terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Ministério do Ambiente dá parecer "desfavorável" ao parque eólico de Moncorvo



O Ministério do Ambiente avançou hoje que foi dado parecer "desfavorável" ao Estudo de Impacte Ambiental (DIA) do projeto do Parque Eólico de Moncorvo, porque o equipamento não é compatível com a salvaguarda dos valores ecológicos existentes.

"Tendo em consideração que os impactes negativos mais significativos não são passíveis de minimização, propõe-se a emissão de DIA desfavorável ao projeto Parque Eólico de Torre de Moncorvo", indica a tutela em documento enviado à agência Lusa.

De acordo com a DIA, a intervenção proposta "não é compatível com a salvaguarda dos valores ecológicos existentes, nomeadamente com as espécies protegidas da avifauna e quirópteros (morcegos), e paisagísticos, incluindo a paisagem cultural e respetivos atributos".

Em reação, o presidente da direção nacional da Quercus, João Branco, disse que as razões que motivaram a decisão desfavorável, com base no relatório da Comissão de Avaliação, estão relacionadas com o facto de o projeto afetar em grande parte a Zona Especial de Proteção do Alto Douro Vinhateiro - Património Mundial classificado pela Unesco, devido à afetação de atributos que conferem "o Valor Universal e Excecional".


"Os impactes negativos mais significativos previstos com a implementação do parque eólico serão sobre as aves e comunidade de morcegos. Relativamente à comunidade de morcegos foram identificadas 24 espécies, sendo nove com estatuto de ameaça", indica a Quercus.

Segundo os ambientalistas, foram identificadas 14 espécies protegidas de aves de rapina, sendo que quatro têm o estatuto "em perigo" e duas "vulnerável". Existe o risco de colisão com aerogeradores e com linhas elétricas, nomeadamente com dois casais de Águia de Bonelli, um casal provável de Águia-real, entre outras.

"Sobre a paisagem, todos os aerogeradores, exceto dois, serão visíveis do Alto Douro Vinhateiro, existindo um impacte visual sobre sítios singulares ou mesmo únicos, das quais se destacam as quintas históricas do Douro e locais de culto", frisou João Branco.

A empresa proponente apresentou uma contestação à proposta da DIA desfavorável.

No passado mês de outubro a Quercus também tinha efetuado uma participação à UNESCO devido ao projeto do Parque Eólico de Torre de Moncorvo, afear a paisagem na Zona Especial de Projeção do Alto Douto Vinhateiro, classificado como Património Mundial.

O presidente da câmara de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, remeteu uma reação para mais tarde.

Em maio passado, o grupo Island Renewable Energy avançava que a construção do PETM, no distrito de Bragança, deveria ocorrer até final de 2015, acrescentando os seus responsáveis que a unidade deveria entrar em funcionamento em 2016.

O investimento da multinacional de capitais irlandeses ronda os 80 milhões de euros, o que vai permitir a instalação de 25 a 30 aerogeradores com uma potência que vai de 2,0 a 2,5 megawatts, tratando-se assim de "um investimento viável".

O Island Renewable Energy já havia formalizado um pedido de empréstimo no valor de 40 milhões de euros junto do Banco Europeu de Investimentos (BEI).

Fonte:  http://www.dnoticias.pt/actualidade/economia/559966-ministerio-do-ambiente-da-parecer-desfavoravel-ao-parque-eolico-de-monco

Sem comentários:

Enviar um comentário