quarta-feira, 27 de maio de 2015

Bragança-Miranda - Bispo insurge-se contra gastos "escandalosos" nas festas

O bispo da Diocese de Bragança-Miranda, José Cordeiro, insurgiu-se hoje contra os gastos excessivos, "às vezes escandalosos", nas festas de verão e apontou-os como contrários à fé cristã.
José Cordeiro aproveitou o dia em que se assinalam os 470 anos da fundação da diocese para divulgar uma nota pastoral sobre "o sentido autêntico das festas cristãs", em que não poupa alguns mordomos e comissões de festas religiosas.
"Algumas organizações ou comissões de festas chegam até a contradizer o Evangelho e a fé da comunidade cristã devido ao desequilíbrio, às vezes escandaloso, nos seus gastos com os elementos exteriores, entre eles a excessiva quantidade de foguetes ou as somas avultadas para conjuntos musicais", aponta.
José Cordeiro começa por referir que o tempo das férias do verão é uma ocasião favorável à celebração de muitas festas cristãs e que esta época caracteriza-se pelo aumento da população nas paróquias e nos santuários porque é o reencontro com a família, com as tradições e com as raízes de quem teve de emigrar para longe da sua casa e da sua terra.

Sublinha, porém que "as férias também devem ser bem aproveitadas para o encontro, a reflexão, a avaliação e o descanso" e daí a razão de querer falar do "sentido autêntico das festas cristãs, que se celebram, especialmente, em tempo de férias".
O mais jovem bispo de Portugal ressalva que, "na verdade, muitos mordomos e comissões de festas religiosas populares dedicam-se de alma e coração ao serviço deste espírito genuinamente cristão que envolve" estas festas.
Contudo, verifica que "alguns mordomos e comissões de festas se movem mais nas vertentes económica e lúdica das festas do que na sua dimensão cristã fundamental".
"É um enorme desafio para nós superar o aspeto pagão, comercial, utilitarista e laicista da festa", acrescenta.
O prelado alerta para a necessidade de um maior "cuidado com a gestão das esmolas, salientando bem que as coletas (ofertórios) e as promessas levadas ao altar da eucaristia devem reverter exclusivamente para o culto, a evangelização e a caridade".
José Cordeiro vinca, citando o papa Francisco: "o dinheiro faz adoecer o pensamento e a fé e faz-nos ir por outros caminhos".
O bispo de Bragança-Miranda lembra ainda que desde 2003, esta diocese tem uma normativa para as festas, chamada «Disposições sobre as Festas Religiosas» e, por isso "esta nota pastoral vem urgir junto dos párocos, dos conselhos paroquiais dos assuntos económicos, das comissões de festas, das mordomias, confrarias e todos os fiéis das comunidades, a observância de tudo quanto se refere ao espírito cristão das festas, bem como a formação e a divulgação da legislação vigente na diocese.
"Estas normas ajudam a celebrar as festas cristãs com um espírito verdadeiramente cristão", sublinha.
José Cordeiro refere ainda que se mantêm atuais as disposições relativas à prestação de contas e ao destino das receitas das festas.
Todavia, "constata-se alguma resistência ao pagamento de licenças na Cúria diocesana devidas pela realização da festa" e que descreve como "um modo de partilha para as necessidades coletivas da diocese".

Sem comentários:

Enviar um comentário