sexta-feira, 28 de agosto de 2015

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES - (27/08)

27.08.1644 – Nomeação de Jerónimo Osório de Almeida para superintendente das fábricas de cordas de Coimbra, Tomar e Moncorvo.
27.08.1847 – Notícia do jornal O Tempo:

N.S. do Castelo - Adeganha
- Sua Majestade a Rainha, a quem foi presente o ofício do governador civil de Viseu (…) dando conta de terem sido mortos no povo de Salzeda por uma força de 12 homens pertencentes ao batalhão de Vila Nova de Fozcôa o chefe das guerrilhas Pires, vulgarmente conhecido pelo apelido de Ronda e um seu filho, que a mesma força conduzia presos; Manda (…) participar ao sobredito magistrado que ficou sumamente magoada com a notícia deste escandaloso atentado e que seus bárbaros autores sejam punidos com todo o rigor das leis… - Nota curiosa: o principal autor era um militar que fora condecorado com a Torre Espada!
27.08.1893 – Nota da Caderneta de Lembranças: - é que diçe a missa nova o snr Pe Filipe Serra Cavalheiro. O Moncorvense desta data informa que “nos exames elementares realizados foram examinados 34 alunos sendo 12 apresentados pelo professor de Carviçais, Sr. Jesualdo, 10 pelo professor desta vila, 4 pelo do Felgar, 4 pelo da Cardanha e 4 por José Miguel Peixoto. Desistiram 4, foi reprovado 1 e distintos 3: 1 de Carviçais, outro do Felgar e outro da Cardanha".
27.08.1936 – Telegrama do governador civil de Bragança para o administrador de Moncorvo: -Sou informado telegraficamente que Vª Exª pretende proibir Filarmónica Casa Povo Sambade tocar próximo sábado festa Senhora Castelo Adeganha contratada há dois meses para impor ultima hora Filarmónica Moncorvense. Como a ser verdadeira informação tal proibição se me afigura irregular chamo para o caso a atenção Vª Exª. Governador civil. Salvador Teixeira.
27.08.1945 – Fundada a associação “Ressurgimento Mirandez”.
27.08.1948 – Abertura do sub-posto da GNR de Carviçais, com a dotação de 1 cabo e 5 soldados.

António Júlio Andrade

5 comentários:

  1. O administrador de Moncorvo queria ver a banda passar.Passou-se ,já é história.Para onde foram os instrumentos da banda de Moncorvo quando acabou?Mais um caso de desaparecimento sem deixar rastro.
    Leitor

    ResponderEliminar
  2. ( foram examinados 34 alunos)
    Carviçais 14 ,Moncorvo 10, em 1893-
    Carviçais o,Moncorvo 914 ,em 2010.
    Alguma coisa está errada na via de progresso escolhida pelo governo central e aceite pelo poder local.
    A.T.

    ResponderEliminar
  3. Também fiz as contas aos números de alunos .
    E também me interroguei sobre o paradeiro dos instrumentos de música, que custam um balúrdio :

    Júlia

    ResponderEliminar
  4. Desculpem mas parece-me que as contas estão mal feitas, pois o colégio de José Miguel Peixoto também era em Moncorvo. Por isso temos Moncorvo - 14 e Carviçais - 12. Para além disso intriga-me o facto de não aparecer neenhum aluno da banda de lá do Reboredo e da Serra da Lousa. Porventura fariam exames nas localidades de Urros e Lousa, enquanto os outros vinham a Moncoorvo? Possivelmente haverá arquivos e elementos para responder a estas perguntas. Tal como existem alguns trabalhos sobre o assunto e de que os especialistasa e os estudiosos da matéria poderão dar conta. J. Andrade

    ResponderEliminar
  5. Conceição Lucas da Silva disse: E porque será que proibiram a pobre filarmónica de tocar??? Será que tocavam assim tãoi mal? :)

    ResponderEliminar