quinta-feira, 24 de setembro de 2015

ARQUIVO NACIONAL - MONCORVO

Documento enviado  por Conceição Silva
Artigo publicado no "Arquivo Nacional", Ano IV - nº 178, do dia 5 de Junho de 1935.

Nota: Para abrir a página(ampliar a foto), clique no lado direito do rato ;abrem as instruções, e depois clique em abrir hiperligação

Reedição de posts desde o início do blogue

3 comentários:

  1. Se a fotografia é contemporânea do artigo então os Santos que faltam agora na Torre ainda estavam lá nesse ano.
    Aos poucos havemos de conseguir saber o ano em que desapareceram.
    F.Garcia

    ResponderEliminar
  2. Há estatuas e cruzeiros que desapareceram;um mictório no largo a entrada é diferente ,há arvores plantadas...O foral é de D.Afonso Henriques!!??.É fácil escrever,inventar,lançar dados novos sem qualquer suporte histórico e pronto.Acreditar nos doutores e fé em deus.Que arquivo é este? O Nacional?Assim se faz a história.Bem fez a Dona Conceição Silva em publicar este artigo.
    Leitor

    ResponderEliminar
  3. Torre de Moncorvo teria nascido de uma remota Vila da Alta Idade Média, que em antigos documentos vem designada Vila Velha de Santa Cruz da Vilariça, situada no topo da margem direita do Rio Sabor e nas proximidades do núcleo de vida pré-histórica do Baldoeiro.
    Segundo a tradição, os habitantes desta povoação, devido à insalubridade do local muito sujeito às emanações palustres e, talvez, também, em consequência dos estragos sofridos com as Razias Mouriscas tão frequentes na época abandonaram-na deslocando-se para o ponto mais arejado no sopé da Serra do Roboredo. De qualquer maneira, a ter-se dado o abandono da Vila de Santa Cruz da Vilariça, este ter-se-ia processado nos fins do séc. XIII. No principio desse século existia ainda a Vila de Santa Cruz da Vilariça e dava sinais de relativa vitalidade, pois recebeu de D. Sancho II, em 1225, uma carta foral que lhe concedia importantes isenções e regalias fiscais e penais.
    Quanto à origem do topónimo de Torre de Moncorvo, segundo as Memórias Paroquiais de 1978, " hé tradição que se mudava da Villa de Santa Cruz pela multidão de formigas, que não só faziam dano considerável em todos os viveres, mas aos mesmos viventes lhe cauzavão notável opressão, e resolvendo-se a evitar estes incomodos forão para o pé do Monte Reboredo aonde havia uns cazaes de que era senhor um homem chamado Mendo, o qual dizem que na sua casa tinha uma torre e domesticando nela um corvo. Crescendo depois a povoação e tendo o foral de Villa lhe chamarão de Villa de Mendo do Corvo, que com fácil corrupção se continuou a chamar a Villa de Moncorvo".
    Seja como for, o certo é que só a partir do tempo de D. Dinis, no pensar do erudito padre Francisco Manuel Alves, Moncorvo adquire "o seu incremento". Este Rei concede-lhe foral em 12 de Abril de 1285 passando então o concelho a ter nova sede e nova designação que seria o Concelho de TORRE DE MONCORVO.
    Em 1372 D. Fernando considera Moncorvo como uma vila das melhores de "Tralus Montes" e atendendo à valentia dos seus moradores, demonstrada nas guerras com os castelhanos, dá-lhe como termo as vilas de Vilarinho da Castanheira e a de Mós.
    D. Manuel I, a 4 de Maio de 1512, concede a Moncorvo novo foral depois de visto o foral da dita vila dado por el-rei D. Dinis. Entretanto ao mesmo tempo do foral começa a erguer-se o padrão manuelino da Igreja Matriz, já extra-muros, dominadora e acolhedora e o casario acantoa-se à sua volta.
    Segundo Duarte Nunes de Leão em 1609, Torre de Moncorvo era uma das grandes correições em que se dividia judicialmente o País. Estava a par de correições tais como Miranda, Vila Real e Coimbra de grande extensão e relevo.
    © 2009 - 2012 Município de Torre de Moncorvo
    http://lelodemoncorvo.blogspot.com/2012/02/arquivo-nacional-moncorvo.html?showComment=1329156492731#c2821602428190368979

    ResponderEliminar