quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Adriano Vasco Rodrigues na Casa Municipal da Cultura de Coimbra

“De Cabinda ao Namibe – Memórias de Angola” é o título do livro da autoria de Adriano Vasco Rodrigues, editado pela Palimage. A obra é apresentada hoje (sexta-feira), pelas 18h00, na sala de Sá de Miranda (Casa Municipal da Cultura de Coimbra), pelo professor da História de Arte da Academia Sénior, J. A. Alves Ambrósio.
Esta iniciativa faz parte do programa das comemorações do 36.º aniversário da independência da República de Angola.
Paralelamente, organizada pela Casa de Angola e Casa Lusófona, há uma recepção aos caloiros angolanos da Universidade de Coimbra, com um jantar no restaurante Kianda e o convívio, noite fora, na discoteca Manga Club.

Ver mais informação em:


http://lelodemoncorvo.blogspot.com/2011/10/escaparate-li-percursos-de-razao-e.html (Livro de homenagem a Drª Assunção Carqueja e Adriano Vasco Rodrigues)


http://dl.dropbox.com/u/25850450/TESTEMUNHO%20AVR.pdf (Bio-Bibliografia essencial de Adriano Vasco Rodrigues)



http://lelodemoncorvo.blogspot.com/2011/01/torre-de-moncorvo-escaparate-i.html (Escaparate do livro DOCUMENTOS MEDIEVAIS DE TORRE DE MONCORVO)


http://lelodemoncorvo.blogspot.com/2011/03/de-cabinda-ao-namibe-memorias-de-angola_30.html (Texto e fotografias do evento de apresentação do livro do Senhor Prof. Doutor Adriano Vasco Rodrigues)

Reedição de posts desde o início do blogue

3 comentários:

  1. Torre de Moncorvo //
    Município homenageou professores
    Por: G.L. / Secção: Actual / Mensajeiro de Bragança

    A cerimónia de homenagem teve lugar no dia 15 de Outubro
    A câmara de Torre de Moncorvo decidiu homenagear Maria da Assunção Carqueja, professora natural de Felgar, e o seu marido Adriano Vasco Rodrigues, arqueólogo e etnógrafo, devido ao seu percurso tradicional e trabalho desenvolvido em prol do concelho. A cerimónia de homenagem teve lugar no dia 15 de Outubro em Torre de Moncorvo, onde foi lançado um livro de poesia de Maria Assunção Carqueja e um livro de homenagem intitulado “Percursos de Razão e Afectos”, coordenado por Adília Fernandes, que engloba 45 testemunhos e depoimentos de pessoas que trabalharam com os dois docentes. A iniciativa resultou de uma parceria entre o município e o Centro de Estudos e Promoção da Investigação Histórica e Social (CEPIHS). Maria da Assunção Carqueja licenciou-se em Ciências Hitórico-Filosóficas na Universidade de Coimbra, em 1955, e fez ainda um curso de Ciências Pedagógicas. Trabalhou com o seu marido no Liceu Nacional da Guarda, transferindo-se para o Porto onde se profissionalizam na docência do Ensino Secundário. Em 1965 vão para Angola, onde a professora trabalhou no Instituto de Investigação Cientifica, na área das Ciências Humanas. Em África elaborou vários trabalhos nas áreas da história dos povos africanos, escravatura e filosofia Bantu. Em 1988, desloca-se para a Bélgica, onde durante 10 anos exerceu o cargo de Conselheira Técnica para o Ensino da Filosofia na União Europeia. Além dos vários livros de poesia publicados, também é autora de obras de investigação sobre o concelho de Torre de Moncorvo, nomeadamente de um Estudo das Ferrarias do Reboredo e outro sobre o Felgar. Adriano Vasco Rodrigues é natural da Guarda repartiu a sua carreira entre a investigação e a docência. Licenciou-se em Ciências Hitórico-Filosóficas na Universidade de Coimbra em 1956, mais tarde especializou-se em História da Arte. Em Angola, entre 1965 e 1969, foi inspector Providencial adjunto do Ensino em Angola. Em 1980 foi deputado à Assembleia da República, e nesse ano foi nomeado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, Conselheiro do Conselho das Comunidades Portuguesas. Foi director da Schola Europea, na Bélgica, entre 1988 e 1996. Município homenageou professores
    Por: G.LTem publicado várias obras de história e arqueologia, como “A Catedral da Guarda na História e na Poesia”, “Arqueologia da Península Hispânica”, “História Geral da Civilização”, entre muitas outras.

