terça-feira, 22 de setembro de 2015

“A RAPARIGA QUE FICOU” ,por Irene Garcia Massa

A Amélia, no dizer da minha mãe, não havia nem poeta nem pintor que tivessem imaginação e talento para descrever tanta beleza e encanto…Casaram-na ainda menina, por via dos devaneios e das paixões que suscitava aos rapazes da aldeia…Gostava de andar descalça, lavar a roupa na ribeira, de rir, cantar e dançar como as demais raparigas.
A autora
Constou-se que um jovem lhe encheu o sorriso e o sonho, mas sina ou a má sorte roubaram-lhe essa ilusão… Era rico e poderoso o seu marido …Vestiu-a da mais fina seda, calçou-a com sapatos de marfim...No palácio que habitava, comia com talheres de prata que mal sabia manejar… De tanto a querer e amar, até uma poltrona que diziam ser em oiro o esposo lhe comprou. Da janela do seu quarto, a Amélia, sentia a vida passar… Teve filhos que cresceram, fizeram-se homens sem que ela desse por isso e partiram para terras do fim do mundo, como se o mundo tivesse princípio ou fim…
Davam-lhe chá de pétalas de rosas para que a Amélia sorrisse, mas a Amélia não sorria e nem o chá de violetas lhe roubou a solidão…Uma noite, não me lembro se era Janeiro ou Agosto, abriu a janela e foi tal o seu sorrir, que o grito ecoou através das montanhas mais altas e pelos vales mais profundos de toda a nossa região…
Falava-se que, ainda a aldeia dormia, se ouvia o trinar de um passarinho e que o seu canto era tão suave e doce como o de uma canção de embalar.
Um dia, e só naquele dia, viram na campa da Amélia um rouxinol aninhado que, ao romper da madrugada, lhe fazia companhia…
Irene Garcia Massa (Ireninha) Urros
Nota: À memória da Amélia, que num momento de desespero e solidão no passado mês de Novembro ou Dezembro, encontrou na morte a solução para uma nova vida.Baseado em factos reais, em que as circunstâncias da sua morte estão explícitas neste pequeno texto, tendo apenas sido alterados os nomes e locais, o que é compreensível e aceitável.A Amélia partiu, mas a “A RAPARIGA QUE FICOU”será sempre recordada (em especial pela sua filha que tanto amava) e por todos aqueles que em tempos passados lhe conheceram o sorriso. Para quem ler esta história/homenagem, agradeço um minuto de reflexão...Bem –hajam.Irene Garcia Massa

Reedição de posts desde o início do blogue

16 comentários:

  1. Lindo!!!
    Muito subtil e oportuno, não fosse hoje, o Dia Internacional da Mulher...( ontem,hoje e sempre).
    Beijinho.Parabéns.
    Branca

    ResponderEliminar
  2. Olá IRENINHA!
    Mais um bonito texto!
    Parabéns a ti, pelo teu lindo texto e por tudo o que ele representa.
    Parabéns pela tua fotografia, sempre bonita!
    Beijinhos,
    Tininha

    ResponderEliminar
  3. Bonita homenagem a alguém descontente com a vida.
    E bonita a menina da fotografia ...
    Abraço amigo.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  4. Olá Ireninha!
    Parabéns pelo lindo texto, muito sofrido pela parte da mulher que partiu e da mulher que ficou.
    Já a menina da fotografia tem um sorriso feliz (assim até as máquinas fotográficas se deliciam em fotografar, tal é o à vontade com a câmara).
    Um grande beijinho seja feliz.

    Belinha

    ResponderEliminar
  5. Olá Ireninha.
    Texto triste, mas real para o dia mundial da mulher.
    O amor gera a legria e também tristeza, mas é com alegria que se faz abrir os corações.
    É com o coração aberto e cheio de alegria que se encontra o caminho para a felicidade.
    Por vezes o egoismo gera desiquilibrios e transforma o amor, que era alegria que é ouro em tristeza, que é fogo e tudo consome.
    A tristeza que é matreira e paciente abre o caminho daquela que espreita e termina com tudo que é belo neste mundo.
    Neste dia da mulher, como em todos os dias, que se abram os corações à alegria e se coloque a tristeza numa cela, porque a vida é bela.
    A beleza do amor gera alegria e paixão, por isso que se coloque a tristeza no caixão.
    O amor tem a arte de deixar viver e amar ou de matar.
    Como diria Ovidio, o amor é uma arte.
    Que o teu texto permita a todas as "Amélias" a descoberta da arte de amar e que o ouro seja alegria e não tristeza, solidão e desespero.
    Que o rouxinol faça a suas serenatas na janela do quarto de todas as mulheres, para acordarem com a alegria do seu sorriso de menina no rosto de mulher.
    Que a tua mensagem possa tocar os corações e evitar fins tão tragicos.
    Manuel Sengo

