quarta-feira, 30 de maio de 2012

Miranda - toques de sinos

Nota: Para abrir a página(ampliar as fotos), clique no lado direito do rato ;abrem as instruções, e depois clique em abrir hiperligação.

3 comentários:

  1. Mário António Pires Correia (Praia da Granja, 26 de Márcio de 1952), ye un eitnomusicólogo pertués, que fundou an Sendin l Centro de Música Tradecional Sonidos de la Tierra. Faç amportantes recuolhas de música tradecional na Tierra de Miranda, que ne ls redadeiros anhos ténen sido eiditadas pula “Sonidos de la Tierra”.

    Mário Correia lhicenciou-se an Eiquenomie i al mesmo tiempo dedicou-se al studo i dibulgaçon de las músicas tradecionales. Zde 1970 colaborou na rebista de música popular "MC - Mundo da Canção", eiditada ne l Porto, i fui sou diretor de 1976 a 1998. Rializou ls porgramas de rádio “Cantares de Amigo” i “Eurofonias”, até 1997, i depuis fui un de ls fundadores de la "Mirandum FM", rádio lhocal de l cunceilho de Miranda de l Douro. Antre 1971 i 1998 fui l respunsable pula porgramaçon de l Festibal Antercéltico de l Porto i an 2000 criou l Festibal Antercéltico de Sendin de que ye l mentor i ourganizador.

    Colaborou cula eiquipa de la série de telbison “Povo que Canta” na rializaçon de dous filmes dedicados a Trás ls Montes i ten colaborado cun bárias perdutoras de telbison nacionales i strangeiras na rializaçon de filmes decumentales subre las tradiçones musicales populares pertuesas nas árias de la raia cun Castielha i Lhion, percipalmente na Tierra de Miranda.

    An 1998 criou, l'eiditora i perdutora musical “Sonidos de la Tierra”, que faç recuolhas musicales de la tradiçon oural pertuesa i yá eiditou mais de 50 discos i bários lhibros, ourganiza cuncertos i festibales, i eidita la rebista de dibulgaçon de la música i de las tradiçones populares "Trad&Folk". An Setembre de 2001, fundou l Centro de Musica Tradecional Sonidos de la Tierra.
    http://mwl.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Correia

    ResponderEliminar
  2. O etnomusicólogo, Mário Correia, no Ciclo Cultural da UTAD
    Mário Correia fundador do Centro de Música Tradicional “Sons da Terra”, em Sendim e da editora e produtora musical com o mesmo nome – é, de igual modo, o mentor e organizador do “Festival Intercéltico de Sendim”, que terá a 10.ª edição no próximo início de Agosto.

    É um etnomusicólogo herdeiro do corso Michel Giacometti, pois ouve como ninguém os “ritmos e as melodias ancestrais” das gentes nordestinas. Recolhe, há vários anos, os “tesouros musicais” da Terra de Miranda, registando e dando a conhecer a tradição musical oral que, sem o seu labor e empenho, se arriscava a desaparecer. Graças à sua investigação, uma parte significativa da musicologia transmontana está preservada, registada em suporte fiável e a ser divulgada.

    O Centro Sons da Terra guarda um acervo apreciável de música autóctone e tradicional, sendo igualmente um centro de investigação e estudo aberto a todos aqueles que se interessam pela música tradicional.

    Mário Correia estará no Ciclo Cultural da UTAD no Departamento de Letras, Artes e Comunicação, no Complexo Pedagógico, no próximo dia 31 de Março, pelas 14h e 15m, para proferir uma conferência sobre “Música Tradicional” e para inaugurar uma Exposição Fotográfica do Centro Sons da Terra sobre os “Gaiteiros da Terra de Miranda”, pelas 16h e 30m. Todos estão convidados a ouvir o etnomusicólogo, Mário Correia, e a conhecer os sons da Terra nordestina.

    Olinda Santana
    http://cicloculturalutad.blogspot.pt/2009/03/o-etnomusicologo-mario-correia-no-ciclo.html

    ResponderEliminar
  3. a primeira edição discográfica do género em Portugal "Toques de Sinos na Terra de Miranda" compila registos sonoros reais de uma dezena de aldeias da região do planalto mirandês. O álbum vai ser colocado no mercado através de uma edição do Centro de Música Tradicional Sons da Terra, de Sendim, em Miranda do Douro.

    Apesar da existência de alguns registos esporádicos de toques de sinos, o disco representa um trabalho pioneiro de estudo, análise e recolha. Segundo Mário Correia, director do Centro e autor da obra, a recolha preserva sons característicos de aldeias que estão a desaparecer - em muitos dos casos, a evolução tecnológica está a aniquilar um património tradicional, uma vez que os sinos estão a ser substituídos por mecanismos eléctricos. Para Mário Correia, este trabalho representa também uma homenagem aos velhos tocadores de sinos das aldeias do planalto mirandês.

    Por outro lado, o CD é ao mesmo tempo o retrato sonoro da paisagem. "Parafraseando Michael S. Rose, "uma igreja não deve ser apenas vista, mas também ouvida". Na opinião do especialista, os visitantes dos templos, muitas das vezes, apenas contemplam o seu estilo arquitectónico ou o seu espólio, mas uma igreja é muito mais do que isso - é também o seu património sonoro, salienta o autor.

    Os sinos e as campainhas acompanham o homem desde tempos imemoriais, assumindo várias e distintas funções, mas sempre estando presentes nos momentos mais importantes da vida colectiva. Para lá se se destinarem a produzir determinados sons, com usos específicos e funções, trata-se de um instrumento de todo indissociável dos ciclos vitais do Homem, não raras vezes assumindo as funções de rituais e usos mágicos. E da paisagem sonora já desapareceram muitos dos sons determinados pelas actividades agrícolas, fazendo-se cada vez mais ouvir os ruídos de algum desenvolvimento. Francisco Pinto
    http://www.jn.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=536589

    ResponderEliminar