terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Património Imaterial de Trás-os-Montes

Fotografia cedida pela Dona Aurélia Sendas.(Carcanha)

Reedição de posts desde o início do blogue


4 comentários:

  1. José Rodrigues Dias:
    Lembro-me perfeitamente da "malhadeira" e daquela "moinha" que fazia vermelhos os olhos, seca a boca, pegajosa a roupa...

    ResponderEliminar
  2. Joaquim Silva :
    este era um trabalho muito complicado de fazer e quando estava um pouco de vento , então mais dificil se tornava :
    quem ficava atrás a recolher a moínha era ainda mais complicado , as arganas da moínha metiam-se em todo o lado e a garganta era a parte mais complicada mesmo com os lenços a tapar a boca

    ResponderEliminar
  3. Apesar do trabalho duro, do calor sufocante, da moinha e da poeira, persistem saudades. (Como diz o Amadeu: "era-se jovem e estava toda a gente viva").

    Abraço
    Júlia

    ResponderEliminar
  4. Apesar de ter crescido no Minho tambem fui vítima da " muinha" uma vez que tinha-mos de arremessarcom as espigas do cereal ( trigo ou centeio) previamente atados em molhos, numa banca de madeira. Este dificil exercício tinha que ser feito em tempo muito quente.Máquinas ainda as não havia. Quanto ao milho tinha que ser a malho, e bota para baclho! Mais tarde, por volta dos 30 anos começou a ver com a " coisa" era em em T. os Montes! Só mais tarde é que vieram as máquinas !

    ResponderEliminar