    ResponderEliminar
  2. Torre de Moncorvo
    Homenageia Maria da Assunção Carqueja e Professor Adriano Vasco Rodrigues

    Maria da Assunção Carqueja, natural do Felgar, e o seu marido Adriano Vasco Rodrigues foram homenageados no passado dia 15 de Outubro, Sábado, na Biblioteca Municipal de Torre de Moncorvo.
    O Município entendeu assim homenagear os professores devido ao seu percurso profissional e ao trabalho desenvolvido em benefício do concelho.
    A homenagem consistiu na apresentação de um livro de poesia de Maria da Assunção Carqueja, pelo professor Doutor João de Castro Nunes e foi ainda apresentado pelo Professor Doutor Fausto Pontes um livro de homenagem intitulado “Percursos de Razão e Afecto” coordenado pela Dra. Adília Fernandes e que engloba 43 testemunhos e depoimentos de pessoas que tiveram o prazer de trabalhar ou contactar com os homenageados. Seguiu-se uma visita à exposição “Percursos e Afetos de Maria da Assunção Carqueja e Adriano Vasco Rodrigues” e a exibição de um filme sobre a vida dos professores.No decorrer da cerimónia o Presidente da Câmara Municipal homenageou ainda Maria da Assunção Carqueja e Adriano Vasco Rodrigues com a oferta de uma pequena lembrança.A população aderiu em força à iniciativa do Município de Torre de Moncorvo realizada em parceria com o Centro de Estudos e Promoção da Investigação Histórica e Social (CEPIHS).
    Maria da Assunção Carqueja nasceu a 15 de Agosto de 1930 no Felgar, licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas na Universidade de Coimbra em 1955, e fez ainda o curso de Ciências Pedagógicas. Iniciou a sua carreira no Liceu Nacional de Braga em 1955, trabalhou com o seu marido no Liceu Nacional da Guarda, transferindo-se para o Porto onde se profissionalizaram na docência do Ensino Secundário. Em 1965, acompanha Adriano Vasco Rodrigues para Angola, onde trabalhou no Instituto de Investigação Científica, na área das Ciências Humanas. Em Angola elaborou vários trabalhos nas áreas da história dos povos africanos, escravatura e filosofia Bantu. Em 1988, desloca-se para a Bélgica onde exerceu durante dez anos o cargo de Conselheira Técnica para o Ensino da Filosofia na União Europeia.
    Além de vários livros de poesia que já editou é autora de várias obras de investigação sobre o nosso concelho como “Subsídios para uma Monografia da Vila de Torre de Moncorvo” (1955), “Subsídios para o Estudo das Ferrarias do Reboredo” (1961), “Felgar” (2006), este escrito em parceria com o seu marido e “Documentos Medievais de Torre de Moncorvo” (2007).
    (CONTINUA)
    Notícias do Douro

    ResponderEliminar
  3. Adriano Vasco da Fonseca Rodrigues nasceu na Guarda a 4 de Maio de 1928 e é um arqueólogo e etnógrafo português que repartiu a sua carreira pela docência e investigação. Em 1956, licenciou-se em Ciências Históricas e Filosóficas na Universidade de Coimbra, fez o curso de Ciências Pedagógicas e fez cursos complementares de Língua e Cultura Espanhola na Universidade de Santiago de Compostela, onde mais tarde se especializa em História da Arte. Exerceu a docência nos três ramos do ensino: primário, secundário e superior. Adriano Vasco Rodrigues foi também Inspector Provincial Adjunto do Ensino em Angola, entre 1965 e 1969. Em 1980, foi deputado à Assembleia da República, nesse ano e no ano seguinte foi ainda nomeado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Conselheiro do Conselho das Comunidades Portuguesas. Foi director da Schola Europaea, na Bélgica, entre 1988 e 1996.
    Tem publicado diversas obras na área da história e arqueologia, onde se destacam “A Catedral da Guarda na História e na Poesia”, “Arqueologia da Península Hispânica”, “História Geral da Civilização”, “Portugal – História, Arte e Tradição”, “Judeus Portugueses no Desenvolvimento dos Portos Atlânticos na Idade Moderna”, “História da Engenharia Civil – Pilar da Civilização Ocidental” e “Felgar”, esta última em colaboração com Maria da Assunção Carqueja. Entre 1960 e 1981 realizou numerosos trabalhos de campo de Arqueologia e prospecção em vários concelhos incluindo Torre de Moncorvo. Foi fundador e co-director da revista Lucerna entre 1960 e 1965, dirigiu a revista do Ensino de Angola entre 1965 e 1969 e foi fundador e co-director da revista Altitude desde 1978 até 2007.
    Notícias do Douro

    ResponderEliminar