quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Fontes na região de Moncorvo













Fotografias :Fonte no Felgar e na estrada antiga da ponte da Portela/Moncorvo.
Fotos A.F.M.

Reedição de posts desde o início do blogue

5 comentários:

  1. Como diz a canção popular..

    Oh Vila Real alegre
    Província de Trás - os Montes,
    O dia que te não Vejo
    Meus olhos são duas fontes.

    (...) ou como versejou um felgarense:

    Situado entre as duas fontes
    No mais formoso Vale,
    Rodeado de grandes montes
    De beleza sem igual.

    Abram-se agora as torneiras da Memória.
    A chuva que teima em não vir,pois fugiu a sete ventos,antecipou o adágio" em Setembro ardem os montes e secam as fontes". Ainda assim,no Felgar sempre e continua a haver muitas e belas fontes como a imagem nos revela e a sua companheira.
    Iniciemos o percurso com partida na " Olhadela" no sopé da serra Cabreira/Picões.Perto do Castelinho havia duas:uma no laranjal do Sr.Fernandes e outra no da Dª Ester,próxima do local onde hoje arqueólogos analisam vestígios de cemitério medieval.Na Cevadeira,próximas do Laranjal do Ti Mocas e do Sr. Óscar Salgado havia duas.No canto do Ruço,íamos à fonte com cantarinha louceira e matava-se a sede,em tempo de amêndoas,de "piolhos" e suores dos amendoais.
    Dando uma volta de 180 graus,visitemos a Fragada do Moita,em cujas faldas fundeiras nos deparamos com bela e fonte do ti Aires, avô de actual autarca conterrâneo.
    Na sua vizinha Ferrugenta e na Estrecada podem lavar vossos pés empoeirados.Voltando-nos para a Azenha e ao longo do Pido, animais e passantes lavaram suas caras e o ti feijão Pequeno ou a Dª Ester não se importarão! (...)

    ResponderEliminar
  2. (...)
    A montante da Barca,nas Olgas, laterais ao Rio,encontram-se outras águas que brotam de solo barrento,alimentador de olivais e de figos "pichassotes" e beijoqueiras de lábios gastos e de outros mais delicados e juvenis femininos.
    Subamos mais dois lances de perdiz e no Arda da Casa, cumprimentemos,prazenteira e humilde, mais uma fontinha a escorrer em ardósia...
    Depois de se respirar no Ar da Casa,dirija-se por carreiros de formigas e de ovelhas até ao Moinho do Sr.Jó,enquanto diz adeus a outras nos moinhos do Sr. Gualdino e Teixeirina,companheira do Ti Chico Espanhol,talvez fruto da guerra civil e do Ti Seis Dedos do Larinho..
    Não se esqueça de espreitar a bem emoldurada por 4 ou 5 lajes de xisto a do Estal e recorde O Ti Carrasqueira que tantas vezes sonhou, descansando trabalhos e enchido sua cabaçinha de trazer à cinta em noites de luar e de balidos..
    Se não quiser rememorar tantas " levadas" e cereais moídos no Ribeiro dos Moinhos,volte-se para o Valduço e Fonte Salgueiro.Retempere forças mas cuidado não caia dos 4 ou 5 degraus adossados na parede abrigadora da Fonte e dos salgueiros.

