quarta-feira, 10 de agosto de 2016

TORRE DE MONCORVO - Igreja Matriz

Fotografia de José Rodrigues

Luís e Sara foram nessa tarde levar o sr. António à Adeganha, preocupado que estava com o gado, uma junta de vacas, uns vitelos, porcos, ovelhas, uma burra, que estariam por lá cheios de fome. A casa rústica, que vinha, com sucessivos remendos, do tempo dos avós de Luís, deu a Sara o enquadramento da infância do amigo. Gente simples, de boa cepa transmontana, em que ela reconhecia o passado dos avós de seus avós.

De volta a Vila Real, passaram ainda pela Igreja Matriz de Moncorvo, declarada Monumento Nacional em 1910. O templo de maiores dimensões em Trás-os-Montes, dedicado a Nossa Senhora da Assunção. Anos antes, Sara  visitara a Igreja  e ainda tinha uma vaga ideia de uma imponente torre de cantaria e de um portal renascença. Luís mostrou-lhe um conjunto iconográfico, constituído por três imagens dentro de nichos barrocos, recortados em concha. Apreciaram a balaustrada de granito a cerca de trinta  metros de altura, no topo da torre. Num portal, com a  imagem de Nossa Senhora do Coberto, estava a data de 1567. Num outro, com data do ano anterior, a imagem do Padre Eterno. Viram um por um os quatro altares laterais, dedicados a Santo António, às Almas, a Nossa Senhora do Rosário e aos apóstolos Pedro e Paulo, bem como um tríptico do século XVII, representando cenas da vida de  São Joaquim e Santa Ana.  A revelação do anjo a São Joaquim, o encontro dos esposos na Porta Áurea de Jerusalém, o seu casamento e, por último, a apresentação do Menino Jesus por Nossa Senhora à avó do Menino. No altar-mor puderam observar um retábulo de Jacinto da Silva executado pelo artista em 1752. Lá estava o antigo cadeiral do cabido em duas filas e nas paredes os frescos de Francisco Bernardo Alves, representando a "Última Ceia" e "A Virgem Comungando". Tudo isto Luís explicou miudamente a Sara, que o ouvia atentamente, com terna devoção.Pareciam ter recuado ao tempo da adolescência. Sara sorria como se outro mundo, lá fora, não existisse
In: "A MULHER QUE VENCEU DON JUAN" de Teresa Martins Marques

Reedição de posts desde o início do blogue.

Sem comentários:

Enviar um comentário