segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Trancoso - Pelourinho















Uma observação atenta das fotografias de Orlando Ribeiro revela-nos a complexidade do seu olhar. Muitas vezes é difícil, em espaço urbano, com uma lente de 50 mm, que foi aquela que o geógrafo utilizou neste registo, fazer a captura de um espaço urbano complexo. Com uma criteriosa escolha do ângulo visual e do momento do disparo, Orlando Ribeiro revela-nos a articulação de vários elementos arquitetónicos, de diferentes períodos históricos e de diferentes graus de erudição do seu desenho, ao mesmo tempo em que as presenças humanas dão a escala do conjunto e permitem, sumariamente, a datação da fotografia.  (Orlando Ribeiro. Apontamentos sobre Trás-os-Montes, 1970. Opúsculos Geográficos. VI. Estudos Regionais, 1995).

Reedição de posts desde o início do blogue.

6 comentários:

  1. Trancoso é uma cidade portuguesa, pertencente ao Distrito da Guarda, região Centro e sub-região da Beira Interior Norte, com cerca de 10 000 habitantes situada num planalto em que o ponto mais alto tem 898m de altitude.

    Foi elevada a cidade em 9 de Dezembro de 2004.

    É sede de um município com 364,54 km² de área e 9 878 habitantes (2011), subdividido em 29 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Penedono, a nordeste por Meda, a leste por Pinhel, a sul por Celorico da Beira, a sudoeste por Fornos de Algodres, a oeste por Aguiar da Beira e a noroeste por Sernancelhe.

    Trancoso é um dos poucos municípios de Portugal territorialmente descontínuos,[1] estando uma das suas freguesias (Guilheiro) separada do resto do município por uma estreita faixa de território pertencente à freguesia de Arnas, do concelho de Sernancelhe; uma vez que este último município pertence ao distrito de Viseu, isto torna territorialmente descontínuo o distrito da Guarda (existência de um exclave),[2] criando um enclave no interior do distrito de Viseu,[3] casos únicos em Portugal.[4]

    O principal centro ferroviário do município fica em Vila Franca das Naves-Trancoso, na linha da Beira Alta.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Trancoso

    ResponderEliminar
  2. Trancoso encontra-se hoje rodeada de muralhas, da época dionisiana, com um belo castelo, também medieval, a coroar esse majestoso conjunto fortificado.

    Com os seus numerosos monumentos, da arquitectura civil e religiosa, constitui um dos mais expressivos e belos centros históricos do país, visitado anualmente por muitos milhares de pessoas. Destacam-se, entre todos, as igrejas paroquiais de Santa Maria e de São Pedro, a Casa dos Arcos, do século XVI, a igreja da Misericórdia, a Casa do Gato Preto (um curioso edifício do antigo bairro judaico), e o Pelourinho, bela peça do mais puro estilo manuelino. Não esquecendo a antiguidade, porém, Trancoso mantêm traços medievais no centro histórico quase inalteráveis, sendo o exterior um meio urbano já moderno e planeado.

    Nesta cidade nasceram também o profeta e sapateiro António Gonçalves Annes Bandarra e o Padre Francisco Costa.

    Aqui se travaram importantes batalhas, entre as quais a de Trancoso, em 1385, num planalto a poucos quilómetros do centro histórico, que impôs pesada derrota às tropas invasoras e que antecipou o resultado da batalha de Aljubarrota.

    Trancoso foi elevada a cidade em 9 de Dezembro de 2004.

    ResponderEliminar
  3. Padre Francisco Costa é personagem de uma lenda que tem circulado na internet como se fosse uma história real, baseada em documentos que supostamente estariam arquivados na Torre do Tombo em Lisboa. Essa lenda serviu de inspiração para o escritor e pesquisador português Fernando Jorge Santos Costa autor da obra de ficção "O Padre Costa de Trancoso".
    A Lenda do Padre Francisco Costa de Trancoso

