segunda-feira, 24 de outubro de 2016

O labirinto da colocação de professores visto a partir de Torre de Moncorvo.

No agrupamento Dr. Ramiro Salgado há cinco lugares em falta 

Directores das escolas já podem contratar funcionários em falta
 Sindicatos dizem que mais 300 funcionários nas escolas não chegam
 Greve de funcionários deixa alunos da Escola Secundária Pedro Nunes sem aulas
Com todos os professores colocados no início de Setembro, o ano lectivo até parecia que ia arrancar bem no agrupamento de escolas Dr. Ramiro Salgado, em Torre de Moncorvo. Mas como o que parece nem sempre é, tudo começou a complicar-se logo depois do arranque das aulas por via do labirinto em que se transforma por vezes a colocação de docentes.

Este é um exemplo paradigmático de uma situação também vivida noutras escolas e que é relatada ao PÚBLICO pelo subdirector do agrupamento de Moncorvo, Luís Rei. Esta semana continuavam ali em falta cinco professores. A escola bem tem tentado ocupar as vagas tanto por via do concurso nacional, como pelas reservas de recrutamento. Mas os esforços têm sido em vão: houve docentes que denunciaram o contrato após o período experimental obrigatório de 15 dias e outros que têm sido colocados nas sucessivas reservas de recrutamento e que recusam a colocação.

 “A Biologia e Geologia já tivemos quatro professores colocados e os alunos continuam sem aulas”, conta Luís Rei. Um dos professores em falta é do 1.º ciclo. “Tivemos uma professora colocada, mas que vive na Suíça. Concorre todos os anos e depois recusa o lugar. Não sei como é que o ministério deixa que estas situações aconteçam”, descreve.


O agrupamento Dr. Ramiro Salgado situa-se numa zona rural e muitos dos seus alunos são oriundos das aldeias da região. Vêm de manhã para a escola e só podem voltar a casa ao fim da tarde. “Mesmo com falta de professores, não podemos deixar que não tenham aulas. Temos a obrigação de os acompanhar enquanto estão na escola”, diz Luís Rei.

À semelhança das outras escolas do país, também falta pessoal não docente no agrupamento de Moncorvo. O subdirector refere que nos últimos dois anos e meio reformaram-se 12 assistentes operacionais e os que ficaram “estão muito envelhecidos”: “A nossa salvação tem sido a câmara que tem contratado funcionários a prazo no centro de desemprego.”

Este recurso aos chamados contratos emprego-inserção tem sido utilizado por muitos agrupamentos, mas tanto professores como pais têm chamado a atenção para o facto de estes contratados não terem a formação adequada e da sua rotatividade não permitir um conhecimento efectivo da comunidade escolar.

Luís Rei critica também o modo como o Ministério da Educação calcula os funcionários a atribuir a cada escola, o que é feito com base num rácio que tem apenas em conta o número de alunos. “Não são contabilizados os serviços que a escola tem, como por exemplo o refeitório e a cozinha, que exigem a presença de mais pessoal”, aponta. E como o número de alunos é a única variável, ignora-se também se estes estão concentrados numa só escola ou espalhados por várias.

Fonte: https://www.publico.pt/sociedade/noticia/-ja-tivemos-quatro-professores-colocados-a-biologia-e-os-alunos-continuam-sem-aulas-1748404




Sem comentários:

Enviar um comentário