quarta-feira, 19 de outubro de 2016

BAIXO SABOR - Pombal

Quinta de Crestelos, Meirinhos, Mogadouro, novembro de 2012
Foto de José Rodrigues

Reedição de posts desde o início do blogue

2 comentários:

  1. Os pombais pertencem à arqueologia agrícola. Ainda bem que são registado em fotografia.

    ResponderEliminar
  2. Em muitas aldeias do Nordeste Transmontano, ou espalhados pelo campo, podem ver-se
    construções originais que servem de abrigo a bandos de pombas: os pombais. Podem encontrar-se
    nesta região e em zonas contíguas da Beira, principalmente junto à fronteira com a vizinha
    comunidade espanhola de Castilla y León, onde os pombaissão muito abundantes.
    Originalmente, era feita a criação do pombo-das-rochas (Columba livia) e, das pombas que
    habitavam o pombal, o dono retirava vários produtos: animais para alimentação, principalmente
    borrachos; animais para venda, geralmente adultos para a realização de provas desportivas; e
    estrume que utilizava nassuasterras e é tido como de grande valor fertilizante.
    Actualmente, a maioria dos pombais da região de Trás-os-Montes estão abandonados e
    apresentam sinais de ruína.
    Várias razões podem explicar este abandono. De entre elas, o declínio das actividades
    agrícolas e pecuárias em toda a região de Trás-os-Montes; o despovoamento do meio rural; a caça
    desregrada e vandalismo dos pombais; e a perda de interesse económico dos produtosretirados dos
    pombais, podem ser apontados como os principais factores que conduziram à perda de utilidade
    funcional dos pombais e consequente abandono destas construções. O abandono prolongado
    conduziu à ruína de elementos construtivos destas construções e à degradação de muitos pombais
    da região.
    Por outro lado, na vizinha região espanhola de Castilla y León, é possível observar muitos
    pombais bem conservados e ocupados por bandos de pombas. Desde alguns anos, estão disponíveis
    vários trabalhos de estudo e inventariação dos pombais nas províncias de León (Alonso Ponga,
    1990; Diez Anta, 1993), Valladolid (Alvárez del Campo, 1997) e Zamora (Yanes Garcia, 1999).
    Estes trabalhos tratam de diversos aspectos desde as características construtivas (formas e
    tipologia, materiais utilizados, elementos arquitectónicos); a criação de pombas; a valorização dosprodutos e as perspectivas para a actividade e para a manutenção das construções. Nesta região, a
    criação de pombas tem, na gastronomia, uma forma de valorização económica dos seus produtos.
    Os "pichones" (borrachos) fazem parte da gastronomia tradicional local e a procura destes animais
    para esse fim é muito superior à oferta.
    Do lado de cá da fronteira não existe um conhecimento tão aprofundado da realidade dos
    pombais tradicionais como na comunidade de Castilla y León e foram poucos os trabalhos
    realizados sobre este tema. Em 1981, Silva e Castro publicou um artigo na revista Brigantia sobre
    os pombais de Bragança (Castro, 1981). Na décadas de 90, o PNDI (Parque Natural do Douro
    Internacional) executou um projecto de recuperação de pombais tradicionais na área do Parque.
    Nos finais da década de 90 foram realizados trabalhos de inventariação dos pombais na região da
    Terra Fria transmontana, com o patrocínio da CORANE - Associação de Desenvolvimento dos
    Concelhos da Raia Nordestina (Barbosa, 2000; Barbosa, 2001). No ano de 2000 foi criada a
    Palombar - Associação de Proprietários de Pombais Tradicionais do Nordeste, que tem como
    objectivo principal, contribuir para a recuperação, conservação e revitalização dos pombais
    tradicionais na região do nordeste transmontano.
    Verifica-se uma crescente atenção e interesse pelos pombais e pela sua actividade.
    Actualmente, é pertinente considerar as possibilidades de revitalização e valorização dos pombais
    tradicionais e da criação de pombas, pelo seu aproveitamento económico nas vertentes do
    património construído, do turismo e da gastronomia.
    José Carlos Barbosa
    Escola Superior Agrária de Bragança

    ResponderEliminar