    ResponderEliminar
  6. Viva, Irene:
    A realidade consegue ser sempre mais incrível que a nossa imaginação.
    Uma vida demasiado triste e uma morte demasiado trágica. Creio que catártica para a escritora.
    Belíssimo texto: breve, em escrita límpida e linguagem contida.

    Abaço
    Júlia

    ResponderEliminar
  7. Belo texto e excelentre homenagem a um acontecimento triste mas real de uma Amélia que também sorriu de forma única e sincera enquanto se balanceava no parapeito da janela. Depois, também o grito, abafado e primero o dela, estridente dos que lhe eram mais próximos. Para além da descrição aveludada que o texto nos dá, por ele temos o dever de meditar em quantas mais Amelias há - de vidas cheias mas tão vazias - sempre capazes de subir a um parapeito de uma janela e dalí sorrir. Nem que seja por uma última vez.

    ResponderEliminar
  8. Maria de Fátima Sarmento/amiga do café sírius11 de março de 2012 às 21:06

    Em contos anteriores da autora, debrucei-me sobre a qualidade artística da mesma. Não quero deixar de o fazer novamente, através da leitura deste texto, dizendo, mais uma vez, que a autora é uma prodigiosa evocadora do passado, uma grande escritora da "memória". Mas este texto, que mais uma vez prestigia a sensibilidade, inteligência e a alma de artista da autora, contém em si uma inesgotável fonte de interpretações, e reveste-se de uma inquietude inquietante, sobre o sentido da vida, do amor e da nossa própria existência. Neste texto, a vida e a morte, confrontam-se. O amor e a procura de felicidade, tão depressa são símbolos de vida como de morte, silêncio e solidão. Estes "desacertos" humanos, são um espaço ideal para "redesenhar-mos" a nossa vida, que deve ser sempre de esperânça e de luta pelo encontro com a felicidade, motivo primordial da vida humana. Muitas vezes,como foi a vida de Amélia, esses "desacertos" humanos, vão pouco a pouco desenhando a morte. Quadro implacável; quando mesmo terrível, mas quadro que não podemos esquecer, e nos relembra, que muitas Amélias existem. O "Dia Internacional da Mulher", foi sábiamente escolhido pela autora, para publicar este texto, já que ilustra como as mulheres ainda sofrem de "prisões" e maus tratos múltiplos. Temos que dizer BASTA a este comportamento masculino, redutor da dignidade da mulher. Amélia, a menina feliz, sem rédeas, menina do mundo inteiro, sonhou um dia com o amor e felicidade. Só que Amélia pensava que o amor era assente no respeito, livremente assumido pela liberdade, e pelo absoluto de cada um. Amor e liberdade, são direitos invioláveis dos sentimentos humanos. Mas quanto a estes aspectos, pode-se aduzir literalmente, que este texto, recorda-nos e alerta-nos que na maioria das vezes, esta vivência da Amélia é o esteriótipo de muitas mulheres. O vínculo amoroso deve ser em si mesmo absoluto, e em si mesmo constituir uma liberdade. Nada mais nocivo nem de mais oposto à sua essência, existência, vivência, do que a ilusão de que o amor não está à mercê da sua intrínseca fúria de autodestruição. O amor constroi-se com delicadeza, ternura, envolvimento e respeito. Esta é a grandeza do seu desígnio, ou a precariedade do seu destino. Amar é uma arte de bem querer e fazer. A Amélia, que partiu, não resistiu, como tantas, ao desamor,à desilusão, sentimentos que por si só, a riqueza material não compensa. Esta foi a Amélia que ao abrir a janela sorriu tão alto...tão alto, porque à maneira dela, encontrou na morte a liberdade e felicidade. A Amélia, que ficou, é doce, meiga, bela, crédula e sonhadora. Esta é a Amélia que está e perdura na memória de quem com ela privou. Solidariedade, humanidade, devem ser as prioridades da sociedade, para que , sempre que for necessário, estejamos perto para "estender a mão" a quem quase está para "cair". Parabéns Irene, pelo modo como "sagrou" a Amélia. Só uma alma sensível o faz como sendo um dos seus. São precisos estes testemunhos, com esta substância e carácter para que de "passo em passo" o mundo se humanize e entre-ajude.

