quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Douro - Dez grandes viagens de carro para o fim do Verão

Penedo Durão/Rio Douro - Freixo de Espada à Cinta - LB, Produções
Dez ideias para viagens de três dias a vadiar por aí, com a janela aberta do carro a ver passar o Portugal.
Setembro é aquele mês que parece o canto do cisne de um tórrido Verão. Nas estâncias balneares e no litoral as esplanadas vão esvaziando e deixa de ser preciso marcar lugar na praia com uma toalha madrugadora.

O foguetório das festas de Verão pelas aldeias já se esfumou, os emigrantes abalaram de regresso ao seu ganha-pão, os festivais de música já são memórias desenhadas na poeira e o regresso às aulas e à lufa-lufa da vida quotidiana parece querer agasalhar um Outono prematuro nas nossas vidas. Setembro é um inglório corolário de um Verão quente. É um mês que cheira sempre a fim de festa. Tudo isso é verdade, mas também é verdade que em Setembro os dias continuam longos e bonitos, a brisa do fim de tarde vai soprando com doçura nos deitares de sol meigos e sensuais. As noites pedem um casaquinho de malha, mas ainda convidam a conversas demoradas e a descortinar as constelações no céu. Em Setembro há uma calma no ar, uma calma boa para
partir à descoberta do nosso país e dos seus encantos de fim de Verão.

Portugal é um pequeno país. Mede 700 quilómetros de altura e 250 quilómetros de largura, mas nele cabe um mundo de aventuras. Desde o montanhoso Norte até às planícies douradas do Sul, passando por cidades cosmopolitas e vibrantes, aldeias perdidas, serras, rios, parques naturais, há cenários para todos os gostos e para todas as bolsas e o melhor desta imensidão é que tudo cabe em distâncias relativamente curtas para fazer em três dias de viagem de automóvel.

Este Setembro faça do fim do Verão uma festa privada e parta em busca das estradas mais cénicas, das aldeias perdidas do interior, das praias mais secretas, do melhor da imensa e variada gastronomia, dos vinhos elegantes e carismáticos, dos castelos, igrejas e todo o imenso e património de um país com 900 anos de histórias para contar.

Não há melhor forma de descobrir um país do que por estrada — e quanto mais secundária, melhor. Aqui ficam dez grandes viagens para fazer de automóvel em Portugal. De braço de fora, cabelos ao vento e com um país a passar na janela do seu carro.

Sozinho, com os amigos ou a família, com a namorada ou o namorado, com o cão ou o periquito. De moto ou de descapotável, de chaço ou de autocaravana. A dormir em parques de campismo, pensões de 20 euros, no carro, ou em hotéis de luxo e acolhedores turismos de habitação. A comer do bom e do melhor ou enlatados de atum com picadinho de cebola. Tanto faz.

O que importa é que se faça à estrada. Tem um país inteiro para descobrir. E o melhor mês do ano para o fazer é este, Setembro, mês das vindimas no país do vinho, em que as paisagens vão ganhando o seu dourado final e em que os dias correm com mais calma para melhor saborear os prazeres da vida. Faça-se à estrada como uma brisa de um fim de tarde de Verão.


1. Douro, faina fluvial
Duração: 3 dias | Distância: 280km
Percurso recomendado: Salto de Castro - Miranda do Douro - Freixo de Espada à Cinta - Barca D’Alva - S. João da Pesqueira - Pinhão - Peso da Régua - Resende - Cinfães - Porto

Setembro é mês de vindimas, quando a estrada ganha cheiro a uva. O Douro e as suas margens vibram com a azáfama da colheita das uvas que irão dar corpo aos vinhos de sabor a sol maduro. É um sol que amadurece e que convida a serpentear pelas belas estradas que beijam o Douro ou sobem as serranias circundantes para o viajante poder desfrutar da vista dos deuses, aquela em que se vê a imensa moldura dos socalcos, abespinhados sobre o rio contado por Torga do alto dos miradouros.
Penedo Durão/Rio Douro - Freixo de Espada à Cinta - LB, Produções

Uma road trip clássica que deve ser feita acompanhando o curso do rio Douro desde que entra em Portugal até que vai desaguar à Foz, no Porto. Pelo caminho temos o Parque Natural do Douro Internacional e os arrepiantes canhões do rio, depois o coração do Douro vinhateiro, ladeado por belas e cénicas estradas desde o Pinhão até ao Peso da Régua. A partir daí, pode ir fazendo de salta pocinhas entre as margens norte e sul do rio até “desaguar” no majestoso cenário da foz do Douro, com o Porto embriagante a brilhar como um postal de promessas visto de Gaia. No fim da estrada e da faina fluvial como no filme de Manoel de Oliveira, o seu cálice de Vinho do Porto, bebido no cais de Gaia, terá o sabor único de uma viagem pela história da bebida que esculpiu toda uma região.

