segunda-feira, 12 de setembro de 2016



A António Monteiro Cardoso


A Rua das Flores em Freixo de Espada à Cinta parece estreita para tanto conhecimento que dali partiu para o mundo. (Talvez o nome não tenha sido escolhido ao acaso). Não falamos de Guerra Junqueiro mas de António Monteiro Cardoso. É aqui, na casa onde nasceu que se inicia a homenagem ao profissional sublime e ao homem que tanto gostava dos regressos à sua terra.

A Presidente da Câmara, Maria do Céu Quintas, abre a sessão aos familiares, amigos e conterrâneos do autor referindo que “esta é a homenagem a um homem que soube com o labor da sua escrita e a sua bondade humanista, difundir a história e a cultura desta nossa pátria da Pátria”. No final deste ato, num gesto como que a imortalizar a vida e a obra, uma flor sobre “aqui nasceu a 8 de setembro, António Monteiro Cardoso”,  em nome de um “até sempre”.  

A evocação a “Toné” como carinhosamente o tratavam os mais chegados prossegue, talvez com a maior das homenagens que lhe podiam ser dedicadas: a atribuição do nome “Biblioteca Municipal A. Monteiro Cardoso”, à Biblioteca de Freixo. A inauguração com o novo nome é feita pelas  mãos dos netos que pela primeira vez não sopraram as velas ao avô mas que ainda assim, pelos risos tímidos, estão muito felizes.

A cerimónia prossegue com a visualização de um painel alusivo ao romance “As Boas Fadas que te Fadem”, colocado na Rua da Fonte Seca, e terminou no Convento de São Filipe de Néri para a apresentação de um livro que reuniu textos do autor. Joana Gomes Cardoso, filha do autor, dirigiu as palavras iniciais agradecendo o gesto ao executivo autárquico e referindo que “toda a homenagem acabou por tornar o dia do aniversário do pai, que todos os anos era passado em Freixo, um pouco mais fácil”.

Para apresentar o livro, “O Oratório de  S. Filipe Néri em Trás-os-Montes: A Congregação de Nossa Senhora Do Vilar de Freixo de Espada à Cinta” e “Os Guerras de Freixo de Espada à Cinta: Aventuras de uma família no tempo das lutas liberais”, tomou da palavra o Vice Presidente, Artur Parra, referindo em primeiro lugar “que Freixo irá sempre recordar António Monteiro Cardoso de sorriso aberto e carinhoso”. Depois da reedição do romance “As Boas Fadas que te Fadem” apresentado no passado dia 20 de fevereiro em Freixo de Espada à Cinta, o Vice Presidente  sublinhou ainda que muito se orgulha em ver este livro fazer parte do plano nacional de leitura do ensino secundário e formação de adultos.

Para Freixo de Espada à Cinta António Monteiro Cardoso é antes de tudo, um filho da terra, “nasceu cá na nossa vila” dirão os demais quando lhe perguntarem sobre ele, e talvez aqui esteja a maior das homenagens.

(Parabéns, onde quer que esteja, certamente de sorriso aberto e carinhoso)

Joana Vargas







Sem comentários:

Enviar um comentário