sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

NORDESTE TRANSMONTANO - EFEMÉRIDES (11/12)

11.12.1826 – Sob a presidência de Francisco Manuel Borja de Oliveira Pimentel, “em consequência do ofício que ele juiz presidente recebeu do ilustríssimo e excelentíssimo brigadeiro comandante da força armada nesta vila, em data de 10 do corrente mês, para se fazer bando pelas ruas públicas da declaração de el-rei D. Miguel e da soberana Rainha Imperatriz, sua Augusta Mãe, se procedeu ao dito bando dando vivas, as competentes, aclamados geralmente por todos, depois do que, recolhida a câmara à casa da mesma, com a assistência do meritíssimo corregedor desta comarca, Luís Ribeiro de Almeida e Vasconcelos, e do provedor desta comarca, por seu procurador Bento Pita Castro Meneses, por constar de sua moléstia, assim como o exº marechal de campo José António de Sousa e Vasconcelos e o referido exº brigadeiro e mais oficiais da força armada, nobreza, clero, oficiais de justiça e povo, todos no fim assinados, juntamente com os procuradores bastantes dos que legitimamente se achavam impedidos, para prestarem juramento de fidelidade e obediência aos ditos augustos senhores (…) foi deferido juramento dos santos evangelhos a ele dito presidente pelo meritíssimo corregedor desta comarca, sendo por ele recebido, jurou de prestar e fazer prestar fiel obediência e fidelidade a el-rei o sr. D. Miguel I em tudo o que for de seu serviço e sendo por ele juiz deferido o mesmo juramento aos mais membros da câmara, assim como a todas as mais pessoas que neste acto estavam presentes e por seus constituintes foi dito que igualmente juravam fidelidade e obediência a el-rei sr. D. Miguel I na forma já declarada de que, para constar, mandaram fazer este auto que todos assinarão. E logo por mim, Joaquim José de Torres Portocarreiro, escrivão da câmara, o fiz e assinei. Seguem mais de 80 assinaturas…
11.12.1904 – Eis como o cronista de um semanário de Torre de Moncorvo descrevia este dia na capital do Alto Tâmega:
- CHAVES – Pela primeira vez se realizou a experiência geral de iluminação eléctrica da villa, dando as lâmpadas de arco voltaico, de incandescência e de luz intensiva, maravilhosos resultados. Temos visto diferentes montagens de luz eléctrica, mas nenhuma tão completa e perfeita como esta e que dê tão bons resultados. A fim de solemnizar o termo das experiências, a excelente banda de música dos bombeiros voluntários da villa percorreu as principais ruas, tocando vários ordinários, indo por último estacionar em frente da casa dos excelentíssimos representantes da Empreza, onde esteve tocando por espaço de hora e meia…
11.12.1929 – Morte de Artur Adriano Pires, em Carvalhal, Felgar. Trindade Coelho chamou-lhe o “Cara Fatal” em “In Illo Tempore”. Fundou e dirigiu o jornal “Alma Trasmontana”

Reedição de posts desde o início do blogue

Sem comentários:

Enviar um comentário