sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (08/01)


Desenho de Francisco Moura.
8 Jan 1815 – Nomeação de João Carlos de Oliveira Pimentel (pai do general Claudino) para o cargo de Capitão Mor das Milícias do concelho, o mais elevado de natureza militar e o emprego mais disputado ao nível de concelho.
8 Jan 1846 – O administrador António Joaquim Ferreira Pontes e a câmara presidida por António Claudino de Oliveira Pimentel respondem com dureza a um requerimento enviado à Rainha por Jerónimo José Meireles Guerra (o homem que em Moncorvo dava a cara pelos Cabralistas) em que escrevera o seguinte:
- Existindo nesta vila um antigo castelo, foi este despoticamente demolido e a sua pedra vendida a diferentes pessoas por cinco ignorantes indivíduos de que se compunha então a câmara da dita vila, de modo que presentemente, dum edifício tão respeitado somente existe o terreno em que tinha sido edificado, mas está de tal modo coberto de montões de entulho que, servindo somente para tornar mais disforme aquela vila, não será fácil tirá-lo dali sem que se façam avultadas despesas, e porque o proveito do terreno pertence à Nação e o suplicante o queira comprar, por isso pede a V. Majestade haja por bem mandar proceder à sua louvação e arrematação, expedindo-se as ordens para isso ao governador civil de Bragança…

Para quem se recorda do temperamento de Ferreira Pontes e seus pares, imagina a resposta que foi dada naquela reunião de câmara ao requerimento de Meireles Guerra e que aqui não reproduzo por ser muito extensa. Fica apenas um cheirinho:
- (…) O epíteto de ignorante melhor caberia ao suplicante que pelo júri competente, no 4º ano da sua formação foi votado com um R, o que não aconteceu a nenhum dos bacharéis que na actualidade são camaristas (…) dinheiro que o requerente jamais possuiria, a não usar do meio de adquirir que esta câmara por decência omite (…) parece incrível ver um particular tão filantropo que há 8 anos nada tinha de seu e que vivendo hoje em Guimarães, queira poupar aos seus patrícios de Moncorvo essas despesas (…) melhor fora que o requerente, em lugar de tentar impedir esta câmara nos melhoramentos que tem projectados, pagasse as Contribuições que deve e tratasse de enriquecer por meios lícitos…
8 Jan 1876 – No início do ano entrou em vigor uma nova lei reorganizando as comarcas judiciais e os julgados de paz. Muitos povos ficaram descontentes e aconteceram revoltas em muitas partes. Para a história local ficou, por exemplo, o seguinte telegrama enviado naquele dia pelo administrador de Moncorvo para o governador civil de Bragança:
- Consta-me, e não sem algum fundamento, que os habitantes de Carviçais andam de combinação com os de Freixo para virem a Moncorvo fazer distúrbios; estes por não terem conseguido a comarca, aqueles por não terem obtido o julgado, que foi para o Felgar. Os Carviçaenses ameaçam espancar os habitantes do Felgar que forem à sua feira no dia 24 do corrente. Eu não ponho em dúvida que aqueles dois povos os seus planos, pois dizem ser ocasião propícia, visto não haver aqui força militar…

António Júlio Andrade



Reedição de posts desde o início do blogue

3 comentários:

  1. João Carlos de Oliveira Pimentel, capitão-mor agregado, capitão-mor em 18 de Maio de 1814 ,avô do Visconde de Vila Maior.

    ResponderEliminar
  2. Boa história para debate sobre a regionalização.

    ResponderEliminar
  3. António Claudino de Oliveira Pimentel era o general Claudino?

    ResponderEliminar