quarta-feira, 8 de abril de 2015

TORRE DE MONCORVO - EFEMÉRIDES (08/04)

Casa da Câmara

08.04.1703 – Extracto da acta da reunião da câmara: - “Porquanto as paredes da casa da câmara estavam ameaçando ruína e que, caindo, se poderão quebrar as medidas de bronze e perder o arquivo dos papéis da câmara (…) que se entreguem ao tesoureiro do concelho”.
08.04.1851 – Acta da reunião da câmara: - Considerando os graves prejuízos que os pardais causam nas searas e a progressiva multiplicação dos mesmos que não pode deixar de agravar para o futuro os males que já actualmente estão causando, acordaram em fazer a seguinte postura:" art. Único – todo o chefe de família é obrigado a apresentar ao seu respectivo regedor de paróquia, no domingo anterior ao dia 25 de Março de cada ano 12 cabeças de pardais. O que não cumprir incorrerá na multa de 600 réis. Os regedores se apresentarão todos com a relação das faltas à câmara, no dia 25 de Março. As viúvas que forem chefes de família e aquelas mulheres que viverem sós satisfarão com 6 cabeças e a multa será de 300 réis”.

António Júlio Andrade

7 comentários:

  1. E quem fosse deficiente,poderia apresentar só três pardais e pagar de multa 150 reis?

    ResponderEliminar
  2. E o destino dos pardais, era para quem?
    Boas tainadas se fizeram à conta do povo, só pode.... "gandas malucos"...

    Olhai agora a GNR atrás do pessoal com as pressões de ar à caça dos pardais, no meio da praça de moncorvo.... é que seria cá um filme...

    ResponderEliminar
  3. ..quebrar as medidas de bronze .São as medidas que levaram "roubaram"para Bragança?Diz quem as viu que ficam muito bem no museu.
    leitor

    ResponderEliminar
  4. A respeito dos pardais, em todas as épocas e em todos os lugares, desde o antigo Egipto, foram um problema para a agricultura, em redor dos povoados. Quem tem uma horta ou um quintal e semeia umas couves ou umas ervilhas... Historicamente era o povo trabalhador que exigia dos poderes públicos a organização da "caçada" anual aos pardais. Digamos que era uma medida ecológica... há espécies vegetais e animais que infestam e têm de ser reguladas. No caso dos pardais penso mesmo que deverá rever-se a legislação que proibe abatê-los com as espingardas de chumbos. Caso contrário, a curto prazo, em redor das nossas povoações não poderão os agricultores cultivar muitos dos mimos hortícolas porque os pardais os devoram à nascença... Têm dúvidas? Perguntem aos agricultores. Eu para salvar as minhas ervilhas este ano vi-me grego. Ficaram sem uma única folha! Espantei os pardais com umas fitas de uma cassete de vídeo. J. Andrade

    ResponderEliminar
  5. Sobre as medidas e os papéis... chamo a atenção para o sentido de responsabilidade na preservação do património cultural que já nos séculos XVII e XVIII animavam a câmara municipal de Moncorvo. J. Andrade

    ResponderEliminar
  6. Amelia Gaspar comentou escreveu: "Os pardais da praça de Moncorvo só resistem até 15 de Agosto (dia da festa de Nossa Senhora da Assunção). Nessa noite ficam todos assados pelo fogo preso no largo do tribunal. Já assisti ao "filme"."

    ResponderEliminar
  7. Esta postura da Camara é completamente anacrónica e só pode ter saido duma "mente brilhante"...E havia quem votasse em pessoas destas para presidir aos destinos da autarquia?...E o que fez o tesoureiro ás medidas de bronze e aos papeis da camara? Temos que o desenterrar para lhe exigir a devoluçao..........

    ResponderEliminar