de Sábado no Cine-Teatro de Torre de Moncorvo.
O texto, a encenação e a interpretação desta peça é de Tiago Rodrigues, o cenário e figurino da responsabilidade de Magda Bizarro e a produção de Mundo Perfeito.

Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 11 de Setembro de 2014

Luciana Raimundo

Vinhos provados e aprovados

Com o objectivo de promover os vinhos da região, realizou-se sábado, dia 13, na Praia Fluvial da Foz do Sabor, em Torre de Moncorvo, o Sabor D’ouro Summer Fest Wine.
A iniciativa, organizada pela Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, contou com a participação de vários produtores de vinho do concelho, que, no local, venderam ao copo ou à garrafa os seus néctares.
Durante o evento decorreram ainda provas de vinho, degustação de tapas e actuações musicais, sendo de destacar a presença do grupo de cavaquinho e do coral da Escola Sabor Artes, que, com os seus bons repertórios, proporcionaram um excelente espectáculo, estando sempre disponíveis para animar este tipo de certames.


quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

TORRE DE MONCORVO -NOVA CENTRALIDADE

Se, durante séculos, a Praça foi o centro da vida política e social da Vila, nos últimos 25 anos, nasceu e cresceu uma nova centralidade, na Corredoura, em ruptura quase total com a sua antiga geografia. Restam dos tempos anteriores aos fundos comunitários, a capela de S. Sebastião e das duas escolas do ensino primário já desactivadas. Cresceram pavilhões, novas urbanizações, um mercado, repartição de finanças, escolas do ensino básico e secundário, um complexo desportivo com piscinas e campo de ténis no antigo campo de futebol, um pelado que não resistiu à evolução do tempo. A feira do gado deixou de existir, surgiu um bairro novo no Santo Cristo e os pré-fabricados vindos da Suécia, encostados às paredes do cemitério foram erradicados e no seu lugar surgiu mais um parque ou espaço de feira e circo.
A Corredoura era um bairro essencialmente habitado pelo proletariado agrícola, com os olhos postos na Vilariça, minimizado pelo poder de Praça e, por vezes, ridicularizado pelas gentes da Vila. Hoje é a centralidade mais activa do município.
Mas o quotidiano continua lento, na lenta erosão da paisagem humana, com as muitas esplanadas praticamente vazias, só cheias nos fins de semana, com os jovens de regresso à terra, vindos dos múltiplos politécnicos que vão proliferando, como cogumelos de ensino, pelos distritos de Bragança e Vila Real, Guarda e Viseu. Animam as noites com muita cerveja e shots, abundância de telemóveis e mesmo portáteis em esplanada, a par de música maldita para os tímpanos. Cursos sobre cursos, mas sem saída para esta “geração pendura” como lhe chamou Daniel Sampaio. “Geração pendura” porque, à falta de saídas, no mercado de trabalho, demoram a abandonar a casa dos pais.
Multiplicam-se como soluções precárias e transitórias os vários e mais variados cursos de formação profissional, e das três promessas do actual poder político – barragem do Sabor, acesso ao IP 2 e criação de um pólo de ensino superior-- só esta não foi cumprida, muito embora numa antiga casa dos magistrados, funcionem cursos temporários de Turismo e Património.

Texto de Rogério Rodrigues.In TORRE DE MONCORVO Março de 1974 a 2009
De Fernando Assis Pacheco ,Leonel Brito, Rogério Rodrigues
Edição da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo