sexta-feira, 17 de julho de 2015

"Quero dizer-te, amor" de José Braga-Amaral,por Hercília Agarez


O amor não se conjuga no passado, ou se ama sempre ou nunca se amou.
                                                                                                                  Fernando Pessoa
    Um livro de poemas (não confundir com versos) só deveria ser apresentado por quem lhes deu vida, por quem os sente como pertença sua, por quem os deixou voar, partindo do aconchego da alma para o infinito, para o incógnito, para a admiração ou para a rejeição.
    Quem somos nós, leitores de poesia, para interpretar os sentidos implícitos, os meandros e as entrelinhas de um texto poético pelo que ele encerra de enigmático, de plurissignificativo, de ambíguo? Mais insinuações do que afirmações, verdades vividas, expressão de sonhos e de ideais, palavras translúcidas porque, muitas vezes, veladas por um "manto diáfano" de fantasia e onirismo.
    Percorrendo  aquilo a que podemos chamar a poesia da modernidade actual (passe a redundância), deparamo-nos, não poucas vezes, com um hermetismo à la page, garante de recensões em páginas da imprensa cultural. A orgânica intrincada e enrodilhada de certos textos ininteligíveis em vez de dar prazer estético a quem os lê, cria-lhe complexos de  estupidez...Ora, os poetas têm uma missão a cumprir, eles, os privilegiados de entre o comum dos mortais. Francisco José Viegas chama a atenção para isso: "A poesia não tem a ver com a literatura. Releva do domínio do sagrado indizível". E Miguel Torga proclama: "Os poetas são como os faróis: dão chicotadas de luz na escuridão".
     Credenciada com uma experiência longa na leccionação da disciplina de Literatura e como leitora apaixonada de muitos dos nossos poetas de todos os tempos, sinto-me à vontade para afirmar que José Braga-Amaral, sendo moderno, é legível, embora não seja linear nem transparente a sua expressão poética. Aliás, na minha opinião, a poesia é para ser lida e relida, saboreada como o mais requintado manjar, sem obediência a imposições de Cronos. Exige momentos solitários, propícios à concentração e à meditação. É uma mística, uma transcendência, uma espiritualidade.

    Dissecar um livro deste tipo só se justificaria em ambiente escolar em que professores bem intencionados andam à pesca de aspectos formais, à cata de metáforas e sinestesias, de paradoxos e antíteses. Não estragaram os Lusíadas dos da minha geração ao fazerem-nos, de lápis em punho, qual lança de combate, perseguir ferozmente complementos para todos os gostos (ou desgostos...) esgueirados sonsamente pelas oitavas camonianas?
  Só se dissecam cadáveres e este livro respira saúde por todos os poros. Se saúde e dor não  são termos antagónicos. Incentivando a vida, é um hino a essa vida. Torga escreveu no Diário "A vida é um absurdo maravilhoso e a morte um escândalo sem remissão". Por muito que ela nos roube, por muitas rasteiras que nos tenha passado, restam ainda muitos motivos para amá-la. Porque nos dá o dom de amar e a capacidade de sofrer ausências,  o alvorecer  de um novo dia prenhe de promessas, os prazeres sensoriais prodigalizados pela natureza. Da imensidão do mar ao sibilar do vento, do sabor a framboesa ao cheiro a jasmim, do voo pesado das gaivotas, à leveza das garças, da majestade dos plátanos ao rubro efémero das papoilas.
    Serve este intróito de justificação para o meu embaraço. Sugeri ao José Braga-Amaral, que arriscou em mim a apresentação desta sua nova produção poética, que estava tentada a fazer algo diferente. Ele confiou, eu vou arriscar. Em que sarilhos se irá meter, interrogar-se-ão? Vou, tão só, tentar "traduzir" para prosa o texto do poeta, tentando respeitar as suas emoções, vivências e angústias ligadas a esse sentimento sublime e paradoxal que é o "amor que arde sem se ver". Um amor polissémico, porque se ama carnal ou platonicamente uma mulher, como se ama um irmão, um amigo, um botão de rosa, as conchas do mar, a luz da lua. A vida.
Ora aí vai o que me apeteceu escrever para hoje:

