terça-feira, 10 de janeiro de 2017

TORRE DE MONCORVO - MONCORVO HOUSE

Cristóvão Pedro Morais Sarmento, 1º Visconde de Torre de Moncorvo, Ministro de Portugal em Londres teve um filha Maria Carlota Perpétua Morais Sarmento, a qual casou com Albert George Sandeman (Governor do Banco da Inglaterra), membro da família Sandeman, ligada aos Vinhos do Porto, Xerez e Madeira. Por volta de 1878, ...Albert George Sandeman mandou construir uma casa em Londres, chamada “Moncorvo House” em honra da família de sua esposa. Em 1964, a casa foi destruida para construir un novo bairro de casas (Kingston House Estate) mas o nome foi perpétuado numa rua do bairro: Moncorvo Close.
Texto e foto enviados pela Carina Teixeira
Publicado em Novembro de 2010

8 comentários:

  1. É um facto que a realidade ultrapassa sempre a ficção.
    Quem iria sonhar com uma rua em Londres com este nome espantoso "Moncorvo Close" !! Designação que ainda evoca um recinto fechado com gradeamento de jardim, de edifício, de catedral ...
    Temos de nos render à evidência: Moncorvo está em mais lugares do que imaginávamos...
    E a Olema divertida ! Não era caso para menos.

    Abração
    Júlia

    ResponderEliminar
  2. Leonel. Já agora podia meter uma foto (se tiver) da casa da Quinta Judit, em Moncorvo, que terá sido a casa da família de Cristóvão de Morais Sarmento. Aliás, terá sido arrematada em hasta pública no decurso da revolução liberal quando se extinguiram os conventos. Sim: ali foi durante muitos anos uma espécie de convento (recolhimento era o termo) de senhoras da nobreza que, por razões de preservação dos morgadios e acumulação de riqueza, ficavam para tias. J. Andrade

    ResponderEliminar
  3. O recolhimento de Moncorvo foi criado por legado testamentário no século XVI. Os recolhimentos, distintos de conventos, não se destinavam só a mulheres nobres. Proliferaram no século XVII e tinham, como principal objectivo, preservar a honra feminina. O recolhimento de Moncorvo foi tema de uma conferência apresentada na universidade de Leiden e objecto de estudo a publicar em breve. Funcionou, de facto, na actual Quinta Judite.

    ResponderEliminar
  4. Bertinha Fernandes :
    Obrigada Lelo Brito por partilhar o orgulho que sentimos de Moncorvo para alem do nosso coração. Inimaginavel ! Parabens pela pesquisa que tanto nos engrandece. Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Gracinda Ramos :
    A emoção que senti quando visitei a rua de Moncorvo em Londres não tive palavras ficamos tao orgulhosos da nossa Terra eu e minha família parabéns Sr.Lelo

    ResponderEliminar
  6. Julio Remondes:
    Sem sombra de dúvidas, um motivo de orgulho para todos aqueles que nasceram em Moncorvo ou que pelas mais diversas razões amam esta terra. Para mim, uma coisa inimaginável. Parabéns por esta maravilhosa partilha.

    ResponderEliminar