sexta-feira, 15 de maio de 2015

Freixo de Espada à Cinta - postal

À esquerda apresenta-se o Convento de (?) de S.Filipe de Nery, estilo abarrocado. Lá ao fundo mora a Senhora dos Montes Ermos bem acompanhada por fartas cepas que produzem o bom e caro vinho com o mesmo nome. Vindo de Barca d´Alva pela Ribeira do Mosteiro se quiser antes de se deparar com esta relíquia de arquitectura, talvez abandonada, como muito património nacional , particular e eclesiástico até chora para que lhe acudam, dê um salto de uma légua até ao Penedo Durão. Deixe-se de durezas e contagie sua alma e coração vislumbrando no sopé a Quinta da Batoca, onde o Junqueiro terá escrito " Os Simples" e repare na Quinta das Quebradas e outras das familias Guerra , Tabordas e Parras... Imagine a simplicidade e o esforço que homens como Jorge Álvares ,um tal de Feijó, Sarmento Rodrigues, Quintão Meireles ou ainda Xavier Pintado, quase decano da Universidade Católica, ainda vivo , viveram para honrarem o nome do seu berço tão áspero e tão merecedor de ser contemplado. Depois de espreitarem para o Convento se não quiserem dar um salto à prazenteira e calma Congida então poderão ir até à Torre Octogonal e do Galo e tentem enxergar algum rei a descansar seu corpo e sua espada a Freixo , que de tão velhinho até já se esqueceu da idade. Antes de se despedir dos freixonitas ali na Curva da Maria Alva, local de cortesia e de espera de entidades e de bispos, como chegou a acontecer por obrigação profissional e a pedido de autoridade eclesiástica, não se esqueça de espreitar os quadros de Grão Vasco a emoldurarem naves,e cabeceira dessa Jóia do gótico tardio ( ou será manuelino ?) que é a Matriz das gentes de Freixo. Antes que me esqueça recordemos Artur Basílio de Sá e ele nos dirá que foi nos idos de cinquenta do século passado ,que o " velhote" e empreendedor Chico Santos transportou o rijo granito das terras de Lagoaça para assentarem em seu pedestal " o primeiro missionário do Oriente. Coincidência das coincidências: de Freixo , terra de missionários ... também foi o último missionário a despedir-se de Macau no seguimento da queda do império e veio despedir-se das terras transmontanas a Vinhais, terra de Seminário e de seminaristas. Que alguém por mim lhe acrescente o seu verdadeiro apelido ao grande impulsionador da cultura portuguesa em Macau de nome Manuel .....

5 comentários:

  1. Freixo de Espada à Cinta . Distrito de Bragança, Região Norte e sub-região do Douro, com cerca de 2 100 habitantes.
    É sede de um município com 244,49 km² de área e 3 780 habitantes (2011), subdividido em 6 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Mogadouro, a leste e sul pela Espanha (especificamente nos municípios de Mieza, Vilvestre, Saucelle, Hinojosa de Douro, e A Fregeneda), a sudoeste por Figueira de Castelo Rodrigo e Vila Nova de Foz Côa e a oeste e noroeste por Torre de Moncorvo.
    O poeta e político Guerra Junqueiro nasceu em Freixo de Espada à Cinta a 17 de Setembro de 1850.
    Manuel Maria Sarmento Rodrigues nasceu em Freixo de Espada à Cinta à 15 de Junho de 1899 foi um oficial de Marinha de Guerra Portuguesa, administrador colonial e professor de grande nomeada.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Freixo_de_Espada_%C3%A0_Cinta

    ResponderEliminar
  2. Ana Diogo :
    Belíssima descrição de Freixo de Espada à Cinta. Que lamento não conhecer

    ResponderEliminar
  3. Por deficiência minha ou teclado trocado o autor A. Salgado é pai da Lurdes Salgado. Ainda assim não vem mal nenhum ao mundo......já agora aquele apelido que me faltava do último freixonita e missionário em Macau não será Guerra? ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chamava-se Manuel Teixeira, e é meu tio.

      Eliminar
  4. MANUEL TEIXEIRA (Monsenhor) (1912 - 2001)
    Eminente historiador do Oriente. Tem vasta obra espalhada por revistas e jornais portugueses e estrangeiros, como o Obsservatore Romano, Archivo Ibero-Americano, Aisian Studies. Colaborador da Enciclopédia Verbo, do Dicionário da História da Igreja em Portugal e da Enciclopédia Católica Japonesa.
    O rev.º padre Manuel Teixeira foi ainda membro da Associação Internacional dos Historiadores da Ásia, da Academia Portuguesa de História e da Academia Portuguesa da Marinha. Representou Portugal e Macau em vários congressos e o Governo Português reconhecendo os seus relevantes serviços agraciou-o com a Ordem do Império Colonial (1952) e com a comenda da Ordem do Infante D. Henrique (1979).
    Em 1982 foi proclamado Figura do Ano em Macau, e em 1983 é personagem na televisão dos E.U.A para o documentário “Os nove velhos mais activos do Mundo”. É narrador de 12 filmes históricos para a televisão de Macau e dum outro para a televisão coreana.
    Em 1985, o Presidente da República, general Ramalho Eanes, condecorou-o com a Medalha de Valor de Macau, o mais alto galardão do território. »»
    GOOGLEMAN

    ResponderEliminar