2. Da foz do Guadiana ao alto do Marvão
Duração: 3 dias | Distância: 350 km
Percurso recomendado: Vila Real de Santo António - Castro Marim - Alcoutim - Mértola - Serpa - Moura - Alqueva - Reguengos de Monsaraz - Redondo - Vila Viçosa - Elvas - Campo Maior - Portalegre - Marvão

O Baixo Guadiana é uma zona de fronteira com Espanha. Comecemos de braço dado com o rio a partir de Vila Real de Santo António para admirar a beleza dessa zona de transição do Algarve e do Alentejo, bem patente em terras como Castro Marim ou Alcoutim, que se dividem entre o rio e a serra do Caldeirão, oferecendo aquela única sensação de lugares remotos, que todos os viajantes buscam, misturada com o pitoresco da arquitectura e a riqueza da história, patente nos centros históricos e nos belos castelos.

A partir daí vamos pelo coração do Parque Natural do Guadiana até Mértola, é aqui que o Alentejo nos começa a entrar na pele e no paladar, dando o pulo do lobo para a planície onde o sol de Setembro se deita com sensualidade. É uma jornada digna de road movie, para fazer no rescaldo do Verão, porque uma road trip que se preze também serve para saber suportar a dureza da viagem, desanimar com o calor e depois ter a devida recompensa com um mergulho na barragem do Alqueva ou uma mini fresca numa qualquer aldeia de estrada.

O melhor do Alentejo estende-se por esta rota com aldeias e vilas de beleza extraordinária, como Monsaraz, Elvas, Vila Viçosa ou os píncaros do Marvão, esculpido lá no alto de um penedo de onde se avista mais um Parque Natural que se percorre nesta viagem — o da serra de São Mamede —, uma jóia oculta do Alto Alentejo,  com o brilho do quilate de terras como Castelo de Vide ou do centro de Portalegre e a sua árvore majestosa que dá sombra e namoro a várias gerações de portalegrenses. Uma jornada pela raia do grande Alentejo a dois passos da fronteira com Espanha que promete uma viagem única e inesquecível.

3. Rota da Terra Fria Transmontana
Duração: 3 dias | Distância: 400 km
Percurso recomendado: Bragança - Vimioso - Miranda do Douro - Mogadouro - Vinhais - Parque Natural de Montesinho

A derradeira road trip em Portugal e aquela onde se respira melhor a atmosfera de última fronteira e de descoberta de uma das mais desconhecidas regiões do nosso país.

Tem a vantagem de ser uma rota marcada e promovida por uma associação de municípios transmontanos, que produzem informação de qualidade para descobrir os tesouros e os segredos mais bem guardados daquela região.

Partindo de Bragança pode ir de encontro ao Douro Internacional e ao planalto mirandês, com passagens obrigatórias no Vimioso e em Miranda do Douro, onde se presta culto ao original Menino da Cartolinha e vassalagem a uma bela posta posta mirandesa.

No Mogadouro, inverte a marcha e aponta agulhas para Norte outra vez, até chegar a Vinhais, porta de entrada do Parque Natural de Montesinho. Aqui é a apoteose desta viagem única que pode e deve demorar vários dias para poder ir explorando com vagar cada aldeia, cada estrada e cada encanto que a natureza nos oferece, ora sob a forma de inóspitos planaltos ou de luxuriantes estradas ladeadas por castanheirtos centenários. Terminará a rota em Rio de Onor, a terra metade espanhola e metade portuguesa onde José Saramago, um dia, bebeu um memorável bagaço contado na sua Viagem a Portugal.

É uma viagem até a um certo fim de um mundo português onde Setembro dá as primeiras pinceladas na paisagem que o Outono se encarregará de acabar numa palete de cores douradas.

4. A grande rota do Zêzere
Duração: 3 dias | Distância: 280 km
Percurso recomendado: Manteigas - Valhelhas - Belmonte - Paul - Janeiro de Cima - Cambas - Álvaro - Pedrógão - Dornes - Castelo de Bode - Constância

Mais uma rota que está desenhada e documentada para fazer uma espécie de triatlo — a pé, de bicicleta ou de canoa —, seguindo o curso do rio Zêzere desde a sua nascente, na serra da Estrela, até ir encorpar o Tejo em Constância. Se a sua condição atlética não o permitir, ou se o tempo escassear, a alternativa é ir de carro porque esta é uma das mais interessantes propostas para fazer uma viagem de automóvel em Portugal e descobrir os encantos da região Centro do país.