    Para outro dia ficariam mais umas léguas a percorrer e a salivar. (...) cont,

    (...)Retome o passeio e visite na Cuba este escriva e peça-lhe umas boas bêberas e duas de conversa enquanto refresca mãos e garganta em bica pujante á sombra de latada de " quilhão de galo".Meta umas malápias ao bolso pois sempre ajudam.A jornada só acabará no Noguedo do Abel Reino, com as fontes da Meda e da Fábrica de permeio.
    Ala que se faz tarde!Voltemos à Fonte do Vale, rainha delas,e tire umas fotografias aos canecos de metal, presos por cadeados,não vá algum forasteiro mais descuidado levar água e caneco..mesmo assim Nossa Senhora do Amparo acompanhá-los- à e nós agradecidos também..Vamos até Vale de Ferreiros, circundemos o Cabeço da Mua,por Nascente, e aproveite e recorde o bulício das Minas e dos raparigos no bairro mineiro.Desça devagar que a estrada vai a descer.Se quiser poupar o dinheiro de uma cervejola no Moita vá até à Fonte dos Salgado, logo ali a beijar a estrada.
    O sol ainda vai alto e ainda tanto para palmilhar.Enquanto a Pinheira espera,dirija-se à antiga Estação e espreite pelo portão do Capitão Marcos e delicie a vista com tanta golfada de precioso líquido,embora pesada do ferro que se lhe vem entranhando desde a Carvalhosa.E que frescura e que segredos de Fulgêncio. Vá-se lá saber..
    Levante o cenho e faça peito!Próxima paragem será a Salgueireda e não se esqueça de que na Horta do Ti Polícia também havia boa água e bravos-de-esmolfe.
    Volva á esquerda e siga o rumo do Campo de Algoso e pergunte no Favacal,nos Pedralves e nas Fontelas se ainda correm no meio dasa regadas e das vinhas.Nuca mais chegamos ao fundo Do Prado, onde mulheres sabedoras lavavam as tripas em dia de matança e os putos, depois da bola corriam sedentos até à Lameiras dos Asnos, com merujens e tudo..
    Antes de fecharmos a torneira respiremos fundo.Se ainda tiver força nas canetas suba até ao cimo do Cabeço da Mua e pergunte lá ao Ti António,guardador da Caseta, se não é perigoso espreitar a mina a lavar seu ferro e entranhas em águas altaneiras. Olhe o horizonte até à senhora da Assunção e,no silêncio, vá-se depedindo do curso normal do Nosso Sabor ao mesmo tempo que o imaginará gordinho a espelhar-se em albufeira de barragem que oxalá não afaste mais as rolas e as lontras e as bogas e barbos.
    Sendo crente ou não não deixe de tirar seu chapéu, admirando e agradecendo ás " Alminhas do Caminho" e a seus donos por nos presentearem de tão bucólica maneira.

    ResponderEliminar
  3. Publiquem mais fotos da freguesia do Felgar para para ler os belissimos comentários de Artur Salgado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E,porque o texto de ontem continha mais de(?)quatro mil e tal caracteres,foi impossível a sua publicação total.Desculpem lá a maçada mas,com tal seca,não virá mal ao mundo se continuarmos com ela nos olhos e na vontade.
      Talvez não fique tão mal como isso abrir a torna,por se ter perdido em lágrimas de regar terra tão necessitada.
      Tenteado o rego,retome no Abrulhal,inicialmente do Comendador Francisco António Pires e refastele-se junto do tanque e coma umas cerejas e avelãs se for tempo delas!Como bom rural não ligue a sinais e encurte distâncias.Sente-se uns instantes junto da fontinha da vinha do Capitão Benjamim Almeida,ou do irmão,e recorde infância de petiz e contada em " Combate na Frente Leste"..Se foi militar no ex-ultramar não pense que está na mata pois as oliveiras são suas amigas e símbolo de Paz.Se estiver inclinado para os amores, é só galgar muro desfeito e colha umas amoras nos Lagares do Miranda e de seguida esfregue a gola do pullover com alguma pinga que ainda lá haja.
      Antes de chegar à Fonte da Nogueira pode dar um saltinho à Eirinha e repare como é cristalina e gelada a da Mina,emoldurada por juvenis pinheiros que hão-de convidá -lo para umas sanchas de Novembro.
      Está quase na hora de passar á porta do António Manuel Teixeira,amigo a enviar fotos para o Blogue,e repare no Chafariz,encimado por bela cruz ladeada por dois pináculos de base quadrada encimados por duas esferas ovóides de granito.já centenário e cujo poiso era anteriormente mais próximo da esquina a cumprimentar solar do século XVII(hoje Casa do Cimo do Lugar).
      No caso de querer comprar uns pães no Miguel não se esqueça de admirar O Chafariz,diríamos renascentista(?) de Lamelas.Se for caso de querer tomar banho nas proximidades da ponte lá para os lados da Portela,agradeça com toda a amizade à fonte que tão solidária foi ao longo dos seus dias.
      Mas recorde -lhe que das muitas suas primas aquela que mais amizade emprestou a gerações e actuais veraneantes se situa a poucos metros da entrada do Bairro dos Barreiros do Felgar, tendo no assento de baptismo " Maria Miga".

      Eliminar
  4. Embora passases por algumas que também recordo,mas desse assunto jà foi falado aqui à ums dias,muitos, mas que me parecem poucos abraço Artur e não vou dizer mais nada,da Quaija

    ResponderEliminar