sexta-feira, 5 de junho de 2015

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (05/06)


05.06.1721 – Deliberação da câmara municipal de Moncorvo mandando “que o serralheiro Bento de Barros fosse notificado para que não fizesse garrochas de sarranhóis de maior comprimento que o da bitola que se lhe mandou, por ter mostrado a experiência que pela grandeza em que faz os ferrões não escapa nenhum touro, com grande prejuízo dos rendeiros e não os haver bons para a festa do dia do Corpo de Cristo (…) com pena de 6000 réis”.
05.06.1802 – Notícia de uma festa em Moncorvo:
- (…) De tarde se correram touros e à noite se fez na casa do Corregedor uma Academia Literária em que se recitaram vários papéis em prosa e verso (…) concluída a Academia se encheu o resto da noite com cânticos e contradanças em que entraram as senhoras principais, acabando o festejo pela madrugada”.
05.06.1806 – Desavença pública entre os membros da câmara e o Reitor da igreja matriz, por causa do percurso a seguir pela procissão do Corpo de Deus. A câmara queria que seguisse pela Rua do Quebra Costas, descendo pela rua do Cano e depois em volta da Praça e recolhendo à igreja, por serem as mais povoadas e mais limpas. O Reitor queria que seguisse da Praça pela Rua dos Sapateiros, pela da Misericórdia e só depois recolher à igreja. Os camaristas contestavam por a Rua dos Sapateiros “estar actualmente despovoada, ser incómoda e indecente desta augusta função por estar próximo dela o Matadouro da vila”
05.06.1913 – Carta do administrador de Moncorvo (dr. Manuel Guerra) para o gov. civil de Bragança enviando “auto de averiguações sobre a atitude tomada pelo regedor de Carviçais numa questão levantada entre a Junta de Paróquia e um tal José Maria Assoreira Mogo por causa de sobejos de água da Fonte do Seixo, daquela freguesia, pois constou-me que aquela autoridade fora parcial em tal questão, dizendo-se que ameaçara o referido Mogo com prisão se tentasse apoderar-se dos sobejos das águas. Pela inquirição vê-se que o regedor tem por si elementos que o defendem e os que lhe são desafectos não provam suficientemente as acusações que dele me fizeram. Assim e porque deste caso podem surgir questões políticas que prejudiquem o partido democrático, questões que eu prevejo; e porque não desejo tomar sobre mim a responsabilidade das suas consequências com a solução que eu pudesse dar-lhe finalmente, rogo a Vª Exª se digne ordenar o que julgar por conveniente, demitindo ou não o regedor, ou orientando a questão pela forma que melhor convenha.
05.06.1931 – Uma esquadrilha de 7 aviões aterra no aeródromo de Mirandela. Três regressaram a Lisboa no comboio, tendo ficado danificados na aterragem, pelas más condições da pista, segundo os pilotos.
António Júlio Andrade

5 comentários:

  1. Corrida de touros,literatura,música e dança - os moncorvenses do princípio do séc. XIX sabiam divertir-se e cultivar-se.Felizmente que a tradição não morreu,e Moncorvo, neste início do séc.XXI,não tem descurado as Letras (tantas obras publicadas de autores da nossa terra!) nem as Artes.É festa sempre que o Alma de Ferro representa uma peça de teatro,quando há exposições na Biblioteca, no Centro de Memória ou no Museu do Ferro,quando o Coro dá espectáculos,quando se fazem palestras sobre os mais diversos temas,quando toda a população colabora na reconstituição de uma feira medieval,etc.,etc.,etc.A Cultura está viva em Moncorvo!

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  2. Corridas de touros em Moncorvo!
    E as "garrochas de sarranhóis" ? Garrochas, sei o que são. Mas sarranhóis, é a 1ª vez que vejo tal palavra. Quem sabe dizer-me o que significa? Não vem nem no grande Morais, nem no Houaiss, nem no Dicionário de Transmontanismos , nem ... em vários outros dicionários que por aqui tenho.

    Abraços
    Júlia

    ResponderEliminar
  3. Amiga Júlia.
    Depreendo que sejam as partes metálicas que metiam na ponta das farpas para espetar os touros, pois que eram objectos que a câmara mandava fazer aos ferreiros. J. Andrade

    ResponderEliminar
  4. Tantas coisas que eu vou aprendendo!
    E desta feita, a novidade da informação, sempre muito interessante, reveste-se de algo cómico: o vocabulário, tão transmontano: eu também vou informar-me sobre as garrochas e os sarranhóis; não tem piada, dizer isto? articular estes sons?
    Edepois não imaginava que havia corrida de touros em Moncorvo, aviões em Mirandela...!questiúnculas por terra e água, ainda hoje são comuns; menos que antigamente, tavez
    A.Andrés

    ResponderEliminar
  5. António Espírito Santo: Delicioso

    ResponderEliminar