sexta-feira, 11 de março de 2016

Memórias Orais - Maria Andrade


“Na jeira comíamos pão, às vezes sabe o que levávamos? O engalho, chamávamos-lhe nós, que era o que havíamos de comer com o pão e azeitonas, as carnes eram poucas, uma sardinha, uma conservinha de sardinhas e era assim filhinho de Nosso Senhor, é assim que lhe digo..”

Não sabe que idade tem. A doença trocou-lhe as memórias mas a lucidez dos tempos de menina continuam intacta. “Andei na 4ª classe aqui em Freixo, ali era a escola na Praça, ao pé da Igreja; era ali que aprendíamos até à quarta classe, pra estudar nada vá, que eu era pobrezinha e depois toca de sair da escola e ir a trabalhar”. Aos dez anos, o trabalho já não lhe metia medo. Na agricultura os trabalhos eram duros, mas aprendeu a fazer tudo. “Trabalhava para os ricos. Tinham muita segada e nós até íamos à espiga, apanhar o que deixavam perdido, malhávamos a eira, juntávamos em casa dois feixes da espiga de pão e era assim”. Não acredita nas vozes que têm sempre a crise nos discursos. Antigamente é que existia miséria, agora ao menos há o que comer, diz. Comeu muitas vez metade de uma sardinha para enganar a fome, e portanto sabe do que fala. A escolha entre a cabeça e o rabo do peixe era à vez, entre os irmãos, mas havia pior, conta. A roupa e os sapatos iam sendo remendados até que já não houvesse solução. Depois havia quem fosse trabalhar descalço. Mesmo no frio de Inverno. Nunca foi o seu caso, nem o dos irmãos, ainda assim, a vida em Freixo não lhes foi fácil, e lembra “é como dizia a cantiga, Gosto de Freixo a valer/Já cá fico até morrer/Custe lá o que custar”.

Apesar dos tempos ingratos nunca perdeu a vontade de cantar. E é à sua terra que dedica os versos mais longos, “Oh Freixo de Espada à Cinta/De todo o lado te vejo/Ainda espero cá voltar/Para matar o desejo; És uma vila encantada/Eu por ti vou a chorar /Só lhe peço muita palmas/Pra cá tornar a voltar; Freixo de Espada à Cinta/Teu nome te ficarei/Por isso te quero tanto/Como quero à minha mãe; Terra amiga/Como tu não há igual/És a joia mais antiga/ Das vilas de Portugal”.
Maria Andrade vive no Lar em Freixo de Espada à Cinta. Desde os 20 anos que ser autónoma foi a batalha que não conseguiu vencer. É lá que tem passado a sua a vida. Às vezes a cantar, para distrair a inquietação constante. E se antes o fazia para “espantar a fome”, talvez agora o faça para espantar a solidão... 

Abril de 2015
Joana Vargas

Sem comentários:

Enviar um comentário