sábado, 20 de fevereiro de 2016

Clave de Sol - Chave de Sombra, de Teresa Martins Marques (Convite)

Clique na imagem para ampliar.













Inéditos de David Mourão-Ferreira
publicados em "Clave de Sol - Chave de Sombra: Memória e Inquietude em David Mourão-Ferreira",  
da autoria de Teresa Martins Marques

O novo livro de Teresa Martins Marques, baseado na sua tese de doutoramento, revela-nos, ao longo das suas 816 páginas,
muitos factos desconhecidos sobre a obra inigualável do Poeta, incluindo a publicação de alguns inéditos.
O lançamento será no próximo dia 24, quarta-feira, pelas 18:00 horas, na Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa,
e, no dia 25, quinta-feira, pelas 19:30 horas, a obra será apresentada nas Correntes D’Escritas, Póvoa do Varzim.
Em Lisboa, a apresentação fica a cargo do Prof. Dr. Eugénio Lisboa e do Prof. Dr. Fernando Pinto do Amaral.
A sessão contará ainda com uma leitura de poemas de David Mourão-Ferreira, pela Dra. Maria Paula Mendes.
Nas Correntes D’Escritas, a autora conversará sobre a obra, com José Carlos Vasconcelos.

Sinopse: O presente livro resulta da tese de doutoramento da autora, apresentada na Universidade de Lisboa, agora muito ampliada e refundida, tendo como alvo um público não apenas  académico.
Estudo integrador dos diversos géneros que configuram a Obra de David Mourão-Ferreira, apesenta novas linhas de leitura, que ultrapassam o rótulo de poeta do amor e da mulher,  dando relevo às polarizações da memória e da inquietude, manifestadas sob a forma de melancolia, indecisão, deriva, angústia, medo, suspeita, ciúme, traição, culpa, remorso, ameaça, vingança, suicídio, agressão sexual e até mesmo assassínio. O trabalho resulta do contacto directo, em primeira mão, com o Espólio de DMF. Tomam-se como base de trabalho não apenas materiais literários éditos e inéditos, mas também alguns não-literários que permitem esclarecer os primeiros. A tipologia do corpus documental é diversificada: esboços, esquemas prévios, notas de leitura, entrevistas e marginalia. É citada alguma correspondência, anotações de índole literária do Diário Íntimo da juventude. O vaivém inter-géneros e inter-obras é o processo fundamental que dá conta da coerência e do trânsito entre temas e motivos, que de  obra em obra vão passando e vão ficando constituindo-se tradição, documento e monumento: “E lembro tudo o que era simples / antes do nada inevitável / Mas que do nada ao menos fique / um monumento de palavras”.

Teresa Martins Marques fez doutoramento em Literatura e Cultura Portuguesas, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, sendo investigadora integrada no Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias desta mesma Universidade. Membro da Equipa do Instituto de Lexicologia e Lexicografia da Academia das Ciências de Lisboa, entre 1992-1995. Dirigiu a organização do Espólio de David Mourão-Ferreira (Fundação Calouste Gulbenkian e Ministério da Educação) entre 1997 e 2004. Dirigiu e prefaciou os 13 volumes da edição das Obras Completas de José Rodrigues Miguéis (1994-1996).
Ensaio: Tem colaboração em três dezenas de volumes colectivos. Publicou individualmente: Si on Parle du Silence de la Mer (1985); O Eu em Régio: A dicotomia de Logos e Eros (Prémio de Ensaio José Régio, 1989); O Imaginário de Lisboa na Ficção Narrativa de José Rodrigues Miguéis (1994); Leituras Poliédricas – estudos sobre Cesário Verde, Gomes Leal, Raul Brandão, J. Régio, J. R. Miguéis, V. Nemésio, Eugénio Lisboa, et alii (2002); Clave de Sol – Chave de Sombra: Memória e Inquietude em David Mourão-Ferreira (2011). Conto: Carioca de Café (2009); Degraus do Passado (2014).
Romance: A Mulher que Venceu Don Juan (2013); Biografia: O Fio das Lembranças. Biografia de Amadeu Ferreira (2015).

Na expectativa de podermos contar com a sua presença, enviamos o respectivo convite.

Sem comentários:

Enviar um comentário