sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Nordeste Transmontano - EFEMÉRIDES (06/11)

06.11.1614 – Tendo falecido uma filha do sombreireiro João Lopes, em Torre de Moncorvo e preparando-se o enterro para sair em direcção ao convento de S. Francisco onde seria enterrada, chegou o reitor da igreja matriz e deu ordens para que o funeral seguisse para a igreja… O assunto provocou uma queixa dos frades… Mas este foi apenas um dos casos, pois houve mais, na história da disputa entre o reitor e os padres da igreja matriz contra os frades de S. Francisco… num processo que levou muito tempo a decidir e envolveu muitos pareceres de instâncias superiores. Os defuntos sempre foram uma boa fonte de rendimento…
Penas Róias
06.11.1836 – Publicação da lei de reorganização dos municípios. Na área do distrito de Bragança foram extintos metade. Ainda ficaram 17. Mais tarde seriam extintos mais 5.
06.11.1872 – Bênção / inauguração do cemitério de Mirandela.
06.11.1892 – O jornal “O Moncorvense” desta data noticia o naufrágio da barca que navegava no lugar da Palla, quando atravessava o rio Douro, no dia 26 de Outubro, carregada de bois e feirantes que regressavam da feira de Sanfins do Douro. Morreram 11 pessoas.
06.11.1902 – Correspondência de Moncorvo:
- Juiz de Direito da Comarca – Este distinto funcionário, José Joaquim Pinto, reassumiu as suas funções no dia 23 de Outubro, depois duma ausência de 3 meses, e retirou no dia 31 (…) Este magistrado, agora, ausentou-se da comarca, sem se saber ao certo para onde fora; pois uns dizem que partiu para o poente, outros tantos para o norte, talvez em peregrinação… a Meca, de Mirandela.
Nota do bloguista: Este juiz ganhara em Vinhais a alcunha de “Lambaças” devido a vários escândalos amorosos em que, supostamente ele se “alambazava”. Diziam os regeneradores que tudo era possível porque ele era progressista e tinha a cobertura do influente Eduardo José Coelho.
António Júlio Andrade

Reedição de posts desde o início do blogue

3 comentários:

  1. Foram extintos 28 concelhos, Abreiro, Algoso, Azinhoso, Bemposta, Castro Vicente, Ervedosa, Failde e Carocedo, Freixiel, Frexas, Frieira, Gostei (Formil e Castanheira), Mós, Nozelos, Paçó de Vinhais, Penas Róias, Pinhovelo, Rebordainhos, Rebordãos, Sampaio, Sanceriz, Sesulfe, Valdasnes, Vale de Nogueira, Vale de Prados, Vila Franca de Lampaças, Vilar Seco da Lomba, Vilarinho da Castanheira e Vilas Boas.
    BY GOOGLEMAN

    ResponderEliminar
  2. E hoje? Que pensam acerca de uma possível reestruturação de concelhos e freguesias? Vamos abrir aqui um espaço de discussão sobre o assunto?
    Hacham que devem ser extintos alguns concelhos?
    E freguesias?
    Ou deverão manter-se todos os concelhos e freguesias, mexendo-se apenas nos órgãos de poder local? Por exemplo: fará sentido existir uma junta de freguesia na sede do concelho? E fará sentido a existência de juntas de freguesia cujas receitas mal chegam para os ordenados dos seus membros, absolutamente dependentes das verbas que as câmaras lhe querem dar? Deveriam todas ser extintas, pura e simplesmente? Ou reforçadas as suas competências e meios financeiros? J. Andrade

    ResponderEliminar
  3. O distrito de Bragança passou, assim, em 1835, a ser constituído por 44 concelhos até Outubro de 1836: Abreiro, Alfândega da Fé, Algoso, Azinhoso, Bragança, Bemposta, Chacim, Carrazeda de Ansiães, Castro Vicente, Cortiços, Ervedosa, Failde e Carocedo, Freixas, Freixiel,
    Frieira, Freixo de Espada à Cinta, Gostei (Formil e Castanheira), Lamas de Orelhão, Miranda do Douro, Mirandela, Mogadouro, Moncorvo, Mós, Nozelos, Outeiro, Paçó de Vinhais, Penas Róias, Pinhovelo, Rebordainhos, Rebordãos, Sampaio, Sanceriz, Sesulfe, Torre de Dona Chama, Valdasnes, Vale de Nogueira, Vale de Prados, Vila Franca de Lampaças, Vilar Seco da Lomba, Vila Flor, Vilas Boas, Vilarinho da Castanheira, Vimioso e Vinhais. Ou seja, 44 concelhos, com 436 freguesias, 32 116 fogos e 114 363 indivíduos,
    Só em 1836, por decreto de 6 de Novembro, de Manuel da Silva Passos, é que, à semelhança do que aconteceu em todo o País, se deu uma significativa redução de número de concelhos do distrito de Bragança, como de todo o Reino.
    Com esta reforma, apenas se mantiveram 16 concelhos: Alfândega da Fé, Bragança, Carrazeda de Ansiães, Chacim, Cortiços, Freixo de Espada à Cinta, Lamas de Orelhão, Miranda do Douro, Mirandela, Mogadouro, Moncorvo, Outeiro, Torre de Dona Chama, Vila Flor, Vimioso e Vinhais.
    Foram criados dois novos concelhos, Izeda e Santalha. O concelho de Izeda tinha como freguesias: Bagueixe, Baldrez, Calvelhe, Carçãozinho, Castro Roupal, Coelhoso, Edrosa, Freixeda, Gralhós, Izeda, Lagoa, Limãos, Macedo do Mato, Morais, Paradinha dos Besteiros, Paradinha Nova e Velha, Podence, Salças, Salcelas, Sarapicos, Talhas, Talhinhas, Vila Boa do Carçãozinho, Vinhas, todas elas pertencentes anteriormente ao concelho de Bragança; e ainda, as freguesias de Frieira, Sanceriz e Vale de Nogueira, que eram concelhos, constituindo 1533 fogos. Por outro lado, o concelho de Santalha foi constituído pelas seguintes freguesias: Cabeça da Igreja, Casares e Cerdedo, Nuzedo de Cima, Pinheiro Velho, Quadra, Santalha, Seixes, Tuizelo, pertencentes anteriormente ao concelho de Vinhais; Edral, Frades, Gestosa, S. Jomil, Pinheiro Novo, Quiraz, Vilar, Vilarinho, Vilar Seco da Lomba, que pertenciam ao concelho da Vilar Seco da Lomba; e Montouto e Moimenta, do concelho de Bragança, com um total de 1023 fogos.
    IN "O Distrito de Bragança (1835-2011)"
    Fernando de Sousa
    Ricardo Rocha

    ResponderEliminar