    Conforme a lenda, o Padre Francisco Consta teria sido prior da cidade medieval de Trancoso no século XV, dando origem a 275 filhos concebidos por 54 mulheres. Em processo movido por libertinagem na época o padre chegou a confessar que manteve relações sexuais e teve filhos com 29 afilhadas, 9 comadres, 7 amas, 2 escravas, 5 irmãs e uma tia, além da própria mãe.
    Conforme sentença que teria sido proferida em 1487 (cuja cópia repousaria no Instituto Arquivos Nacionais Torre do Tombo, em Lisboa) ele foi condenado e sua pena passava pelo arrastamento nos rabos dos cavalos pelas ruas públicas, com seu corpo em seguida sendo esquartejado e posto aos quartos, onde a cabeça e as mãos seriam depositadas em diferentes distritos. Porém o rei D. João II entendeu perdoar-lhe a pena e ordenou que fosse enviado para casa no dia 1 de Março desse mesmo ano, baseado no facto de "o padre Francisco Costa ter contribuído para o povoamento da Beira Alta".
    A casa onde teria vivido o padre Francisco Costa seria agora o restaurante "O MUSEU".
    Sentença Proferida Em 1487 Contra O Prior De Trancoso
    o Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Autos arquivados no armário 5, maço 7:
    "Padre Francisco da Costa, prior de Trancoso, de idade de sessenta e dois anos, será degredado de suas ordens e arrastado pelas ruas públicas nos rabos dos cavalos, esquartejado, o seu corpo e postos os quartos, cabeça e mãos em diferentes distritos, pelo crime que foi argüido e que ele mesmo não contrariou, sendo acusado de ter dormido:
    - com vinte e nove afilhadas e tendo delas noventa e sete filhas e trinta e sete filhos;
    - de cinco irmãs teve dezoito filhas;
    - de nove comadres trinta e oito filhos e dezoito filhas;
    - de sete amas teve vinte e nove filhos e cinco filhas;
    - de duas escravas teve vinte e um filhos e sete filhas;
    - dormiu com uma tia, chamada Ana da Cunha, de quem teve três filhas,
    - da própria mãe teve dois filhos.
    Total: "duzentos e setenta e cinco, sendo cento e quarenta e oito do sexo feminino e cento e vinte e sete do sexo masculino, tendo concebido em cinqüenta e quatro mulheres".
    ASSIM SE VEJA A FORÇA DA IGREJA

    ResponderEliminar
  4. http://www.facebook.com/media/set/?set=a.107642896040095.10353.100003831558723&type=1

    ResponderEliminar
  5. Restaurante Área Benta

    Noite e Restaurantes | Restaurantes

    Espaço caracterizado por um ambiente cuidado, convidativo e agradável, situado no centro histórico de Trancoso. A cozinha praticada homenageia a gastronomia regional da Beira Alta. Possui duas salas de refeições independentes, ligadas por duas aberturas, que dão visibilidade de uma para a outra no primeiro piso; no rés-do-chão situa-se o bar e uma pequena galeria (zonas mais intimistas e convidativas).

    Responsável: António Júlio Lopes e Maria José Seixeira
    Acessos: Junto ao Castelo de Trancoso.
    Acessos para deficientes: Não
    Animação: Eventos ocasionais.
    Formas de pagamento: Cartões Crédito, Multibanco
    História: O imóvel onde hoje funciona o restaurante área benta é o resultado da união de dois edifícios que já se encontravam ligados através de uma passagem no piso superior. Os vários espaços existentes apresentavam uma certa variedade de alturas e de áreas, pelo que o conceito deste projecto se baseou na integração total dos dois edifícios de modo a criar uma continuidade entre os novos espaços, mantendo, no entanto, a mesma variedade espacial. O restaurante Área Benta é um espaço muito bem recuperado, a funcionar desde Julho de 2001.
    Lotação: 90
    Necessidade de reserva: Aconselhável
    Observações: Outros contactos: 966310789
    Preço Médio: 15.00
    Recomendado para grupos: Sim
    Sanitários para Deficientes: Não
    Serviços: Ar condicionado
    Horário de Funcionamento: Das 12:00 às 15:00 e das 19:30 às 22:30.
    Área para fumadores: Não Fumadores
    Ambiente e decoração: Inserido numa casa de pedra típica da região, o restaurante proporciona um ambiente onde o bom-gosto impera, graças a pormenores como a iluminação, o design e as linhas arquitectónicas do espaço.
    Bar/Sala de espera: Bar
    Dia(s) de Encerramento: Não encerra
    Especialidades: Entradas: Morcela à moda da Guarda; Míscaros à Área Benta; Lascas de presunto da Beira; Torresmo da terra. Peixe: Bacalhau à Avó Lurdinhas; Polvo grelhado; Bacalhau à João do Grão. Carne: Cabrito assado com castanhas; Ensopado de cabrito; Açorda de míscaros com entrecosto; Marrã à moda antiga; Rojões com sarrabulho; Entrecosto grelhado com enchidos; Lombinhos com grelos à pobre. Doces: Creme queimado; Arroz doce; Requeijão com doce de abóbora; Tarte de requeijão; Sardinha doce de Trancoso.
    Estacionamento: Sim
    Horário de Encerramento: 22:30
    Tipo de Restaurante: Português, Regional
    Se algum dos dados apresentados não estiver correcto, envie por favor, um e-mail para a redacção do Lifecooler.

    ResponderEliminar
  6. E isto é Trás-os-Montes: um infindável manancial de iguarias!

    Arinda

    ResponderEliminar