quinta-feira, 2 de junho de 2016

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (02/06)

02.06.1370 – Os moradores da aldeia de Valtorno pedem a sua integração do concelho de Torre de Moncorvo.
02.06.1670 – Os arquitectos José e Pedro de Almeida, irmãos (de Viseu) e António Rodrigues (de Lamego) fazem vistoria ao zimbório de chumbo que encimava a torre da Matriz de Moncorvo, construído pelo Mestre de Obras António Lopes de Sousa, com vista à aceitação da obra pela câmara municipal.
02.06.1796 – No seguimento de uma provisão da mesa da Consciência e Ordens, o provedor da comarca de Moncorvo procede ao pagamento da terceira prestação das obras de carpintaria e pintura da capela mor da igreja de Alvites ao carpinteiro António José de Morais e ao pintor António José de Araújo.
02.06.1806 – No convento de Tomar “foi lançado o hábito desta Ordem de Cavalaria Militar de Nosso Senhor Jesus Cristo e admitida a Profissão ao dito Frei João Carlos de Oliveira Pimentel” – pai do general Claudino.
02.06.1895 – Publicado o nº 188 do semanário O Moncorvense, destacando-se um artigo assinado pelo padre José Augusto Tavares apelando á criação de um Museu Arqueológico em Moncorvo.
António Júlio Andrade
Nota: Click na imagem para aumentar

4 comentários:

  1. Não sabia que o pai do General Claudino havia sido frade.
    Todos os dias aprendo coisas através das Efemérides.
    Obrigada, António Júlio Andrade.

    Júlia

    ResponderEliminar
  2. Muito curioso: isto num país de brandos costumes, aconteciam coisas mais estranhas, o pai era frade!(...)
    Obrigada pela informação, A. J. Andrade.

    ResponderEliminar
  3. Aqui, o termo frade deverá ser entendido num sentido mais amplo. Não significa que vivesse no convento mas para ser Cavaleiro da Ordem de Cristo necessita de fazer determinados votos... como jurar defender crianças e viúvas... e a posse era-lhe dada pelo Prior do Convento de Cristo. Havia diferenças fundamentais entre as Ordens Religiosas e as Ordens Militares. J. Andrade

    ResponderEliminar
  4. Pai do General Claudino e avô do nosso visconde.
    Estamos sempre a aprender.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar