quarta-feira, 2 de setembro de 2015

"Auto da Criação ou Princípio do Mundo" - URRÓS,Mogadouro

Com a presença de centenas de espectadores ,na maioria transmontanos, realizou-se, no passado dia 14,na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, a representação do Auto da Criação ou Princípio do Mundo por 43 actores amadores da aldeia de Urrós,concelho de Mogadouro, os quais, durante todo o espectáculo, mereceram da numerosa assistência frequentes e entusiásticos aplausos. Esta notável representação, graças ao empenho da Câmara Municipal de Mogadouro, da Reitoria da Universidade de Lisboa, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL),do Centro de Tradições Populares Manuel Viegas Guerreiro (CTPP – FLUL), do Centro de Estudos de Teatro da mesma Faculdade e da Casa de Trás-os-Montes em Lisboa, marcou, deste modo, a continuidade do projecto de recuperação do Património Oral Transmontano, de que o Mestre David Luís Casimiro / (CTPP e doutorando da FLUL) é o principal obreiro.Segundo David Casimiro, “…através do registo da memória de diversos participantes que, em tempos, desempenharam algum papel na representação do “Auto da Criação do Mundo ou Princípio do Mundo”, … partindo das representações de 1924,1935 e 1949 em Urrós …”,”
... reconhecendo o valor plural existente no teatro popular …”e após a representação de Agosto de 2011 em Urrós, foi agora possível dar a conhecer na capital algo que muitos já pensavam irrecuperável.

Todos estão de parabéns : as várias entidades que apoiaram a iniciativa,a dedicação do dr.David Casimiro e, sobretudo, os empenhados actores amadores, que encantaram com a sua naturalidade e prodigiosa memória. E, claro, todos os que tivemos o privilégio de assistir a esta espantosa representação.

O editor.

Reedição de posts desde o início do blogue

4 comentários:

  1. Só preservando o património imaterial podemos dizer de onde viemos. Tal como na árvore, também aqui os ramos necessitam da raiz para se alimentarem.
    É esta raiz identitária que ainda vai marcando a matriz de uma região e os valores que a guiaram, na construção da pessoa humana, que sempre foram...
    Todos os contributos são poucos para que Trás os Montes valorize as suas gentes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente com o comentário de: « omeumacaquinho » !

      Eliminar
  2. Como "aperitivo",antes da grande representação,o grupo dos Pauliteiros de Miranda brindou, com as suas danças,o público presente no átrio da Aula Magna da Reitoria.Foram apreciados e calorosamente aplaudidos por todos.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  3. O livro é muito bom mas é uma merd@

    ResponderEliminar