sábado, 22 de agosto de 2015

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES - (22/08)

22.08.1767 – O Correio Mor de Moncorvo, José Luís Carneiro de Vasconcelos obtém uma provisão real contra o estafeta José da Costa.
22.08.1783 – Presente à reunião da câmara de Moncorvo uma interessante carta enviada pela Junta da Administração da Companhia Geral do Alto Douro, em resposta a outra da câmara, sobre as obras que estão planeadas no cachão da Valeira visando a navegação do rio Douro que começa assim:
 - Não podemos deixar de encher-nos de satisfação e de gosto, vendo o contentamento de Vossas Senhorias com o progresso da famosa obra do Cachão. Ela foi tentada há mais de 226 anos, no governo do Sr. Rei D. João III, mas impossibilitou-se. O primeiro que a tentou foi Miguel de Lascol, sendo mandado examinar o Cachão pelo Sr. Rei D. Pedro II…

Cachão da Valeira
22.08.1799 – Notícia da Gazeta de Lisboa: - Da vila de Mirandela avisam que (…) um homem chamado João Gonçalves, do lugar do Franco, indo a banhar-se ao rio tua (…) foi levado pela corrente e esteve mais de meia hora debaixo de água, de sorte que, acudindo várias pessoas a tirá-lo, saiu sem sinal algum de vida. Como o recolhessem porém em uma casa próxima à ponte do mesmo rio, o médico do partido, António Luís Cabral, com o auxílio da máquina fumegatória e mais remédios que lhe aplicou (…) conseguiu, no fim de hora e meia de trabalho, ver o dito afogado restituído à vida (…) Da dita máquina é devedora aquela vila à caridade e patriotismo do desembargador José António de Sá.

António Júlio Andrade

3 comentários:

  1. cachão da Valeira onde morreu o Barão Forrester e a dona Antónia Ferreirinha se salvou.Visite a exposição que o museu do Douro lhe dedica.
    A Valeira foi durante muitos anos o limite do douro vinhateiro.

    ResponderEliminar
  2. HOJE
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Ir para: navegação, pesquisa
    Coordenadas: 41° 9' 38" N 7° 22' 30" O



    Barragem da Valeira
    Localização
    Concelho São João da Pesqueira, Distrito de Viseu
    Bacia hidrográfica Douro
    Curso de água Rio Douro
    Dados gerais
    Utilização Energia, Navegação
    Inauguração 1976
    Características da barragem
    Tipo Betão, Gravidade
    Altura 48 m
    Cota do coroamento 113 m
    Fundação Xisto
    Características da albufeira
    Capacidade total 97.000.000 m³
    Capacidade útil 8.000.000 m³
    Pleno armazenamento 105 m

    O Aproveitamento Hidroeléctrico da Valeira localiza-se imediatamente a jusante da curva que se segue à garganta excepcionalmente apertada do rio Douro, conhecida por Cachão da Valeira, cerca de 6 km a montante da foz do rio Tua e a cerca de 9 km da vila de São João da Pesqueira, do distrito da Viseu.

    A sua barragem cria uma albufeira que se estende por 36 km e que, à cota de retenção máxima (105,00 m), tem uma capacidade total de 81.000.000 m³. Em exploração normal apenas são utilizados 12.000.000 m³ correspondentes à retenção entre as cotas 105,00 m e 103,50 m. Este empreendimento foi o terceiro a entrar em serviço no Douro Nacional, em 1976.

    Tem uma potência instalada de 216 MW e produz em média 801 GWh/ano. O Aproveitamento da Valeira é constituído por um bloco de construção, junto da margem direita, que inclui a central, uma Barragem-Descarregador, situada sensivelmente a meio do vale, separada daquela pelo muro Barragem-Central, onde se encontra instalada uma eclusa de peixes do tipo Borland e uma eclusa de navegação, na continuidade da barragem, junto do encontro da margem esquerda e ainda uma subestação localizada na margem direita a jusante da barragem.

    A barragem é de betão, é do tipo gravidade alijeirada por meio de uma grande galeria na base, estando a crista e o paramento de jusante adaptados à soleira descarregadora dividida em 5 portadas, equipadas com comportas segmento e que no seu conjunto permitem uma vazão máxima de 18.000 m³/s. Uma destas comportas está equipada com um volet com a capacidade de 70 m³/s. No muro Barragem-Central está implantada uma Descarga Auxiliar de Meio Fundo, com capacidade máxima de 280 m³/s. A Central, com uma nave principal de dimensões 78x19,2x30,3 m, está equipada com 3 Grupos Geradores, alimentados por Circuitos Hidráulicos independentes e constituídos por turbinas Kaplan de 83.656 kW, acopladas a alternadores trifásicos de 80 MVA.

    A Subestação de Transformação, estabelecida numa plataforma contígua à Central, está equipada com 3 transformadores trifásicos de 80 MVA, de razão de transformação 10/240 kV, dispostos em celas separadas por paredes de betão e com três linhas de saída para ligação à Rede Eléctrica Nacional (REN), uma delas através do Parque de Linhas do Aproveitamento de Picote.

    ResponderEliminar
  3. Elmiro Barbeiro Barbeiro escreveu:Parabéns amigo, pela página que gere e pelas coisas interessantíssimas que aqui coloca.Muito obrigado da minha parte.

    ResponderEliminar