segunda-feira, 2 de maio de 2016

Memórias Orais - Adília Veneranda Branco



Começa com uma oração, quase de forma involuntária. Como quem quer espantar o nervosismo. Conhece pouco as letras. Só os seus irmãos foram à escola. Tinha que ser a segunda mãe, diz, e ir criando os irmãos. “Eles sabem-se defender do mundo, e eu sou uma analfabeta”.

Adília Veneranda Branco passou depressa pela infância. Lembra-se apenas  que foi muito triste. “Meu pai não era trabalhador. Passei necessidades. Minha mãe tinha um bom cordão, vendeu-o pra comprar gado, meu pai destruiu-o …destruiu tudo. Podíamos estar bem na vida, mas não estivemos..”

Da vida foi obrigada a saber quase tudo. Com 15 anos viu nascer , pelas suas mãos, um irmão. A falta de recursos obrigava ao desenrasque e Adília, de olhos na vida, ajudou a sua mãe. “Fui eu que cortei o cordão  e graças a Deus correu tudo bem”.

Com 73 anos recorda uma vida de trabalho para contrariar as necessidades e um marido muito seu amigo. “Eu casei com uma mão atrás e outra à frente mas arranjei os meus bocadinhos e fiz uma casa de raíz que tem 10 de largo por 11 de comprido. O meu marido era muito trabalhador”.

Nunca saiu de Lagoaça, “feliz daquele que se governa na sua Nação”. A primeira viagem para fora foi ao Porto, pra ver um filho doente. “Deus Nosso Senhor levou-mo”. Talvez a única vez que Falhou com ela. Diz que tudo que lhe tem pedido, Deus tem-lhe dado. Sente-se sozinha mas isso é culpa da vida. Os filhos há muito que fizeram a sua vida fora da aldeia mas Adília queria-os perto. “Quando o meu marido era vivo nada me fazia falta, e hoje faz-me falta tudo, companhia...”

Apesar de tudo, não lhe faz falta a alegria que imprime nas canções e versos que sabe de cor, com as pausas e tempos certos e com a entoação de uma artista.  Talvez saiba que assim a solidão se torna mais pequena...

Sem comentários:

Enviar um comentário