domingo, 13 de dezembro de 2015

Quando o Natal chegar...por Pedro Castelhano

 Quando o Natal  chegar
liberta o pirilampo e liberta a Luz
arruma a ternura e arruma a casa.
E areja o sótão da tua infância.
Quando o Natal chegar
dá música aos surdos
e palavra aos mudos
afaga laranjas nas mãos frias
e figos secos ao luar
e amêndoas de Agosto a quem chegar
e limões, e ácidos limões, em teu lugar.


Quando o Natal chegar
à beira do rio olha a outra margem
cheia de sombras, pedras e perdas
e abre os braços, colunas e pontes
e começa a tocar a alma qual piano
na translúcida mágoa de nada tocar.


Quando o Natal chegar
Jesus já passou sem passar
na barca do tempo, entre margens
sem rio, mas à beira de naufragar.
Quando o Natal chegar
não leves granadas para casa
nem bombas para qualquer lugar.
Caça pombas ao anoitecer, morcegos
da tristeza e olhares cegos de vazios.


Quando o Natal chegar
olha os filhos como se só
então nascessem
e os dias fossem cristais
partindo grãos de romã,
tão sensíveis ao ouvido
mas sem pena nem sentido.


Quando o Natal chegar
adormece à beira dos violinos
com a loucura dos deuses
e a tristeza do Mozart.
Que os deuses devem estar loucos
porque a lareira está-se a apagar.


Quando o Natal chegar
cuida das prendas e ofertas
aos que nunca mais vão chegar.
Entre pedras e perdas
guarda o amor de guardar
que a face da mãe ondeia
e o pai adormece a lacrimejar.

Quando o Natal chegar
a nordeste de tudo, mais vale
encher o saco de Nada
 e percorrer a noite, até ao abrigo
dos campos da quimera calcinada.
Com o saco cheio de Nada
visita Iraque e o Afeganistão.
Toca às portas da Palestina
e canta dor às portas da prisão.


Quando o Natal chegar
enche o saco de Nada.
Pode ser que por tanto Nada
algo te queiram dar:
um filho, um sorriso, talvez luar.


Quando o Natal chegar
talvez amor e amar.
Dádiva por dádiva,
aceita, é de aceitar.


Pedro Castelhano


                                                           Felicidades
                                                                    e
                                                      um Natal partilhado

13 comentários:

  1. Bonito. Outra perspectiva do Natal.

    ResponderEliminar
  2. De vez enquanto cruzo com os poemas de Pedro Castelhano. Andam dispersos por vários blogues. Encontrei um em mirandês! Há um dedicada à neta que me comoveu. São de uma beleza ,agreste, lembram-me o verde das azedas nas velhas paredes de xisto. Gostava de os ler de um livro, sublinhar, rabiscar notas, destacar palavras ,levá-lo no bolso ,senti-lo meu!
    Continue a semear por estes bolgues, não se preocupe com a colheita. Aí entramos nós. À brecha ou ao rebusco não deixamos nenhum no campo.
    M.C.

    ResponderEliminar
  3. Belo o poema,lindas as fotografias, interessante este último comentário.

    Maneldabila

    ResponderEliminar
  4. Felicidades e um Natal partilhado - e para si.Belo poema.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada, Rogério, por mais esta pérola.
    Já nem me atrevo a perguntar para quando a edição em livro ?!!

    Um grande abraço em partilha para si , para os seus e para todos os Homens de Boa Vontade (que vão rareando)...

    Júlia

    ResponderEliminar
  6. Aviso à navegação.
    Pedro Castelhano Américo Monteiro ,Rogério
    Rodrigues e César Urbino Rodrigues, são pedranos (Peredo dos Castelhanos)
    Sá Gué e Victor Rocha são lapouços (Carviçais)
    Maria Carqueija, Carlos Seixas e Adília Fernandes pucareiros (Felgar)
    António Júlio Andrade e Isabel Mateus Tchoqueiros (Felgueiras)
    Carlos Abreu e Ilda Fernandes são pratas (Maçores)
    Virgílio Tavares e Carlos Abreu(é bilingue) são Labregos (lousa)
    Nelson Rebanda ,africano (Angola)
    Júlio Barros Biló é india (Corredoura)
    Quem é da BILA?Quem é paliteiro? ,CATANTCHU?!

    Nota de rodapé:...”Os filhos dos senhores que andavam no colégio, muitos nunca foram nada na vida, sabe-se hoje na vila. Apalpavam e também tentavam dormir com as sopeiras”...
    excerto de um texto de 1977
    H.E.j.

    ResponderEliminar
  7. O Campos Monteiro, júlia Biló, Américo Monteiro e irmão, Lucinda Tavares, Constantino rei dos Floristas,Visconde. O Abilio Dengucho foi administrdor do bnu,Guerra foi Vice-governador de Lisboa, Júlio e César Dengucho, advogado e juiz respectivamente etc. Todos eles estudaram no Colégio seu sectário.

    ResponderEliminar
  8. Eu parei agora aqui, e ainda bem que isto me aconteceu.Que maravilha! que beleza de texto ! Rico, pela mensagem que nos deixa; pela forma como o diz! Adivinha-se! Sente-se a voz deste sujeito poético! Há música neste poema!
    Como é que só agora o vi?!
    Coisas destas, não têm ttempo
    Arinda Andrés

    ResponderEliminar
  9. Olá, Rogério. Bonito poema, como outros que escreves e as belas crónicas e outros textos. Que tenhas saúde e gosto para continuar. Abraço. J. Andrade

    ResponderEliminar
  10. Obrigada ao blogue por nos presentear com este belo poema.
    "Quando o Natal chegar", é sempre bom sentir, guardar a esperança de um mundo melhor!
    Boas Festas para todos !
    A.A.

    ResponderEliminar
  11. Festas Felizes para o Rogério que nos deu esta maravilha, para todos os blogueiros e para os visitantes, bem como para todos os Homens e Mulheres de BOA VONTADE.
    Um abraço muito grande.
    Júlia

    ResponderEliminar
  12. Que maravilha!E as fotos!Obrigada ao Rogério e votos de um Ano Novo e a todos os que passam por aqui,repleto das maiores venturas.Irene

    ResponderEliminar
  13. É um poema com som, imagem, cor, e muito cheiro a nevoeiro de inverno. Obrigada por partilharem tao generosamente as vossas riquezas. Este blog é o cantinho mais terno da minha saudade e ternura que sinto pela minha querida Vila do coração.

    ResponderEliminar