sexta-feira, 3 de junho de 2016

AS REGENTES ESCOLARES E O ESTADO NOVO,por Júlia Ribeiro

Depois de abrir a imagem, clique no endereço que se encontra no canto inferior esquerdo para a ampliar.

 Reedição de posts desde o início do blogue

11 comentários:

  1. A minha mãe foi Regente Escolar. Mas faleceu em 1973 e já não beneficiou desse curso. Coitadinha, tanto que trabalhou. Elas é que mereciam uma medalha de mérito .
    A.B.

    ResponderEliminar
  2. Eu era professora nas Anexas. Não em Leiria, mas em Bragança. E o que achei de melhor nas Escolas do Magistério foi darem a mão às Regentes. Só elas se sugeitaram às condições em que tiveram de trabalhar no tempo do fascismo.
    Realmente, nem sabiam copiar.

    M.R.

    ResponderEliminar
  3. Se atá juizes copiam !!! e que mal lhes aconteceu? Eu se estivesse na sala com as Regentes, também as deixava copiar. Sra. Directora e professoras fizeram muito bem dar as cábulas às Regentes e darem-lhes os canudos.

    Vítor Santos

    ResponderEliminar
  4. Esqueci-me de escrever umas palavras sobre a 2ª parte : não me admiro que algumas dessas senhoras idosas, sempre maltratadas pelo regime salazarista, procurassem alguma esperança em crenças malucas. Eu, no lugar delas, teria dado em doido. Desculpem o desabafo. Dou os meus parabéns a essa senhora directora da Escola, que não conheço, mas vou procurar conhecer.

    Vítor

    ResponderEliminar
  5. JUDITE DISSE : Fiz esse curso na Escola do Magistério Primário de Portalagre. Tinha 45 anos de idade e 26 de trabalho como Regente. Já tinha feito o 5º Ano dos Liceus em Cursos à noite. Era a mais nova entre as minhas colegas e não tive as facilidades das mais velhas. Até entendi, porque eu ainda ia trabalhar pelo menos mais uns 12 anos.
    As condições em que muitas Regentes trabalharam em pequenas aldeias do interior eram sub-humanas. Algumas chegaram a dar aulas em lojas dos bois, sempre de porta aberta, mesmo no inverno , porque não havia janelas nem luz eléctrica ... E mais não digo , porque não me acreditariam.

    Judite N.

    ResponderEliminar
  6. Que caixa de Pandora a autora abriu,que mundo tão estranho aos dias de hoje onde os professores ,sindicatos e ministério andam 4 anos a discutir as promoções.Quem era esta gente?Onde estão as estátuas a tanto sacrificio,tanta dedicação? e tanto alheamento.
    Foram a geração das nossas avós e tudo parece tão distante.Maldita seja a memória e os seus lapsos.Obrigado doutora Júlia por ter trazido para a praça pública um tema que, muitos como eu, ignorávamos.
    Leitor

    ResponderEliminar
  7. Em Leiria havia e ainda há uma seita (não sei se se chama ssim) espirita muito forte. Tem imensos adeptos, muitos com cursos superiores. Não vou dizer mais nada. Quem quiser que se informe.

    ResponderEliminar
  8. A estas senhoras foi concedido o canudo como justa recompensa pelo trabalho esforçado e mal pago durante anos.
    Não o deveram à colossal fraude designada Novas Oportunidades que,vergonhosa e obscenamente,ofereceu diplomas a cerca de milhão e meio de criaturas a quem só foi pedido o "esforço" de escreverem uma redacção.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  9. Como em todas as profissões, houve muito bom, bom e insuficiente. Mas, face ao que lhes era pago e às condições em que tinham de trabalhar, o que fizeram foi EXCELENTE.
    Quantas destas senhoras Regentes Escolares iam gostar de ler as vossas palavras e ver reconhecido o seu trabalho !

    Abraços
    Júlia

    ResponderEliminar
  10. Qauerida Júlia!Será que a maior parte das pessoas sabem qual foi o trabalho dessas senhoras no tempo do Salazarismo?A minha Mãe que exerceu essa profissão com mto brio e dignidade alfebatizou centenas de homens e mulheres à luz ténue de um candeeiro a petróleo.Beijinhos.Irene

    ResponderEliminar
  11. Foi com muita emoção que li quanto acima se diz sobre essas GRANDES obreiras do ensino que eu sempre admirei (e admiro) e pelas quais nutri o maior respeito. Como disse o poeta: «Também de asas precisa a criancinha e quem dar-lhas souber bendito seja»
    Pela sua dedicação, pelo seu profissionalismo, benditas foram (e são) as Senhoras Regentes Escolares!

    ResponderEliminar