sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Nordeste Transmontano- Efemérides (08/01)


08.01.1846Câmara responde a uma queixa contra “quatro ignorantes indivíduos de que se compunha a câmara” apresentada perante a Rainha por Jerónimo José Meireles Guerra por causa da destruição do que restava do castelo de Moncorvo. A resposta é longa e arrasante para o queixoso. Vejam apenas um naco:

- (…) lançar um estigma sobre os termos e frases usadas pelo requerente na parte em que chama ignorantes aos membros da câmara, epíteto que melhor cabia ao suplicante que pelo júri competente, no quarto ano da sua formação, foi votado com um R. o que não aconteceu a nenhum dos bacharéis que por vezes e na actualidade são camaristas (…) Melhor fora o requerente, em lugar de tentar impedir esta câmara nos melhoramentos projectados, que pagasse as contribuições que deve e tratase de enriquecer só por meios lícitos…
08.01.1876 – No início do ano entrou em vigor uma nova lei de reestruturação das comarcas judiciais e dos julgados de paz. Muitos povos ficaram descontentes e aconteceram revoltas um pouco por toda a parte. Para a história local, aqui fica o telegrama enviado pelo administrador de Moncorvo para o gov. civil de Bragança:
- Consta-me, e não sem algum fundamento, que os habitantes de Carviçais andam em combinação com os de Freixo para virem a Moncorvo fazer distúrbios, estes por não terem conseguido a comarca, aqueles por não terem obtido o julgado. Os Carviçaenses ameaçam espancar os habitantes do Felgar que forem à sua feira, no dia 24 do corrente. Eu não ponho em dúvida que aqueles dois povos realizem os seus planos, pois dizem ser ocasião propícia, visto não haver aqui força militar…
08.01.1893 – Nota do semanário Moncorvense desta data:
- Nunca se viu tantos deputados no parlamento (1059 como agora que não têm subsídio (…) Que bela medida.
O artigo de fundo deste número do mesmo jornal é dedicado à prisão do sr. Henrique Homem da Costa Pimentel, acusado de um crime de falsificação de documentos. O caso foi complexo e foi muito badalado em Macedo de Cavaleiros. Por detrás andava uma acção cível e os protagonistas eram o sr. Pereira Charula e a Viscondessa… mulher do próprio juiz, tido por afamado progressista. Claro que a acção judicial virou caso político.

Almendra
08.01.1942 – Ofício enviado pela fábrica Soares & Irmãos Lda, do Porto, para a câmara de Moncorvo:
- Dando satisfação ao pedido que Vª Exª hoje nos fez telegraficamente e para resolver a situação difícil em que se encontra esse concelho para abastecer com farinhas a população consumidora, demos instrução para que a nossa fábrica de Almendra proceda ao urgente despacho de 40 sacos de farinha tipo único, de centeio.
Agradecemos a Vª Exª se digne enviar àquela fábrica a respectiva requisição para aqueles 40 sacos de farinha.
Sobre o abastecimento da população das freguesias de Urros e outras, como informamos Vª Exª e conforme ficou estabelecido, só entregaremos farinhas às pessoas que nos apresentarem requisições passadas por essa câmara, e dentro do possível…
 António Júlio Andrade


Reedição de posts desde o início do blogue

4 comentários:

  1. ler: http://lelodemoncorvo.blogspot.com/2011/01/rogerio-rodrigues-e-historia-politica.html

    ResponderEliminar
  2. ALMENDRA
    COMPOSIÇÃO DA JUNTA DE FREGUESIA:
    Presidente: José Carlos Reis Monsanto
    1º Vogal: Virgínia do Carmo Lages Reis Judite
    2º Vogal: António Carlos Lage
    Telemóveis: 963 061 404 / 968 226 608
    E-mail: jfalmendravnfc@patrimonio-turismo.com

    Assembleia de Freguesia:
    Amélia dos Anjos Vilhena Padrão Moreirão, Paulo António Morgado, José Manuel Campos, António Leónidas Madeira, Armino Augusto Melado.
    DADOS GERAIS
    Padroeira: Nossa Senhora do Campo;
    População: 615 habitantes;
    Área: 54,5 Km2
    Actividades Económicas: Agricultura (amêndoa, azeite), pequeno comércio, prestação de serviços, indústria de óleos, descasque de amêndoa, azeite, construção civil, extracção de inertes, serralharia;
    Gastronomia: Sopa da Beira, cabrito assado, almendrados, vinhos de mesa, vinho do Porto;
    Artesanato: Ferraria;
    Fauna: Coelho, lebre, javali, perdiz, tordo, rola, raposa, etc;
    Locais de Interesse Turístico: Santuário de Nossa Senhora do Campo, paisagem natural.

    ResponderEliminar
  3. O castelo ,passeio público ,IPPAR,IGESPAR, buracos por tapar, lixeira de dia retrete à noite tem muito que contar. O prepotente, incompetente arrogante Igespar morreu no dia 31 de Dezembro E O SEU ENTERRO foi integrado nas alegrias e festejos próprias desse dia .Ainda andam perdidos uns igesparinhos por aí, defendem as ervinhas e os morcegos ignorando as pessoas, mas o seu reinado acabou. a Direcção--Geral do Património Cultural não é fundamentalista primária. Queremos o "castelo" arranjado nem que seja novamente atulhado e regressar à situação que estava antes de ser desventrado .Devia haver um debate público com todas as partes interessadas (moncorvenses e autarquia)e desinteressadas (ex-IGESPAR).
    Chamo-me António Reis Gomes para que conste.

    ResponderEliminar
  4. Helder Varela Moço escreveu:Por este pedido de socorro, feito pela Câmara Municipal de Moncorvo á empresa Soares & Irmãos Lda., verificamos quanto era a importância de Almendra, não só em dádivas como em impostos á séde do concelho de Foz-Côa . Várias freguesias beneficiavam da solidariedade do Povo de Almendra através das suas empresas e do comércio em geral. Nós, os Almendrenses atentos á história da Vila de Almendra, congratulamo-nos com a publicação destes dados e esperamos que alguns xenófobos ignorantes, com manias de licenciaturas arrogantes de "doutores burros", reconheçam a história e o valor de cada terra e seus cérebros. Não se iludam com os benefícios efêmeros da CEE. VIVA ALMENDRA.

    ResponderEliminar