    ResponderEliminar
  9. Queridas amigas:
    Escrevi este pequeno e breve texto,em que as palavras foram contidas,tal é o conteúdo forte que encerra,com os olhos marejados de lágrimas de dor revolta e mágoa..Hoje e só hoje,ao responder-vos ,elas,as lágrimas ,teimosas,obstinadas,não cessam de cair..
    Dediquei-o à "Amélia"que conheci vagamente...A "Amélia":simpática ,bonita ,culta,inteligenteque escondia no seu bonito sorriso toda uma vida vazia,uma vida sem sentido,imposta
    pela própia vida.
    A "Amélia"é hoje uma estrela que brilha no firmamemto e que com o seu brilho,irá certamente,iluminar a vidade tantas "Amélias"que como ela,
    no recato dos seus lares,choram em silêncio as desilusões das suas tristes vida.Bem-Hajam.
    Com amizade e consideração da vossa amiga:
    Ireninha

    ResponderEliminar
  10. Meu amigo Manel:
    Que o rouxinol embale a sepultura da tua querida e saudosa Mãe ,que um dia partiu feliz ao encontro do seu estimado esposo.
    Abençoada Mulher que troxe ao Mundo o Homem grande que tu és!
    Abençoada terra,a nossa,que um dia te viu sujar os cueiros!
    Felizes dos que contigo compartilham e vivem o dia a dia da vida:a tua querida esposa e os teus amados filhos.
    Muito obrigada.
    Com um beijo de amizade da vossa amiga
    Ireninha

    ResponderEliminar
  11. Queridos amigos!

    Peço desculpa pelos meus comentários,mas às vezes a Net e a falta de óculos que me "recuso " a usar pregam-me estas partidas...Ficou a mensagem que vos quis transmitir e estou certa ser entendida.
    Com um beijo de amizade
    Irene

    ResponderEliminar
  12. Olá Ireninha!
    Pois olha, gostei tanto do teu texto como dos belo comentários que motivou.ada!Todos eles, belíssimos texos! Fico à espera do próximo.
    Beijinhos para todos,
    Tininha

    ResponderEliminar
  13. Aqui estou mais uma vez para te dedicar umas palavrinhas à tua nova publicação, realmente és duma sensibilidade que me comove. porque tocas fundo e sentes os problemas dos outros.És muito humana, razão essa que nos brindaste com um novo texto muito bem escrito e sentido. Admiro-te, porque da maneira como te conheço sei que és uma pessoa muito bonita por dentro e sinto muita vaidade por ser tua amiga.
    Quantas Amélias não existem neste mundo? Sofredoras, mas caladas. O Mundo está constituído por pessoas sofredoras que aguentam como as nossas Mães e Avós, por parecer mal, mas felizmente hoje as pessoas acordaram e ninguém nos garante que existe uma nova vida depois desta, por isso dão o grito do " Ipiranga" e soltam-se das amarras de momentos tormentosos e infelizes, outras como a nossa "Amélia" entram em conflito com o Mundo e com elas próprias o sentido que dão à vida é esquecer para sempre, mas não há que condenar, porque o desespero muitas vezes leva-nos a circunstâncias que nem nós compreendemos, por isso querida amiga, louvo-te por isso, pela bonita homenagenm que fizeste a uma Mulher que tanto sofreu. Um beijo da tua amiga de Coimbra.

    ResponderEliminar
  14. Olá a todos!
    Cá estou eu de novo só para vos dizer:
    Sinto-me abençoada por ter amigos e amigas Fantásticos!!!
    Gostava de vos reunir a todos à minha volta e gritar-vos bem alto:
    MUITO OBRIGADA!
    Da vossa amiga
    Ireninha

    ResponderEliminar
  15. Lindo o texto e a foto. bjis- Letinha

    ResponderEliminar
  16. Olá minha querida Létinha:
    Muito obrigada!Desejo-lhe do coração que tenha uma Páscoa feliz na companhia de todos os que lhe são queridos.
    Com um beijo de sincera amizade da sua amiga de sempre
    Ireninha

    ResponderEliminar