quarta-feira, 8 de abril de 2015

ULTREIA! CAMINHO SEM BERMAS,de António Sá Gué (17/12/2010)





















Apresentação da última obra de António Sá Gué , ULTREIA! CAMINHO SEM BERMAS, que teve lugar na Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro em Lisboa ,no passado dia 17.

(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)
(Reedição de posts desde o início do blogue)
Postado a 17/12/2010

6 comentários:

  1. Ultreia! Caminho sem Bermas - António Sá Gué

    Publicada por António Sá Gué em 04:33 1 comentários Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010
    A grandeza das coisas

    – Neste ponto da viagem, onde a insipidez e a monotonia egocêntrica do caminho se associa ao cansaço, torna-se-me evidente que o cérebro produz a consciência das coisas e atribui-lhe sempre uma grandeza em função daquilo que somos – interrompeu o Daniel. – Não falo, obviamente, da grandeza física, falo de uma grandeza subjectiva, mas, se calhar, até a grandeza física é uma função da pessoa. Existem diferentes tamanhos para as coisas, dependem da nossa riqueza interior. Quem não achou minúsculos os espaços que na infância eram enormes? O cérebro não é mero transmissor das sensações, tenham elas a origem que tiverem. Ele é muito mais do que isso, é o gerador e o grande fautor da grandeza das coisas.
    O caminho pode adquirir múltiplos significados, dependendo da cultura e dos genes de quem o percorre. Pode não passar de mera vereda limpa, isenta de silvas e giestas, flanqueada por uma tantas igrejas que não vão além de vulgares paredes de pedra talhada. Ou, então, o caminho é uma estrada do conhecimento, uma estrada de transformação da matéria, bordejada de obras-primas da criação humana que emergem da terra sagrada, casas de Deus em que se acredita, e onde tudo se faz em sua honra. Um livro aberto, cultura viva, linguagem que todos percebemos, argamassa que nos une e nos orientou naquilo que somos. Essas visões dependem de nós, da forma como apreendemos o mundo e nos relacionamos com ele.
    Fazer o caminho é, juro, um acto interior, e reflexivo.

    Neste livro, descrevo o caminho e as impressões colhidas ao longo do “Caminho Francês”, e vou garatujando um segundo caminho paralelo a esse: o caminho do conhecimento e do não-conhecimento. Este é o caminho simbólico do Daniel, um professor, um artificie de consciências, que ao longo do seu trajecto tenta, em todos os momentos, melhorar enquanto pessoa, encontrar dentro dele a melhor forma de andar ao longo desta senda que é, ao fim e ao cabo, o caminho da vida.
    Publicado no seu blogue:
    http://antoniosague.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. ULTREIA! - Caminho sem Bermas
    Livro de António Sá Gué
    30.11TER18H00Fnac Stª. Catarina

    Este é um livro onde, por um lado, o autor descreve o caminho e as impressões colhidas ao longo do “Caminho Francês”, por outro, vai garatujando um segundo caminho, simbólico, paralelo a esse, que é o caminho do conhecimento e do não-conhecimento é, simbolicamente, o caminho reflexivo do Daniel, um professor, um artíficie de consciências, que ao longo do seu trajecto tenta em todos os momentos melhorar enquanto pessoa.

    ResponderEliminar
  3. O Grémio Literário Vila-Realense acaba de receber três obras deste autor trasmontano que, confessamos, desconhecíamos por completo até há poucos dias. As obras em causa são Fantasmas de uma revolução e As duas faces da moeda, romances, e Contos dos montes ermos.
    António Sá Gué, natural de Carviçais (Torre de Moncorvo), onde nasceu em 1959, é uma agradável surpresa, pelo vigor da sua prosa e pela fluidez e desenvoltura da sua arte narrativa. O livro de contos, de temática rural, vale igualmente pela utilização da linguagem popular da Terra Quente Transmontana.

    Encontrado por GOOGLEMAN

    ResponderEliminar
  4. A foto é do Rui Carvalho.Seu a seu dono.

    ResponderEliminar
  5. "Pedras no caminho?
    Guardo todas, um dia vou construir um castelo…"

    Grande viagem... a do Autor,
    "...o caminho é uma estrada do conhecimento, uma estrada de transformação da matéria, bordejada de obras-primas da criação humana que emergem da terra sagrada...Fazer o caminho é, juro, um acto interior, e reflexivo. ".
    Todos nós,de uma maneira ou de outra, fazemos o caminho (e perceber o seu significado?), pelo menos devemos tentar!
    Parabéns.
    Bird

    ResponderEliminar