terça-feira, 7 de junho de 2016

Traga-Mundos - Exposição de fotografia


“Um Olhar sobre o Reino Maravilhoso” exposição de fotografia por Anabela Quelhas
de 1 a 30 de Junho de 2016
inauguração: dia 9 de Junho de 2016, (quinta-feira), pelas 21h00
[também no âmbito de “Vila Real – Capital da Cultura do Eixo Atlântico 2016”]
na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro, em Vila Real


Esta pequena mostra centra-se em 21 fotografias da região transmontana, normalmente apelidada por Reino Maravilhoso, parafraseando Miguel Torga.

Foi uma selecção realizada para oferta à rádio Burela (Galiza), no âmbito do projecto “A cultura que une”, pretendendo evocar o escritor Miguel Torga, escolhido este ano como homenageado neste projeto que se inicia, e simultaneamente fazê-lo através das imagens recolhidas pela câmara fotográfica, na região trasmontana próxima da cidade de Vila Real.


A autora realiza fotografia regularmente como ensaio estético, encontrando na região onde tem raízes, muitos motivos de inspiração, que tenta fixar no registo fotográfico e partilhar na comunidade digital.

Miguel Torga ensinou-a ler esta terra imensa, feita de mares de granito e de xisto, de montes, de vales e de rios sinuosamente belos, levou-a a lugares que desconhecia, influenciou-a na sua avaliação sobre os sítios e as gentes e no desenho das suas opções estéticas que se concretizam em diversas vertentes. A fotografia é uma delas.

Não é uma fotógrafa profissional, não se faz acompanhar de equipamento fabuloso, nem tem paciência para o “põe e tira lente, abre e fecha diafragma, monta e desmonta tripé”.

A primeira qualidade que Anabela Quelhas vê numa máquina fotográfica, é o seu peso, o seu tamanho comparado com a dimensão do seu bolso, se fotografa sem flash e se é automática. Transporta-a com frequência no dia-a-dia e não lhe dá bons tratos. Elas gastam-se em dois anos, especialmente e lamentavelmente, após a garantia se esgotar- excesso de cliques é sempre o diagnóstico do fim do seu equipamento.

Na fotografia procura o inesperado, aquilo que é irrepetível e nos últimos anos tenta descobrir realidades virtuais, que acontecem à sua volta e que as pessoas distraidamente desprezam ou ignoram.

A presente mostra é muito eclética – mostra o rural, o urbano, o popular, o erudito e os devaneios do seu olhar- favorece a contraluz, os enquadramentos, a cor ou ausência dela, o contraste, a psicologia da cor e pontualmente a manipulação da imagem.

A sua ação de fotografar é um gesto instintivo, rápido e de grande liberdade, sem compromisso com nada, estimulado apenas pelo olhar e pela avaliação rápida na decisão de fotografar ou não. Intitula-se com uma recolectora de imagens, onde faz acontecer o efémero e o duradouro - o efémero na atitude quase reflexa da recolha de imagens e o tempo infinito que investe na observação das mesmas, descobrindo, redescobrindo e seleccionando pormenores que posteriormente são apreciados e trabalhados, explorando diversas potencialidades da realidade captada. Em simultâneo cada fotografia é um auto-retrato, pois é a sua interpretação da realidade, um espelho das suas memórias, das suas vivências, dos seus sonhos e da sua cultura.

Nesta mostra a cultura chama-se Reino Maravilhoso, uma homenagem a Miguel Torga.
          

Qual é a sua fotografia favorita? A próxima.

Próximos eventos:
- 18 de Junho de 2016, sábado: participação com uma banca de livros, e mais algumas coisas e loisas, no Mercadinho da Capella, no âmbito do Projeto Capella, em Arroios, Vila Real – inclui também a actuação de Calhau e Cronópios e Famas, às 18h00;
- Junho de 2016: “Actos da Cultura Galego-Portuguesa”, Cultura Que Une, Pontevedra, Galiza;
- dias 16 e 17 de Julho de 2016: participação com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, no PAN - Encontro e Festival Transfronteiriço de Poesia, Património e Arte de Vanguarda, em Morille, Salamanca;
- dias 31 de Julho e 1 de Agosto de 2016: participação com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, no PAN - Encontro e Festival Transfronteiriço de Poesia, Património e Arte de Vanguarda, em Carviçais, Torre de Moncorvo;
- dia 1 de Outubro de 2016: palestra “Guiné-Bissau, terra sabi!” por António Alberto Alves, na Fundación Vicente Risco, Allariz, Galiza.
- e ao longo de 2016 haverá mais, sempre muito mais...- e ao longo de 2016 haverá mais, sempre muito mais...

Sem comentários:

Enviar um comentário