    Quero dizer-te, amor, aqui e agora, pela enésima vez, com a mesma segurança e pureza de alma, a mesma segurança na voz, o mesmo alvoroço no peito. Uso as palavras porque quero partilhar com os outros, os cépticos, os insensíveis, o meu mundo interior. De contrário bastariam os meus olhos nos teus olhos, a minha boca na tua boca, a minha mão na tua mão, a minha pele na tua pele.
    Quero dizer-te, amor, sussurrando-te com a minha boca colada ao teu ouvido, com essa boca que "não tem sentido senão quando te absorve". Quero dizer-te do "peso da tua ausência", falar-te dos sonhos que estão por sonhar, assegurar-te que ainda "saboreio o teu sorriso de quartzo hialino". Quero lembrar-te que te falam por mim o céu e o mar, a lua e as estrelas, o dia e a noite. Entre nós, sabe-lo bem, não há tempo nem distância. Richard Bach escreve longe, em vez de tempo. Também é verdade. Não há tempo (nem longe) porque vives em mim, vives na memória dos dias ao recordar "o sabor do teu sexo", "os sorrisos  teu corpo de cetim".
    "Ainda não é tarde, meu amor", é apenas urgente: É urgente o amor / é urgente  permanecer", ensinou-nos o "meu"Eugénio de Andrade.
     Estou sequioso da água dos teus olhos, seja ela doce ou salgada.
    Quero dizer-te, amor, no mais calado dos cantos íntimos como no mais estridente dos ruídos, porque "não há palavras para dizer o amor". Confesso-te um dos meus pedidos: "...peço ao sol que me leve ao fim do teu olhar, e aos pássaros que me tragam o teu aroma". E acredita: aguardo pacientemente "o cheiro do teu sorriso", "candeia que ilumina os passos do chão por onde passeia o amor".
    Por ti me fiz místico e dou comigo, na ausência de ti, a "repetir em surdina a oração do nosso amor". Sinto que vens até mim na "maresia do sul" trazida pela manhã.
    A noite propicia a concentração, o estado de vigília. É-nos mais eloquente o negro do "céu cinzento", mais poéticas as luzes da aldeia, quais "estrelas cintilantes e turvas". Noite. Mistério. Fantasia de "duendes caindo como penas descendo do dossel / onde tudo acontece".
    Os teus olhos, amor (quantas vezes to disse?) "são de água cor de terra, / sublinhados pelo aroma do incenso". Os teus olhos não podem ter, como os meus, "lágrimas salgadas". Porque são, na terra, "o outro olhar de Deus".
    Não estranhes que te divinize. Se és o meu "anjo da guarda, tens um estatuto que transcende o humano.  Nasceste para ser adorada, eu para te adorar. Se faço a Deus uma "oração pessoal e intransmissível" em que lhe peço por mim, "pecador", em que lhe imploro a ajuda para "respeitar o mundo que me rodeia", o que Dele mais espero está contido no último verso, como que a culminar o que mais desejo da vida: "ajuda-me, Senhor, a ter o direito de amar".
    Quero perguntar-te, amor, por que "ficas sempre encostada à entrada do meu mundo". Esse mundo é um ninho. Fofo, aconchegado, onde sempre terás lugar, onde sempre  espero "pelo calor da tua pele com aromas a jasmim".
    Quero dizer-te, amor, que quando penso em ti, no teu corpo, nos teus lábios, nas tuas mãos (para mim sem sentido sem as minhas), nos teus pés, roubo à natureza o que ela tem de mais belo: "As dez borboletas exactas são os dedos dos teus pés".
    Deixa-me dizer-te, amor, que o teu sorriso é benfazejo. Todos os sorrisos aquecem almas, iluminam cegueiras, emprestam esperanças. "Porque é único o teu sorriso de cristal", parecido com o que Jesus espalhou na terra, porque ele é "de alegria / que apaga espíritos vacilantes", peço-te: Sorri, sorri a toda a hora, / não pares mais de sorrir a toda a gente". Não te esqueças que, para mim, o "teu sorriso incandescente / é o pão e a água, a noite e o dia, o açúcar e o sal", ou seja, a vida.
    Quero dizer-te, amor, que as palavras que aqui te deixo são desordenadas, descontínuas e desconexas, atabalhoadas. Porque nasceram do cáos da emoção, não existem para elas freios, regras, lógica. São tão espontâneas como sinceras. Em todo o caso, nem sei se por acaso, guardei para o fim as mais belas frases: rezar-te, ajoelhado "no altar de cada dia", a ti que és "amante e mãe", qual Pietá a embalar-me como seu menino.
    Quero dizer-te amor, que és a minha mulher poesia.

Hercília Agarez

Vila Real, 1 de Julho de 2015
   


2 comentários:

  1. Esta senhora escreve muito bem.
    António Carvalho

    ResponderEliminar
  2. O livro está à venda? Onde?Por que o s senhores do blog não fazem uma livraria online? Comprava já este livro e o das mulheres transmontanas.

    ResponderEliminar