quarta-feira, 29 de junho de 2016

Memórias Orais de Freixo de Espada à Cinta - Texto Maria Garcia

Maria Garcia, 81 anos, Ligares

Nasceu como um dia lhe chamaram, “no termo de Freixo”, em Ligares. Não sabe ler, faz-lhe muita falta, confessa, mas ainda assim trabalhou em França, na Alemanha e nos Estados Unidos da América. Já não se recorda em que Estado. Os “falares” dos países por onde andou, nunca foram impedimento para que Maria Garcia se fizesse à vida, ela e o marido.

Ao todo eram seis irmãos, nunca passaram fome, diz, mas os pais tiveram que trabalhar muito. “Tínhamos só a fartura de pão e de batatas e dessas coisinhas das hortas o meu pai fazia por isso, tínhamos hortinhas, tínhamos tudo, frutas, disso tínhamos tudo graças a Deus mas as grandezas não era muitas”.

Com 15 anos já trabalhava à jeira e ia ao rebusco do minério no Candedo, três horas ou mais de caminho, “foi duro, sabe Deus, mas hoje Graças a Deus estamos bem”. A emigração trouxe-lhe novo fôlego. Foi na América que governou a vida durante mais de vinte anos e deixou lá três filhos que vêm para a festa em Ligares, no verão. É aqui que encontram raízes e se sentem perto da sua história e onde Maria, dos seus 81 anos,  conta aos netos as histórias da terra que a viu partir muitas vezes e do lugar onde sabia que um dia iria regressar.

Joana Vargas

(abril de 2015)

Sem comentários:

Enviar um comentário