domingo, 21 de fevereiro de 2016

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (21 e 22/02)

Senhora da Esperança
 21.02.1804 – De Lisboa pede-se informação à câmara de Moncorvo sobre um requerimento apresentado por Miguel Rodrigues, de Felgueiras, pedindo que lhe sejam aforadas duas casas que em outro tempo foram fornos de cozer pão. A câmara acabará por informar positivamente. Da resposta fica-se sabendo que aqueles fornos antes rendiam cerca de 60 000 réis / ano para o município. Em data que não consegui saber mas seria pelos anos de 800, a Relação proferiu uma sentença dizendo que o concelho não podia ter direito proveitoso dos fornos.
21.02.1836 – Eleições municipais. Câmara eleita: Manuel António Monteiro (presidente), Luís António Gomes, Manuel Rodrigues Pontes e Francisco António de Sá.
21.02.1876 – Ofício do administrador para o juiz da comarca : - Na noite de ontem, 20 do corrente, fui, como era o meu dever, fazer a polícia do Teatro Moncorvense, onde havia grande número de pessoas que tinham concorrido ao espectáculo. E entre elas mui saliente se tornava Francisco António Sertã, desta vila, por se estar divertindo em lançar fósforos acesos para o meio da multidão. Admoestei-o… ao que me respondeu com a maior insolência que havia de fazer o que quisesse, por isso mesmo que tinha comprado bilhete de entrada para o teatro. Intimei-o para que saísse para fora da plateia e como ele desobedecesse, dei-lhe voz de prisão… Também me disseram que o dito Sertã proferia palavras obscenas…
Restará dizer que nesta altura o Teatro Moncorvense era na igreja do antigo convento de S. Francisco.
21.02.1919 – O administrador César Ribeiro demite-se do cargo em protesto contra a nomeação do capitão Germano Martins Roque dos Santos para o lugar de governador civil do distrito.
22.02.1644 – Vista em câmara “uma carta de Marcos Botelho Pereira, natural desta vila e morador na China, cidade de Macau, a qual entregou Francisco da Mota, morador nesta vila para se ver pela dita carta a quem mandava que se entregasse uma vestimenta, frontal, estante, véus e outras coisas que eles vereadores tinham notícia que o dito Manuel Botelho mandou para Nossa Senhora de Ribacavada.
 A capela de Ribacavada é hoje mais conhecida pela designação de Senhora da Esperança.
22.02.1764 – Provisão do rei D. José para que Luís de Sousa Costa, marido de Ana Maria Joaquina de Sousa suceda a seu sogro na propriedade do ofício de escrivão, promotor e chanceler da correição de Moncorvo.
22.02.1913 – O dr. Manuel Guerra Jr. Toma posse do cargo de administrador do concelho de Moncorvo.

António Júlio Andrade

2 comentários:

  1. Quantos Guerra foram administradores do concelho, presidentes da câmara etc...Hoje ,surpreendentemente, de um ramo marginal, ainda há um guerra na vida política moncorvense .São os guerra de Lagoaça, não são os guerra do Felgar na linha de Adriano Guerra, Ramiro Máximo, e outros.Mas é sempre bom saber que nem todas antigas famílias se extinguiram ou saíram de Moncorvo ,deixando os solares em decadência esperando que a câmara os compre .
    L.A.G.

    ResponderEliminar
  2. eM 1644 Já havia moncorvenses em Macau.Era interessante que um dos nossos historiadores se debruçasse sobre este tema.Lembrar que Abílio Dengucho, um moncorvense, que foi e é respeitado em Macau.A transição de poder passou pelas suas mãos.
    L.A.G.

    ResponderEliminar