terça-feira, 5 de janeiro de 2016

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (05/01)

5 Jan 1726 – Acta da reunião da câmara:

- (…) A esta câmara veio Francisco Domingues, do lugar do Larinho, depositário do rendimento de Santa Luzia e porque em seu poder se achavam 40 alqueires de centeio, do rendimento da tomadia da dita Santa, vencidos o ano de 1723, a preço de 200 réis, soma 8 mil réis… A cuja conta despendeu…
Sobre o assunto, diremos que o ermitério de Santa Luzia tinha propriedades agrícolas que eram exploradas por um ermitão nomeado pela câmara municipal de Moncorvo. O mesmo acontecia com a Senhora de Ribacavada (Nª Sª da Esperança) e com a Senhora da Teixeira.
5 Jan 1727 – Decidido mandar fazer o projecto e orçamento (“apontamentos”) para a reconstrução da capela de Santa Clara. Esta capela já não existe e situava-se fora da vila.
5 Jan 1731 – Demitido pela câmara o ermitão de Santa Luzia, em Larinho e nomeado um novo.
5 Jan 1840 – Sagração do bispo do Algarve, D. António Bernardo da Fonseca Monis. Foi mais tarde transferido para o Porto e foi também deputado e ministro da justiça. Era natural de Torre de Moncorvo, morador na casa onde actualmente está instalado o Museu do Ferro.
5 Jan 1891 – Arrombada a cadeia de Moncorvo e fuga dos presos.

António Júlio Andrade


Reedição de posts desde o início do blogue
 

4 comentários:

  1. Onde era a cadeia? na rua da Rapadoura? e o Ermitão, o que fez para ser corrido?
    Reitores da Universidade,bispos ...e agora?Temos bispos e reitores?

    ResponderEliminar
  2. Julgava que o solar do museu era o de palme.Qual é o de Palme e o dos Douteis?

    ResponderEliminar
  3. É mesmo o solar do barão de Palme. Este barão chamava-se José Maria da Fonseca Monis e era irmão do bispo. Palme é uma povoação minhota onde ele deve ter fixado residência.
    Quanto à cadeia, penso que era no r/chão do actual tribunal, outrora tribunal e casa da câmara.
    Do ermitão nada mais sei, mas era muito normal que fossem substutídos. Muitas vezes com os fracos rendimentos que angariavam no ermitério e no contacto dom os padres acabavam eles próprios por se tornar padres ou frades... J. Andrade

    ResponderEliminar
  4. Senhor António Júlio ,desculpe mas eu pensava que um ermita se retirava do mundo para rezar e afinal era feitor de quintas da câmara.Era mesmo assim? e a cadeia desse tempo onde ficava? Recorro a si pelo extraordinário conhecimento que tem e pela sua dedicação a partilhar os seus conhecimentos .Bem Haja!E a todos quem fazem este blog.

    ResponderEliminar