A jornada começa na nascente do Zêzere, no coração da serra da Estrela para depois seguir o seu curso pela magnífica e maltratada estrada do Vale Glaciar do Zêzere até Manteigas. Mais à frente, em Valhelhas, e se os termómetros de Setembro o permitirem, deve estacionar para um mergulho na grande praia fluvial. Se já estiver frescote, pode abrigar-se no Valéculas, um santuário da gastronomia da serra da Estrela, para depois arrepiar caminho até Belmonte, terra com uma série de interessantes museus e onde a marca da presença judaica é mais forte e perene.

À medida que o caudal do rio vai engrossand,o pode ir visitando aldeias como Janeiro de Cima e Janeiro de Baixo, terras de xisto com simpáticas e acolhedoras praias fluviais. Em Cambas, esculpida sobre uma curva do rio, entramos na sua secção mais selvagem e inacessível. São as chamadas curvas do Zêzere, que se podem vislumbrar do alto da margem norte, com uma das mais belas estradas do país, a que nos leva da Pampilhosa até à barragem do Cabril, ou variar de flanco e ir até Álvaro, aldeia pitoresca erguida sobre um promontório xistoso de onde se pode descer até ao rio mais secreto.

Depois de Pedrógão — Pequeno e Grande — e da sua espectacular barragem, o rio começa a flectir para sul de encontro ao Tejo, é aqui que encontra, a assinalar essa inflexão, uma das mais belas aldeias de Portugal: Dornes. Autêntica jóia do Zêzere, anichada como um barco no cotovelo do rio que depois se alarga na imensa albufeira de Castelo de Bode, onde não faltam praias fluviais, aldeias encantadoras e iguarias para degustar em restaurantes e tascos de boa catadura. Para concluir a jornada com o seu companheiro Zêzere, venha de lá aquele abraço com o Tejo em Constância, bela vila do Ribatejo, onde se diz que Camões nasceu ou viveu.

5. A Transalgarviana
Duração: 3 dias | Distância: 200 km
Percurso recomendado: Aljezur - Monchique - Silves - São Bartolomeu Messines - Alte - Salir - Cachopo - Martinlongo - Alcoutim

Um dos segredos mais bem escondidos e guardados de Portugal — o Algarve interior. É uma das mais belas e remotas regiões do país, que se estende por uma faixa de quase 200 quilómetros entre Aljezur, na Costa Atlântica, e Alcoutim, na fronteira com Espanha desenhada pelo Guadiana. O percurso está marcado para uma caminhada a pé ou de BTT, e recebe o sugestivo nome de Transalgarviana, que deve ser a mais extraordinária forma de completar esta jornada, mas para a qual três dias dificilmente chegam. Por isso, e se for de automóvel, vá ziguezagueando pela luxuriante e fresca serra de Monchique, para, depois da charneca algarvia e das imprescindíveis visitas a Silves e Loulé, se perder na imensa serra do Caldeirão, com as suas estradas ondulantes em dorsos de tartarugas gigantes, que ligam terras perdidas de nomes estranhos como Estragamentens, ou barragens azul-turquesa, como a de Beliche ou de Odeleite. É o território do medronho e da sua aguardente suave e gulosa.

Os cenários, o isolamento e as paisagens são dignos de road movie, e sempre que o calor apertar pode descer até ao mar. O Algarve que provavelmente conhece, o das praias e dos resorts de luxo, está ali a meia hora de distância para um mergulho no mar e uns carapaus alimados ou uma noitada à moda antiga. O melhor de tudo é que é Setembro e o Algarve já é outro.

6. A grande rota do contrabando
Duração: 3 dias | Distância: 180 km
Percurso recomendado:  Malpica do Tejo - Rosmaninhal - Segura - Salvaterra do Extremo - Monsanto - Penamacor - Serra da Malcata - Sabugal - Almeida - Figueira de Castelo Rodrigo - Escarigo - Barca d’Alva

Desta vez a proposta é ligar o Tejo ao Douro pela raia, ou seja, pela fronteira com Espanha. Terras de contrabando e contrabandistas e perdidas nos confins das planícies com os seus belos e altaneiros castelos erguidos em penedios para melhor vigiar as surtidas que de Castela nos vinham acossar.

