segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

PRIMEIRA GRANDE GUERRA . CEPIHS - Pedido de colaboração

MORTOS, DO REGIMENTO DE INFANTARIA Nº 30, EM MOÇAMBIQUE, POR CONCELHOS, NA PRIMEIRA GRANDE GUERRA, CONFIRMADOS PELO MUSEU MILITAR DE BRAGANÇA

Dados baseados na listagem do Museu Militar de Bragança e dispostos pela mesma ordem, por concelhos.

TORRE DE MONCORVO
José Joaquim, soldado,António José Prados, soldado,Manuel José Caldeira, soldado,
Sérgio Augusto da Fonseca, soldado, João José Pavão, soldado,José luís Martins*, 1º cabo
Manuel de Jesus, soldado,Luís Manuel Reis, soldado,Luís Maria Gaspar, soldado
José Joaquim Dinis, soldado, António Júlio, soldado,António Luís Caetano, soldado
Alberto Augusto Pinto, soldado,Álvaro José Ferreira, soldado
Júlio António Figueiredo, soldado,Alexandre Augusto …(?), soldado,António Manuel (Morais?), soldado
António Fernandes, soldado ,Alfredo Viterbo Cleto, soldado,César Augusto Pereira, soldado.
Fontes:http://www.geneall.net/P/forum_msg.php?id=182399
Museu Militar de Bragança

Documento amavelmente cedido pelo dr.Leonel Salvado.O blogue agradece-lhe.

CEPIHS - Pedido de colaboração

No âmbito do estudo que o CEPIHS está a realizar sobre os participantes do concelho de Torre de Moncorvo na I Guerra Mundial (1914-1918), tanto na Europa como em África, com vista à comemoração do centenário deste conflito, iniciativa da Universidade Nova de Lisboa, vimos solicitar e agradecer que nos facultem todas as informações que lhes respeitem. Assim, o conhecimento da existência de documentos (cartas, fotografias, cadernetas militares) e de objectos (medalhas, condecorações, fardas, filmes, uniformes, capacetes) permitir-nos-á reconstituir a memória dos que partiram e das famílias que ficaram.

A todos, e desde já, muito obrigada.

Pela direcção do CEPIHS,
Adília Fernandes

Contactos:
Adilia
lilabento@sapo.pt

Leonel Brito (Lelo)
britoleonel@yahoo.es
lelodemoncorvo@gmail.com



Reedição de posts desde o início do blogue
 

9 comentários:

  1. Tanta carne para canhão!Malditas guerras!
    Haverá descendentes destes homens no nosso concelho?

    Maneldabila

    ResponderEliminar
  2. Devia ser colocada esta lista conjuntamente com a dos mortos da guerra do ultramar num memorial nos jardins da biblioteca.Que a terra não os esqueça.

    ResponderEliminar
  3. Totalmente de acordo com o Maneldabila.

    Júlia

    ResponderEliminar
  4. É só um ensaio de despedida..

    Depois mais próximo, talvez mais pensado se acrescentará e será publicado se entender.

    Adeus janela em glória
    Destes Farrapos a valer
    Vais ficando na memória
    Para muitos te agradecer!

    Foste filho da emoção
    Criado com alma e grito
    Aconchegado no coração
    Mais o nosso Leonel Brito!

    Foste presença companheiro
    Construíste raízes e memória
    Do teu Reboredo altaneiro
    Preservaste saberes e glória!

    Ligaste gentes e corações
    Nos muitos recantos do Mundo
    Com saberes e recordações
    Irmanaste almas sem fundo!

    No futuro serás lembrado
    Como arquivo do mais belo
    Não morrerás de teu fado
    Continuarás vivo com o Lelo!

    Foste traço profundo
    Com alegria e emoção
    E testemunho abastado
    De Moncorvo e seu rincão!

    Deste voz a velhas profissões
    De Moleiros a tecedeiras
    Divulgaste vultos com razões
    Abriste passados de gerações!

    Foste cultura e sentimento
    Homenagem e comoção do belo
    Agradecemos com prazimento
    Aocompanheiro e criador Lelo!

    ResponderEliminar
  5. Obrigada, Dr. Leonel Salvado, pelo valioso contributo.
    Adília

    ResponderEliminar
  6. Tentarei juntar outros dados a esta lista, junto do Museu Militar de Bragança, que possibilitem chegar às famílias.
    Adília

    ResponderEliminar
  7. Há meio de saber de que freguesia eram esses soldados? Obrigada.
    Carina

    ResponderEliminar
  8. Estou convencido de que não faltarão pelos sótãos as empoeiradas caixas de sapatos cheias com antigos postais e outra correspondência dos antigos combatentes (os da I Guerra e os das seguintes) que as famílias ignoram (e a que possivelmente já não dão valor, nem mesmo afectivo), como estou convencido que por essas lojas das quintas e em muitos outros sítios não falatarão adereços, uniformes, itens de equipamento (e até armas) mesmo de conflitos anteriores (invasões francesas, por exemplo). Seguramente, os museus militares e os regimentos que dispõe de secções museológicas ficarão agradecidos por poderem exibir esses pedaços da nossa história (eu estive no RI 14 - Viseu, e na altura assinei vários certificados de doação de material e documentos que agora podem ali ser apreciados). Que tal darem uma volta por esses sítios e ver o que estará por lá esquecido e a degradar-se, e que poderia ser melhor utilizado?
    Pedro Esgalhado (militar na reserva)
    Pedro_Esgalhado@Hotmail.com

    ResponderEliminar
  9. Obrigada, Pedro. É nossa intenção resgatar o que for possível que nos aproxime dos homens da nossa terra que partiram para esse conflito. Este apelo público, que a generosidade do Lelo permite, vai tendo os seus frutos, como a sua intervenção comprova.
    Um abraço da Adília

    ResponderEliminar