quinta-feira, 10 de setembro de 2015

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES (10/09)

10.09.1375 – Carta do rei D. Fernando a respeito da nomeação de um armeiro morador no arrabalde, como Procurador do concelho de Moncorvo.

10.09.1468 – Carta régia concedendo especiais privilégios a 40 oficiais sapateiros e alfaiates “cristãos ou judeus” de Castela que queiram vir morar em Freixo de Espada à Cinta.
Douro
10.09.1592 – breve papal concedendo indulgências á Confraria do senhor da Boa Morte, de Ventuzelo, Mogadouro.
10.09.1756 – Alvará de demarcação da Região Vinícola do Douro, a mais antiga do mundo.
10.09.1836 – Os 6 deputados eleitos pelo círculo do Douro provocam a queda do governo.
10.09.1930 – Carta dirigida ao Director da Cadeia Nacional de Lisboa:
- O recluso nº 406/ desta cadeia, vem mui respeitosamente à presença de VExª afim de solicitar as necessárias providencias, para o que adentro do alto critério de justiça providenciará VExª de maneira a que o signatário e soburdinado de VExª não seja prejudicado, visto lhe assistir toda a justiça.
Estive, como pode VExª certificar-se, aguardando julgamento e destino na Cadeia da Comarca de Moncorvo. Ora sucede, que enquanto estive nessa cadeia, sempre trabalhei como funileiro, profissão minha na vida livre; e como tal vendi ao oficial de deligencias do Cartorio por onde foi condenado, diverços utencilios; entre eles, dois caldeiros para o Rancho, que pelo mesmo oficial era distribuído. Tendo o mesmo snr iludido a minha bôa fé, visto que, alem dos meus fornecimentos no montante de 46$00, conseguiu que lhe empresta-se a quantia de 42$50, o que prefaz um total de 88$50, como me é fácil provar a VExª.
Faz-me, como VExª deve calcular grande falta este dinheiro, e que, em face da minha situação o mesmo oficial o senhor Marculino de Seixas, mostra bem o seu sentimento moral, pois nem sequer se tem dignado responder às minhas cartas, que datam já de 12 de Junho de 1929 data em que fui removido para a cadeia do Porto. Respoondendo sempre com evazivas menos corrétas aos apelos pessoais feitos pela minha pobre esposa o que é deveras lamentável… Joaquim de Castro
10.09.1941 – Inauguração da Ponte sobre o rio Tua, junto á sua Foz.
António Júlio Andrade

4 comentários:

  1. Com que então o senhor oficial de deligencias ficou com os caldeiros do funileiro.Caldeiro = tacho.Sempre a mesma coisa.
    Mexilhão

    ResponderEliminar
  2. Sempre houve e haverá caloteiros a viver à custa do dinheiro dos outros.

    ResponderEliminar
  3. ...queiram vir morar em Freixo de Espada à Cinta.
    Freixo tem que pôr novo edital.Por este andar ainda volta a pertencer ao concelho de Torre de Moncorvo.
    Leitor

    ResponderEliminar
  4. Então o Sr. Marculino Seixas roubou o preso !!? E não só no produto do seu trabalho, mas ainda lhe foi às poupanças!
    Ontem como hoje...

    Júlia

    ResponderEliminar