Deve começar esta jornada pelo remoto Parque Natural do Tejo Internacional a partir de Malpica do Tejo, terra onde Zeca Afonso compôs Maria Faia e onde se podem debulhar uns belos lagostins do rio num restaurante com o mesmo nome da música. Depois, segue-se uma das mais belas estradas de Portugal, do Rosmaninhal a Segura, e daí, colados à fronteira, seguindo pelas Termas de Monfortinho, pelas aldeias históricas de Monsanto e Penha Garcia, para, depois de Penamacor, atravessar a serra da Malcata (terra do lince) até ao Sabugal.

Para os amantes dos castelos e de histórias de templários e escaramuças com os castelhanos, esta é uma viagem indispensável, que nos leva às terras altas da Beira, com aldeias históricas como Castelo Mendo e Castelo Rodrigo, ou a magnífica vila fortificada de Almeida, até ir de encontro ao Douro na pitoresca Barca D’Alva.

Pode também encostar-se ao rio Côa, que o leva lá e pelo caminho lhe oferece o interessante parque de gravuras rupestres de Vila Nova de Foz Côa, ou cumprir o troço entre Pinhel e Figueira de Castelo Rodrigo por uma estrada que os locais chamam “a excomungada” e que oferece algumas das dezenas de quilómetros mais cénicas e mais exigentes do ponto de vista da condução.

Ao longo desta rota da raia as paisagens são inóspitas e agrestes, mas por isso mesmo de uma beleza inspiradora. Três dias chegam, mas não sobram.

7. Da Comporta a Sagres, pela costa dos percebes
Duração: 3 dias | Distância: 200 km
Percurso recomendado: Comporta - Alcácer do Sal - Lagoa de Santo André - Sines - Porto Covo - Vila Nova de Milfontes - Zambujeira - Arrifana - Odeceixe - Aljezur - Carrapateira - Vila do Bispo - Sagres

Uma lista de road trips em Portugal sem mar na janela do carro não seria uma lista de road trips em Portugal. Aliás, o impulso das road trips é um impulso de descoberta e aventura, semelhante ao que o mar convoca ao nosso exíguo povo — exíguo em território, não em tamanho e curiosidade. O ideal é mesmo fazer um Portugal coast to coast, da foz do rio Minho à foz do rio Guadiana, mas para isso precisaria de duas semanas bem corridas.

Por isso, também pode ir dividindo a costa aos bocados. Copiar, por exemplo, a rota das praias do escritor Ramalho Ortigão (da Póvoa de Varzim a Cascais), subir ao Minho e a partir do Porto ir mergulhando nas praias frias em temperatura mas calorosas em atmosfera, como Caminha e Moledo.

Mas Setembro é mesmo o mês ideal para fazer aquela parte da costa que ainda tem maior apelo para uma road trip — a da costa alentejana. Da Comporta a Sagres, passando pelos clássicos das noites de Verão, como lagoa de Santo André e Melides, Porto Covo, Vila Nova de Milfontes, Zambujeira do Mar. O melhor trecho desta viagem é a costa vicentina — entre Odeceixe e Sagres.

A estrada tem aqui momentos de grande beleza cénica que nos leva a praias meio selvagens e espectaculares, a terreolas simpáticas onde se pode comer o melhor dos mariscos da costa portuguesa, os percebes, depois de um bom mergulho no mar. O mítico pôr do sol do cabo de São Vicente, que desde o tempo de Estrabão é venerado como local de culto do fim do mundo, oferece-lhe o cenário ideal para concluir esta viagem que pode fazer em três dias, mas que deve fazer em mais.

8. De Chaves a Castro Laboreiro, pelo imenso Gerês
Duração: 3 dias | Distância: 350 km
Percurso recomendado: Chaves - Boticas - Montalegre - Vieira do Minho - Terras de Bouro - Ponte da Barca - Parque Peneda Gerês - Arcos de Valdevez - Melgaço - Castro Laboreiro

Em Portugal não há apenas um “fim do mundo”, há vários. Mas nenhum tão remoto, misterioso e cénico como este que liga a cidade de Chaves a Castro Laboreiro, atravessando as terras de Barroso e o imenso Parque Natural Peneda-Gerês, que se estende pela faixa norte do país como um autêntico santuário natural.

As estradinhas de serra são um convite à evasão e cada cruzamento um apelo à descoberta das pequenas aldeias espalhadas pela serra, das cascatas de água límpida, dos vales onde os cavalos garranos e as vacas se passeiam calmamente, como num postal dos Alpes.

