sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

URROS - FAMÍLIA EMIGRA PARA U.S.A. EM 11 /02 DE 1911


 Nesta foto, da dir. para a esq. : Maria José Nunes Seco (minha avó materna), Graça Nunes Seco (Belchior – balshor), Lucinda Nunes Seco, Benedita Nunes Seco e António Emílio Nunes Seco. – Fotografia e texto original enviados por Maria José Garcia Fernandes.
Das páginas 193-194 de Pioneiros Portugueses do Espaço Sacramento :

ARTHUR BALSHOR (Alexander Arthur Belchior) casou com GRAÇA JOAQUINA NUNES SECCO em 1902 em Urros, Portugal, em um casamento arranjado pela mãe da noiva. Graça, nascida em 25 de novembro de 1882 ,filha de Manuel José Secco e Josefa da Conceição, 17 anos mais nova que seu marido. Inicialmente ela recusou-se mas cedeu sob pressão da família.

Com filhos António, Marcelino, Lucinda, José e Teresa, nascidos em Portugal, a família decidiu sair de Portugal, e em 11 de Fevereiro de 1911, eles embarcaram no navio Ortisio no Porto, com destino ao Havaí para trabalhar nas plantações de cana. Durante a viagem de seis meses ao redor do Horn, Lucinda e José morreram em uma epidemia de sarampo grave a bordo. Graça lutou bravamente para salvar seus dois filhos, mas por causa de condições de vida primitiva a bordo e sem medicamentos no navio, as crianças morreram. No Havaí, que moravam com outras famílias de Português em um pequeno complexo que veio a ser conhecido como "Os Cinco Casas". Em 1912, Graça deu outro filho e chamou-lhe José, em memória do filho que ela perdeu a bordo do navio. Tragicamente, em 1914, o pequeno Joseph morreu, mas a Graça ficou grávida novamente, e deu à luz depois do mesmo ano para o outro José, nomeado para os outros dois que morreram. Graça entregou a Joseph último si mesma, completamente autônoma.
Em 1915, várias das famílias no complexo decidiram deixar o Havaí para o Sacramento, eo Belchiors seguido mais tarde nesse ano. Arthur, Graça e seus quatro filhos, Antonio, Teresa, entrando em uma casa na Rua 2 entre T e U, em "Arizona" bairro.
Arthur foi contratado como trabalhador rural e Graça tomou pensionistas. Arthur finalmente se tornou um empreiteiro agrícola e quando ele foi para a fazenda campos tomou as crianças e Graça, que ia cozinhar e lavar roupa por 30 homens.
Em 1917, Graça deu à luz outro filho, Manuel Vicente. Ela então decidiu tornar-se uma parteira, fornecendo cerca de 40 bebês. Em 1919, na sua segunda residência a 306 S Santo, Graça deu à luz a João Bernardo, e em 1921 com a filha Dozendia, que morreu de difteria em 1923. Em 1922, Arthur e Graça comprou uma casa a 315 U Street. Em janeiro de 1923 seu filho mais velho de Antonio, pouco antes de seu aniversário de 20 anos, foi baleado e morto em uma briga na Frente Branco Cafe, na Rua 4 entre as Ruas J e K. Enquanto isso, a filha Theresa havia se casado com João Morais, em 1923, e fez sua casa acima da mercearia que possuía na esquina das Ruas 3 e U. Em 1925 eles venderam a loja e mudou-se para Walnut Grove.
Em 1924, Graça deu à luz outro filho, a quem ela pretendia batizar o filho Antonio de mortos no ano anterior. Arthur e os outros membros da família não concordou com a seleção de Graças, e decidiu mudar o nome. No dia do batismo na igreja St. Elizabeth, Graça ficou em casa a cozinhar o jantar festivo, e Arthur e os membros da família decidiram o nome do bebê Alberto.
Arthur continuou com seu trabalho agrícola até 1926, depois trabalhou em uma fábrica de conservas em Ryde onde sofreu seu ataque cardíaco em primeiro lugar. Graça ea filha Lucinda, a fim de sustentar a família, foi trabalhar em uma fábrica de conservas em 2 e Streets P. Arthur morreu 15 dezembro de 1929 na idade de aproximadamente 62. Graça e crianças Lucinda, 18 anos, e José, de 15 anos, o trabalho obtido nas fazendas ameixa e também nos campos de aspargos. Graça cozia e lavava a roupa para 15 homens.
Após a temporada de colheitas de Lucinda ela trabalhou na fábrica de conservas. Lucinda e amigo da família, Manuel Morais iria cuidar da casa e dos filhos menores, quando Graça trabalhou nas fazendas. Lucinda vezes trabalhava dois turnos na fábrica de conservas e voltar para casa, chegando a 04:00, começa poucas horas de sono, e então se seus irmãos para a escola. John, de 13 anos, também trabalhou na fábrica de conservas para complementar a renda familiar.
Alberto jovem trabalhou em vários empregos, incluindo três vias de papel, vendendo para os bares locais fiowers obteve de mulheres do bairro, e vender programas na Rua L Arena. 
Em 1946, Graça assumiu como um pensionista Maria Sequeira, a jovem filha de um amigo viúvo de Dixon, para que ela pudesse frequentar a escola de secretariado. Marie e Al Balshor casou em janeiro de 1948, enquanto ele foi aprendiz de Confia florista. Em 1950 ele abriu sua própria loja florista em 930 St. 0 e, em seguida, em 1972, mudou-se para 2771 Riverside Blvd. onde ele está atualmente localizado.
Manuel, que trabalhou duro como um jovem de contribuir para o sustento da família, abandonou a escola para ir para a pesca comercial com o irmão Joseph, e depois trabalharam para seu irmão Al antes de trabalhar para o escritório do xerife.

(TEXTO ORIGINAL)

Clique na imagem para aumentar ou abra a imagem numa nova janela para poder ampliá-la ainda mais.
(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)

(Reedição de posts desde o início do blogue)

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Até fiquei sem palavras!... Que relato tão interessante. É um excelente testemunho da vida dura de imigrante na América. Muito obrigada Maria José pela partilha.

    ResponderEliminar
  4. Para saber mais:
    http://www.news10.net/video/default.aspx?bctid=86149642001

    ResponderEliminar
  5. Parabéns à família Balshor! Well done!

    ResponderEliminar
  6. Misé Fernandes :
    Portugueses nos EUA são 1,3 milhões

    Números do Census 2000 mostram que a diáspora lusitana está representada em todos os estados

    Os portugueses ou seus descendentes nos Estados Unidos são mais de 1,3 milhões, espalhados por praticamente todos...

    ResponderEliminar
  7. Como muitas pessoas de Carviçais (e arredores) as tias do meu avô imigraram para o Massachusetts nos anos 10/20 e lá ficaram… Consegui entrar em contacto com descendentes :)
    Carina Teixeira

    ResponderEliminar
  8. Olá Mizé!
    Agora fiquei sem palavras perante este relato de vidas árduas e tão cruéis!
    Beijinho,
    Tininha

    ResponderEliminar