quinta-feira, 23 de abril de 2015

Dia Mundial do Livro - Poemas de Pedro Castelhano (Rogério Rodrigues)

País  de sacanas e safardanas
Retrato do artista quando jovem.Foto Leonel Brito.

de mistura

de usura e óleo bento

animais perfumados

de anéis e arreios

por demais

escuros e iguais

sacanas e safardanas

que nos governam

e nos enterram

de silêncios promíscuos

e também palavras

em sintaxe de mendigo

com alma sem abrigo

e consciência ao léu

que não há inferno nem céu

sacanas e safardanas

o que fazeis deste país

que também é meu?

Toada de Castro Vicente

Era uma vez em Castro Vicente

de  almas negras com fumo de maldição.

As mulheres sofriam em silêncio

e as crianças não nasciam em Castro Vicente.

Das ruínas do castro fugiam os corvos

crocitando negros até ao Rio

e as cobras invadiram as pedras

e sugaram o leite das crias

dormentes e amargas ao anoitecer.

Era uma vez em Castro Vicente

com padre temente que o sino caísse

no silêncio da terra amaldiçoada.

As pedras vertiam sangue e as cobras

falavam a língua rascante do Oculto.

Fugiam as aves  do céu em peste.

Até em Castro Vicente o padre chorava.

Veio o Bruxo quando o Diabo já chegara.

E pela primeira vez em Castro Vicente

um Bruxo foi santo ungido de urtigas

e ossos ressequidos com danças de freira

vestida de sambenito, ave livre do Planalto.

E as crianças começaram  nascer

no tempo em que se anunciava o fim do Mundo.

Era uma vez e aconteceu em Castro Vicente

no dia em que o Diabo se esqueceu do Oculto.

Nota do editor: 
O dia 23 de abril foi proclamado em 1995, pela organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), como Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, e tem por base as datas de nascimento e de morte do dramaturgo e poeta inglês William Shakespeare (1564-1616) e de nascimento do escritor espanhol Miguel de Cervantes (1547-1616).

2 comentários:

  1. Teresa Martins Marques :Excelentes poemas de Rogério Rodrigues. Obrigada Lelo Demoncorvo

    ResponderEliminar
  2. Poemas intensos, de luta e revolta. Desassossegos da vida presesente! Parabéns Rogério Rodrigues. Obrigada Leonel Brito.

    ResponderEliminar