quinta-feira, 21 de maio de 2015

MULHERES DA MARINHA GRANDE, de Júlia Barros (29/03/2011)

Palavras prévias à edição de 2010


Em 8 de Março de 2008, o MDM fazia sair a 1ª edição de “Mulheres da Marinha Grande – histórias de luta e de coragem”. O livro em breve esgotou. Era evidente que várias outras histórias de tantas outras mulheres anónimas, heroínas desconhecidas, quase sempre na sombra dos maridos ou dos pais, ficaram por contar. Decidiu então o MDM fazer uma 2ª edição do livro. E porque não acrescentar-lhe mais algumas histórias? Houve, pois, que proceder à recolha e registo de mais alguns relatos de vida, ouvindo quem os viveu e sofreu. Aqui está o livro, agora com 15 histórias: doridas, pungentes. Ao longo da recolha, tornou-se claro que o trabalho ia ficando cada vez mais difícil: primeiro, é a idade que cada vez pesa mais e impõe as suas leis; segundo, é a doença que sobrevém e impõe os seus limites; e, por último, é a memória que falha.
Só nos resta reconhecer o óbvio: tal como acontece com as as folhas de Outono que o vento para sempre levou, uma vez perdidas estas memórias, não há recuperação possível.
Por isso, esperamos que as histórias aqui narradas, sejam representativas das que se não contaram e possam ser lições de vida para todos nós, que ainda estamos presentes e, principalmente, para os vindouros.
Júlia Guarda Ribeiro

Reedição de posts desde o início do blogue
Post colocado a 29/03/2011

11 comentários:

  1. Parabéns, Júlia, pela nova edição de “Mulheres da Marinha Grande – histórias de luta e de coragem”. Serão, de certeza, histórias de leitura agradável e edificante - lições de vida... a não perder.
    Beijinho,
    São/Contchi

    ResponderEliminar
  2. Parabéns à minha contadora preferida.
    Lá estarei.

    Alexandra

    ResponderEliminar
  3. Não estarei presente fisicamente,mas vou estar em pensamento e,do coração,lhe desejo o sucesso de sempre,querida Amiga.

    Uma moncorvense

    ResponderEliminar
  4. Parabéns Júlia, O perfume do seu talento como escritora orgulha-nos, onde quer que se encontre, bjs.

    ResponderEliminar
  5. Martins Janeira, andava com pedras do Reboredo no bolso para não se esquecer da terra.Nós,que vivemos na grande Lisboa,andamos com os livros de Júlia Biló,também para não nos esquecer-mos de Moncorvo.
    LAG

    ResponderEliminar
  6. Parabéns, Julinha. Estou certa que é outro sucesso.Fico especialmente interessada neste seu trabalho, outro hino a mulheres guerreiras. Aquelas que a minha amiga Fina d´Armada tanto gosta de trabalhar também.

    Um bjo amigo da Lila

    ResponderEliminar
  7. Oi, Júlia,

    Força ! Conto livrar-me de uma estopada para ir ver-te e às tuas Amigas, essas grandes Mulheres! Guarda um livro, OK?

    Avelaide

    ResponderEliminar
  8. Desta vez, tem de ser. Vou de abalada até Leiria conhecer a minha quase conterrânea de quem já muito ouvi falar. Tenho dois livros seus, pequeninos em tamanho, mas muito grandes em conteúdo e mensagem.

    Até Sábado
    Paulo Batista

    ResponderEliminar
  9. Então como é?
    A nós não chegou cá o convite ...

    Helena e Jorge

    ResponderEliminar
  10. Caríssimos Amigos:

    Entrem por ali dentro. Nem precisam de bater à poeta. Mas, se baterem, de certeza que ouvirão a transmontana resposta : "Entre, quem é !".

    Grata a todos pelas vossas palavras que até aquecem a alma.

    Abraços
    Júlia

    PS - Os convites só foram por mail. A crise já chegou aqui ...

    ResponderEliminar
  11. Claro que não era "bater à poeta", mas sim "bater á porta". Costuma dizer-se que "gralhas são corvos" e é verdade...

    Abração
    Júlia

    ResponderEliminar