quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Memórias Orais - Texto sobre Maria Júlia Martins



Chama-se Maria Júlia Martins mas a idade já não a tem bem certa. Oitenta e oito, acha, pela comparação com a amiga Amélia. Sabe que têm os mesmos anos. Nasceu em Freixo de Espada à Cinta ela e mais sete irmãos. As agruras da vida fizeram com que Maria Júlia só conhecesse o trabalho. Assim sabia que as dificuldades seriam menores. “Fome nunca passamos mas a minha vida foi sempre a trabalhar, puseram-me logo de pequenina a guardar ovelhas e cabras e a segar o pão, a cevada, andar na eira a varrer e com os burros a trilhar o pão , foi a minha vida...”

Teve quatro filhos, uma delas nasceu por suas mãos. “Vieram-me as dores de noite e tive aquela menina, até está casada na Espanha e lá a compus e lá viveu, eu sozinha, mais ninguém. Trabalhei muito a criar aqueles filhos e ia a coser para Poiares, depois o senhor Almirante fez-me um forro mas ia a coser da quinta a Poiares a cavalo de um burrinho, para cima ia a cavalo, para baixo vinha carregado e eu a pé, pelo cabeço. Pode crer naquilo que eu lhe digo”.

É do tempo em que a água em Freixo era escassa e as mulheres iam com os cântaros à fonte à espera do “fiozinho” para governar a casa. “As mulheres até se batiam, porque queriam encher e a água era pouca percebe. Punham à vez os cântaros mas depois os ricos eram muitos e também não havia água, quem tinha mais água era o Senhor Doutor Francisco que a trazia de um prédio dele para casa mas os outros batiam-se, pintavam a sarameca. A Guarda Republicana lá ia muitas vezes a acomodar aquela gente. Íamos à fonte no Carril, há lá uma fonte onde está uma ponte, não era laje essa era assim lisinha e tinha uma pocinha e de manhã cedo alevantavamo-nos e íamos com o copo e com o cântaro a apanhar aquela gotinha de água”.

“Agora a vida é outra”, diz, os tempos em que andava à chuva a trabalhar e muitas vezes descalça já estão longe ainda que, a cada dizer, bem presentes na memória.



Joana Vargas

Sem comentários:

Enviar um comentário