sábado, 2 de maio de 2015

URROS - RETRATOS DA MINHA INFÂNCIA

Ó amendoeiras floridas,

amendoais de riqueza!
alegria das raparigas,
cheias de encanto e beleza.

Vou pintar a minha terra!
da cor das amendoeiras;
começo aqui pela serra,
desço mesmo às ladeiras.

Vou pintá-las de branco,
em flor, imaculado;
de rosa é o manto,
de amor e de cuidado.

Cuidado na ventania,
ou até na chuva grossa,
caem pétalas de alegria,
ficam os sonhos de rosa.

Há perfume pelos campos,
cheira a rosas e a jasmim,
abelhinhas, em doces bandos,
deixam-me saudades sem fim!


Vou pintar as amendoeiras,
de trabalho e de ilusão
pinto de verde as ladeiras
cachuchos do meu coração.

São verdes e saborosos
de casca tenra e macia
de cachuchos tenros, viçosos
de leite ,pinto grãos de alegria!!

Vem o sol, traz-lhes mimos,
vê-los crescer é um regalo,
de pele de leite finos,
pinto amêndoas de estalo!

Pintei assim as ladeiras
verdes cachuchos a sorrir,
do poio às ladeiras
pinto amêndoas a florir!

Já duras e bem sequinhas,
do verde manto despidas.
Em ouro se tornaram,
até há amêndoas paridas!

e pinto com esta tinta
de cantigas, as mulheres
vestem-se de blusas de chita,
vermelhas aos malmequeres.

E trazem saias rodadas,
as belas apanhadeiras!
e andam assim dobradas,
alegres e galhofeiras!

e falam da sua vida
e da minha ou da tua
os homens de vara fina
varejam amêndoa dura.

Depois em sacos de estopa,
feitos em belo tear,
seguem arrobas de amêndoa,
p´ra casa, bestas carregar.

E é uma animação,
sempre, sempre a reinar!
cozinha, quarto, sala ou salão,
na rua, em toldes, a secar!.

e em pás de fina madeira,
toca, toca a revirar
de casassós à ladeira,
meus sonhos hei-de pintar!

Pinto cestos de verga
até bacias de lata
amêndoa depois de seca,
é uma quebra bem farta

e agora vamos lá todas
de Urros, ó mocidade!
cantar ao desafio,
partir grão, à vontade!


E agora sentem-se aqui,
tomem lá o malhadouro!
o grão é p´ro cestinho
alqueire cheio é dinheiro.


Há presunto e queijo da talha,
postas de linho, é alva a toalha,
pão, bolas, salpicão e vinho,
há barulho! ide lá ver quem ralha.

Malhadouro malhadeiro
em açafates de verga,
o Petromax é luzeiro,
dá luz que bem se enxerga

Ó mocidade de Urros, que fizestes
da vossa fartura e riqueza?
ver os montes assim tristes
não vos dá dor de cabeça?!


RETRATOS DA MINHA INFÂNCIA.
tininha, de urros, outrora um vila!
( …que teve foral antes de Moncorvo.)

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Tininha;
    Urros teve foral antes de Moncorvo mas não o soube manter .Foi perdendo importância e a sua queda final começou na década dos 60 do outro século. A guerra colonial e a emigração foi o inicio de uma morte anunciada. Meios de comunicação melhores, fascínio pelo litoral e pela vila acabaram por ter efeitos demolidores. Hoje, Urros é um lar de idosos e e a saudade dos que partiram .Há mais "habitantes" no Urros virtual do que na aldeia .Daniel de Sousa, Maria José Fernandes, T ininha e mais alguns reflectem e projectam um Urros que já não existe.
    Gosto muito do seu trabalho intelectual. Continue a deliciarmos com os seus poemas e textos .Bem-haja.

    ResponderEliminar
  3. obrigada! as fotos estão lindas! é verdade que as coisas mudam e temos que nos abrir às mudanças, sem dúvida. Mas,QUE FAZEMOS DO QUE JÁ FOI? NADA?!NÃO! vamos fazer alguma coisa. NÕ SE TIROU PARTIDO DE NADA. MUDANÇA, PARA MELHOR , SIM. Havia tantos artesãos, fábrica detelha, tear com toda a actividade envolvente, edificios de uma sobriedade marcadamente nobre! não houve umaproveitamento etnográfico, artitici, social, eu sei lá... tanta coisa. não fizemos nada. oque se passa em urros, passa-se noutros lugares: é o que temos. mudança, sim mas vamos tirar partido doque temos.nada.! nada! é deprimente.
    Tininha, de urros

    ResponderEliminar
  4. É um lar de idosos sem lar,ironia; sem centro de dia;

    ResponderEliminar
  5. urros é um lar de idosos, onde ,n~inguém sabe disso...

    ResponderEliminar
  6. Força, Tininha. Vamos lá a essa veia poética.

    Abraço
    Júlia

    ResponderEliminar
  7. postas, de linho, é alva a toalha.
    está feita a correcão.
    Tininha

    ResponderEliminar
  8. Sem lar, o centro de dia é no largo das Eiras, a aproveitar as resteas de sol e de vida...Urros é dos saudosistas virtuais ou reais que todos os dias vão tentando alertar para o grande problema social... Os nossos idosos....

    ResponderEliminar
  9. as fotos são bonitas mas a imagem não e de urros torre de moncorvo

    ResponderEliminar