terça-feira, 13 de setembro de 2016

Guerra Junqueiro - A Velhice do Padre Eterno

                               
Um dia o pai, um bravo aldeão,
                                             
Chamou-o ao pé de si, e disse-lhe:«João:
À força de trabalho e à força de canseiras,

A moirejar no monte e a levar gado às feiras,
Consegui ajuntar ao canto do baú
Alguns pintos. Vocês são dois rapazes; tu,
Além de ser mais novo, és mais inteligente.
Vou botar-te ao latim; quero fazer-te gente.
Hás-de me dar ainda um grande pregador.
Hoje padre é melhor talvez que ser doutor.
Aquilo é grande vida; é vida regalada.
Olha, sabes que mais? manda ao diabo a enxada.
Aquilo é que é vidinha! aquilo é que é descanso!
Arrecada-se a côngrua, engrola-se o ripanço,

Arranja-se um sermão aí com quatro tretas,
Vai-se escorropichando o vinho das galhetas,
E a missa seis vinténs e doze os baptizados.
Depois, independente e sem nenhuns cuidados!
Olha, João, vê tu o nosso padre-cura:
É, sem tirar nem pôr, uma cavalgadura,
Vi-o chegar aqui mais roto que os ciganos;
Pois tem feito um casão em meia dúzia d'anos.
Isto é desenganar; padres sabem-na toda...
É o sermão, é a missa, é o enterro, é a boda.
É pinga da melhor, e tudo quanto há!
Quando o abade morrer hás-de vir tu p'ra cá.
                                                                        
Despacha-te o doutor nas cortes; quando não
                                                                        
Votamos contra ele, e foi-se-lhe a eleição.
                                                                        
Mas que é isso, rapaz? Nada de choradeira!
                                                                       
 É tratar da merenda, e quinta ou sexta-feira
                                                                     
  Toca pró seminário. Eu quero ir para a cova
                                                                      
 Só depois de te ouvir cantar a missa nova».

                                                                     
  Respeitosamente
                                                                      
 um vosso criado

                                                                       
Abilio Guerra Junqueiro

Sem comentários:

Enviar um comentário