Nesta excursão pelo Gerês pode sempre fazer breves desvios até às belas vilas e cidades do Minho, com paragem obrigatória em Terras de Bouro, Ponte de Lima, Ponte da Barca e Arcos de Valdevez, para ir ganhando fôlego para as incursões na Peneda-Gerês antes de cumprir a etapa final para beber um Alvarinho em Melgaço e subir à inóspita serra de Castro Laboreiro, no extremo Norte de Portugal. É aqui, território do cão Castro Laboreiro, de onde já se avista Espanha do outro lado do rio Minho, que se pode respirar a mais pura autenticidade do Norte de Portugal, com as suas aldeias de granito, perdidas no meio da serra que nos leva ao imenso planalto de Castro Laboreiro. Uma boa viagem para fazer em Setembro e saborear as brisas de fim de tarde e as noites que já pedem agasalho sob um céu fresco e límpido, onde as estrelas ganham um outro brilho. Uma jornada que pode cumprir em três dias se for pelo percurso marcado no GPS, mas que deve levar mais tempo para quem gosta de vadiar.

9. Da serra da Estrela até ao mar da Figueira
Duração: 3 dias | Distância: 220 km
Percurso recomendado: Guarda - Manteigas - Arganil - Lousã - Penacova - Coimbra - Figueira da Foz

A maior serra portuguesa é só por si um destino de eleição para uma road trip de fim de Verão, com dias frescos e noites amenas. Podemos andar ali a vadiar durante três ou quatro dias, sempre por estradas e caminhos desconhecidos, com paisagens de montanha dignas de western. Mas a serra da Estrela é também um bom ponto de partida para uma viagem que atravesse o grande “centrão” do país, oferecendo uma experiência absolutamente única de viagem por serras e lugares remotos que no mapa parecem “ali tão perto”, mas na verdade são bem longe

Partindo da Guarda até Manteigas, vamos por uma das mais cénicas estradas de Portugal, a do Vale Glaciar de Manteigas, até à Torre da serra da Estrela, o ponto mais alto de Portugal continental. Depois pode descer por Seia ou pela Covilhã, mas a sugestão é que aponte o GPS a Arganil e Góis, para sentir que Portugal é bem maior do que pensa. As estradas são assombrosas e as aldeias de xisto como Piódão ou as que polvilham a serra da Lousã, autênticas jóias da vida rural portuguesa.

Depois da serra da Lousã, pode e deve reencontrar o Mondego em Penacova (se gostar de lampreia, é aqui) para ir de braço dado com o rio até Coimbra e daí até à Figueira da Foz para ver o mar no extenso areal desta cidade portuária que emana a atmosfera de uma estância balnear em fim de época.

10. Tejo, por esse rio acima
Duração: 3 dias | Distância: 240 km
Percurso recomendado: Lisboa - Alcochete - Santarém - Alpiarça - Chamusca - Constância - Abrantes - Gavião - Fratel - Alvega - Belver - Vila Velha de Ródão - Malpica do Tejo - Rosmaninhal

Seguir um rio é sempre um bom pretexto para uma viagem de estrada. E quando se trata de seguir o rio Tejo, o maior rio ibérico, a viagem é garantidamente histórica e repleta de motivos de interesse. É uma jornada que se pode fazer em dois dias, mas, como todas as outras, pode e deve demorar mais tempo, se for parando e se aventurar nalguns desvios.

Desde Lisboa, onde o rio se torna mar, inicie a viagem pela margem sul até à região do médio Tejo, visitando as aldeias avieiras de que falava Alves Redol, que se espraiam nas duas margens. Subir a Santarém para admirar o imenso vale ou os seus monumentos góticos é imprescindível paragem.

A partir de Constância, onde o Zêzere e o Tejo se encontram, pode ir ziguezagueando entre a margem norte e sul e visitar terras como Abrantes, Belver, Alvega ou Vila Velha de Ródão, com a sua extraordinária garganta, as Portas de Ródão, guardada pela Torre do Castelo do mítico Rei Wamba. Um bom punhado de quilómetros mais à frente entra no território do Parque Natural do Tejo Internacional e a viagem torna-se ainda mais interessante.

É uma região remota e desabitada onde o rio apenas se pressente na paisagem e na vida pacata de aldeias como Perais, Malpica do Tejo ou Rosmaninhal. Depois, ou diz adiós ao Tejo, ou continua a segui-lo por Espanha, onde corre mais 700 quilómetros até à sua nascente, na serra de Albarracín.

_____________________________________________

Rui Pelejão é um dos co-autores do blogue Grande Turismo e do livro Volta a Portugal em 80 dias, obra que o levou a percorrer estradas nacionais e secundárias de Portugal durante 80 dias (uma viagem também resumida semanalmente na Fugas)

Fonte: http://fugas.publico.pt/Viagens/364567_dez-grandes-viagens-de-carro-para-o-fim-do-verao?pagina=-1#

Sem comentários:

Enviar um comentário