segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

TORRE DE MONCORVO - DIREITO DE MENTIR

Click na imagem para aumentar.
in "Direito de Mentir"de João Miguel Fernandes Jorge

Reedição de posts desde o inicio do blogue

3 comentários:

  1. Poeta português, natural do Bombarral, licenciado em Histórico-Filosóficas.
    Estreou-se, em 1971, com Sob Sobre Voz, tendo escrito, entre outras obras de poesia, Porto Batel (1972), Alguns Círculos (1975), Direito de Mentir (1978), O Roubador de Água (1981), O Regresso dos Remadores (1982), Poemas Escolhidos (1982), Um Nome Distante (1984), Tronos e Dominações (1985), A Jornada de Cristovão de Távora - I, II e III, (1986 a 1990), Um Quarto Cheio de Espelhos (1987), Pelo Fim da Tarde (1989), Terra Nostra (1992), O Barco Vazio (1994), Antologia Poética 1971-1994 (1995), Não É Certo Este Dizer (1997), Lugar de Uma Coisa, a Sombra de Uma Árvore (1997, integrando desenhos de Rui Chafes), O Lugar do Poço (1997) e Bellis Azorica (1999). É ainda autor de alguns títulos de ficção como Nem Vencedor Nem Vencido (1988), Uma Paixão Inocente (1989), Fins-De-Semana (1993) e O Pé Esquerdo (1998). Sobre arte tem publicados Paisagem com Muitas Figuras (1984), Um Quarto Cheio de Espelhos (1987), António Palolo por J. M. F. J. (1988), O Que Resta da Manhã (1990), Abstract & Tartarugas (1995) e Obra Poética (2000), uma reunião dos livros Tronos e Dominações e Pelo Fim da Tarde.
    A sua obra, de grande fluidez de ritmo e efeitos de sonoridade, constrói-se, de forma supreendente, a partir de referências narrativas pessoais e evocações históricas, marcadas pela presença de vocábulos de época. As imagens contidas nos seus poemas libertam-se muitas vezes do sentido metafórico, através de uma deslocação do significante por lugares e tempos, acentuando outras o carácter efémero dos seres e das coisas. O seu interesse por áreas artísticas como a pintura ou a escultura, e respectivos modos de fazer, levou a que, na sua obra, o exercício do olhar sobre as coisas seja também ponto de partida para muitos poemas e textos sobre a presença da arte nos espaços do individual e do colectivo contemporâneos

    BY GOOGLEMAN

    ResponderEliminar
  2. a cama pouco limpa ,diz o poeta.Estamos em 1978,data da edição do livro.
    É uma estória pós abril,periodo das liberdades totais ,da loucura de todos...Em Moncorvo reinava o MRRPP...
    A cama pouco limpa,seria na Brazília ou no Passarinho?
    Dois adolescentes de 16 anos perdidos no reino maravilhoso de Miguel Torga.
    Um, o poeta não gostou de Moncorvo nem de Miranda.Foi uma noite de pedra,acrecenta.
    Um queria dormir o outro sonhava...
    A excitação/humilhação gere uma raiva contra o cenário onde nada se passou.
    Eram dois adolescentes...eram dois meninos a viver a liberdade, a aventura,mas um era de pedra,cansado ,queria dormir.
    Literatura gay no nosso blog.
    M.C.

    ResponderEliminar
  3. Bem me parecia:o gajo é bicha!

    ResponderEliminar